quarta-feira, 30 de março de 2016

O talento do “Garoto do Porto”

Quem imaginou que aquele menino, com seus 10 anos de idade, que estudava o Ensino Fundamental na Escola Estadual Francisco Walcir, no município de Santana, se tornaria um dos maiores comunicadores expressivos da atualidade em nosso Estado? 

A cautela com que observa e divulga os fatos ao seu redor começou a dar os primeiros na vida do jovem Fernando Quintela dos Santos no ensino primário, nas conhecidas “rodas de amigos” de escola. 

“Meus colegas já sabiam que eu pegava a caneta (fingindo ser um microfone) e saía entrevistando todo mundo na escola, era uma coisa que parecia prevista na minha vida”, conta o comunicador. 

Para a época, os meios de comunicação eram rígidos com relação à entrada de novos profissionais no mercado, mas sua vontade não se dobrou perante esses desafios. 

Como o seu genitor era proprietário de equipamentos utilizados em eventos festivos (som), se envolvia constantemente nos acontecimentos da modesta cidade de Santana, o que lhe proporcionou está perto dos estúdios de TV, já que havia apenas uma emissora de televisão na cidade (a TV Santana, Canal-42). 

“Assistia a programação local e percebi que essas audiências eram altas e imaginava se um dia chegaria até ali. Para mim, tudo teve um esforço”, explica Fernando. 

E foi exatamente em um programa local, exibido em 2009 todas as tardes pela TV Santana (Canal-42) que viria a denominada “chance de ouro”, porém, galgando gradativamente por outras funções que um profissional para iniciar. 

De cinegrafista a repórter
Como toda carreira televisiva, os passos são dados de maneira hierárquica, sendo saltados a partir do momento em que o esforço é mantido. Para Fernando Santos não foi diferente. 

O jovem – com pouco mais de 22 anos – foi nomeado para ser o cinegrafista externo de programa de entretenimentos daquela emissora santanense, onde o repórter era um dos sócios da programação da TV. 

“Certo dia, criei coragem e conversei com um dos sócios do programa sobre minha vontade de ser repórter, daí eles me deram a chance que eu esperava e não fiz feio”, relembra Fernando, que descreveu que sua 1ª reportagem foi de caráter policial (o furto de bicicletas na cidade). 

Ao notarem sua capacidade, a diretoria da emissora decidiu contrata-lo para a equipe de jornalismo, onde os passos somente se alinharam diante da sua dedicação pessoal, saindo das reportagens e chegando até mesmo ao topo de apresentar o próprio telejornal diariamente da emissora. 

“Aquele foi um momento sublime na minha vida, que hoje me enriquece pelo profissional que sou e procuro ser todos os dias”, enfatiza Fernando, que ficou à frente da apresentação de todos os programas produzidos pela TV Santana Canal-42 (programas como Jornal-42, Giro-42, Santana em Pauta) no período de quase dois anos em que ali trabalhou. 

Destaques nacionais
Durante um período em que precisou deixar a TV santanense – pois tinha o objetivo de investir em um projeto independente – Fernando foi convidado por outro amigo-confrade que seria incumbido de leva-lo para as telas da TV na capital. O amigo era o jornalista Anderson Farias. 

“Ele (Anderson) me falou sobre uma nova roupagem que estavam fazendo na TV Record de Macapá e me convidou para fazer um teste. Fui lá e passei, daí vieram novas experiências”, considerou o comunicador, lembrando que a chefe de Jornalismo da emissora era Sandriele Palmerim. 

Em sua passagem pela TV Record Macapá, noticiou diversos acontecimentos do nosso cotidiano, muitas dessas matérias – nm total de quatro – chegaram a ser exibidas em rede nacional, através dos telejornais “Cidade Alerta” e “Jornal da Record”

Entre suas grandes reportagens, está o incêndio em várias embarcações no distrito do Matapí-mirim, em Santana (em 2014), e o assalto numa panificadora no bairro Santa Rita, em Macapá, que terminou em funcionários-reféns dos assaltantes (em 2014). 

Um novo projeto
Com quase uma década no ramo da comunicação, Fernando Santos segue novos planos para o futuro, dessa vez com investimentos a chamada “comunicação publicitária”, onde o público vem considerando mais ativo para comercializar e simultaneamente se entreter. 

Deixando a TV na capital, retorna para a cidade portuária, subestimando novamente sua capacidade, e agora focado para os telespectadores locais com o objetivo de garantir uma programação com a “cara do povo santanense”. 

“O nosso povo carece de uma programação nova e mais dinâmica. Isso que pretendo mostrar para o público”, garante Fernando, que esta semana estréia seu novo programa de TV. 

Com o título “Concentração na TV”, o programa tratara de diversos temas que vão de saúde à cultura, passando por entretenimentos noturnos e curiosidades locais e regionais, assim como também terá apresentações musicais e reportagens versáteis. 

Com estréia marcada para esta quarta-feira (30), terá a participação de artistas locais como Ângelo Rodrigo e Aline Miele. 

“O público vai perceber que somos diferentes dos outros programas, e essa que vai ser a nossa marca”, finalizou Fernando.

terça-feira, 29 de março de 2016

Mais de 500 pessoas são atendidas e orientadas em reunião pública no bairro Fonte Nova

Aconteceu na noite desta segunda-feira (28/03), na área externa da Paróquia São Pio de Pietrelcina, no bairro Fonte Nova, em Santana, uma reunião pública, que contou cm a presença maciça de centenas de moradores, tanto do bairro Fonte Nova, como de bairros adjacentes, que, teve por objetivo, discutir e debater as consequências morais e patrimoniais ocasionadas pelos constantes “apagões” de energia elétrica que vem atingindo pelo menos seis bairros do município de Santana, que já vem deixando a população desses bairros com diversos prejuízos materiais. 

Para prestar assistência jurídica na reunião, foi formada uma “mesa de debates” que contou com a presença de diversas autoridades do setor jurídico municipal e estadual, além de acadêmicos do curso de Direito, que disponibilizaram seus conhecimentos – de maneira voluntária – para a comunidade local. 

“Com essas constantes interrupções de energia, muitos moradores (principalmente comerciantes) estão acumulando prejuízos diários que muitas vezes não dar condições para pagar um advogado que possa processar a empresa fornecedora de energia, e por essa razão que a reunião oferece esse tipo de serviço para justamente as pessoas menos desprovidas possam ingressar com pedidos de perdas e ressarcimentos”, explicou o advogado Fabiano Oliveira, um dos coordenadores da reunião. 

Segundo Fabiano, diversos bairros de Santana vêm sofrendo constantemente com “apagões” que, de acordo com o advogado, são justificados de maneiras imprecisas pela Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA). 

“Os moradores alegam que ligam para a Companhia e não recebem uma explicação concreta sobre o problema, e isso vem deixando a comunidade mais chateada por causa dos prejuízos que vão se acumulando. É nesse momento que entramos para orientar essas pessoas de como devem tomar as providencias legais sobre suas perdas”, disse. 

Estiveram compondo a “mesa” a Dr.ª Ruane Góes (diretora da OAB-Amapá), Dr.º Max Wallace (representante do Procon Municipal), e Dr.ª Maryelce Muniz (representante da Defensoria Pública do Estado), onde todos explanaram suas opiniões sobre a situação envolvendo o cliente/fornecedor e propuseram diversos caminhos que possam normalizar sobre as perdas contabilizadas. 

“Recebemos inúmeras reclamações dos serviços prestados, tanto pela CEA, como outros órgãos públicos, e procuramos de todas as formas agilizar para que o prejudicado consiga sua reparação o quanto antes”, disse Wallace, do Procon/Santana. 

Wallace lembrou que a estatal elétrica foi a campeã de reclamações no Procon Estadual em 2015, e que esses índices continuam se acentuando esse ano. “Em vez de melhorar seus serviços, ela continua aumentando o número de reclamações sobre ela”. 

Ação Pública
Na ocasião, foi repassado aos presentes informações de uma Ação Cível Pública (ACP) que vem sendo questionada junto ao Ministério Público, através da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, da Cidadania e do Consumidor da Comarca de Santana, que possivelmente notificará a CEA sobre as reclamações que estão sendo formalizadas para assim se manifestar judicialmente. 

“Estamos acompanhando a tramitação de uma representação que foi ingressada na justiça sobre esses ‘apagões’ diários e com certeza levaremos ao conhecimento de todas as esferas judiciais para que providências disciplinares sejam tomadas”, garantiu Ruane Góes, diretora da OAB/Amapá. 

A representação citada pela advogada Ruane foi ingressada no Ministério público no último dia 17 de março, solicitando explicações da CEA sobre os motivos que estejam causando os constantes desligamentos, e as soluções que podem ser tomadas para que o fato não fique se alarmando. 

“No próximo dia 06 de abril a CEA terá uma audiência com a promotoria de Santana onde deverá apresentar suas justificativas e soluções para a sociedade, e a partir daí retomaremos com a população para debater se a resposta da estatal é aceitável publicamente”, enfatizou Fabiano. 

Reclamações
Com um número superior de 500 pessoas presentes, diversos populares buscaram orientações relacionadas às faturas (contas) que chegam com valores exorbitantes, considerados por eles como infundadas. 

“Costumo pagar a conta de energia de até R$ 90 por mês, mas recebi duas contas com mais de R$ 800 dentro de apenas um mês. Isso não pode”, reclamou a aposentada Maria Dolores, residente do bairro Fonte Nova, que protocolou uma reclamação no Procon Municipal sobre a situação. 

Além das orientações repassadas, foram registrados 80 reclamações formais pelos assistentes jurídicos presentes. Entre as reclamações mais pautadas, estavam a cobrança indevida de valores não-consumidos, a queima de aparelhos eletrodomésticos causados por oscilações diárias, e a cobrança de taxa de iluminação pública em vias públicas que não recebem o referido serviço.

segunda-feira, 28 de março de 2016

Reunião pública discutirá prejuízos causados pelos “apagões”

Cansados de sofrerem pelos constantes “apagões” de energia elétrica que vem ocorrendo no município de Santana, a sociedade civil organizada decidiu articular pela imediata realização de uma reunião pública, com o objetivo de debaterem e discutirem sobre os prejuízos que vem sendo causados por essas interrupções elétricas. 

Há várias semanas, os bairros Paraíso, Fonte Nova, Mutirão, Fé em Deus, Jardim Floresta e Jardim de Deus estão sofrendo com as diárias interrupções no fornecimento de energia elétrica, que já resultou em inúmeros prejuízos para os moradores e principalmente para os comerciantes. 

“Perdi mais de 150kg de carne nesse negócio de vai-vem de energia, com certeza não vai ser fácil pra mim repor esse prejuízo”, reclamou o marchante Ednei Martins, que reside no bairro Fonte Nova, na qual ainda calculou a perda de um dia de serviço “não-trabalhado” em razão das faltas de energia. 

Segundo o marchante, a perda de produtos e materiais chega a R$ 4 mil. “Um valor que dói no bolso de qualquer comerciante”. 

Assistência
A reunião – que está agendada para acontecer nesta segunda-feira (28/03), na área externa da Paróquia São Pio de Pietrelcina, no bairro Fonte Nova – recolherá depoimentos comunitários de moradores (principalmente desses bairros mais afetados pelos “apagões”), orientando sobre os procedimentos legais a serem tomados judicialmente sobre suas perdas materiais. 

“A população vai poder apresentar suas reclamações na reunião e até tirar todas as suas dúvidas sobre os meios a serem tomados para ressarcirem essas perdas que tiveram”, explicou o advogado Fabiano Oliveira, experiente na área jurídica que favorece a classe consumidora. 

De acordo com Fabiano, estarão presentes diversos representantes de órgãos responsáveis pela proteção e garantia dos direitos do consumidor confirmaram presença na reunião, visando atenderem a comunidade menos desprovida de recursos morais e financeiros. 

“Defensores públicos do município, do Procon (Estadual e Municipal) estarão presentes na reunião, para repassarem todas as maneiras que devem ser tomadas para a recuperação cível dessas perdas. Esses representantes farão um serviço de orientação, em especial, para aquelas pessoas que não tem condições de pagar um advogado que assuma esse tipo de causa”, adiantou Fabiano. 

Manifestos
Devido aos constantes “apagões” que já vem deixando a população santanense indignada, na semana passada, moradores desses bairros fizeram diversos protestos, onde ruas e avenidas de alguns bairros foram interditados e pneus foram queimados em via pública. 

Ministério Público já foi acionado sobre esses
constantes "apagões" em Santana.
O resultado dos manifestos foi tomado com a normalização (temporária) do fornecimento de energia elétrica. 

Uma Ação Cível Pública (ACP) foi protocolada no último dia 17 de março na Promotoria de Justiça de Defesa do patrimônio Público, da Cidadania e do Consumidor da Comarca de Santana, que deverá acionar judicialmente a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) a se explicar sobre essas interrupções elétricas na cidade. 

Um abaixo assinado foi liberado por diversos bairros de Santana, com o objetivo de recolher assinaturas que possam ser incluídas na ACP, como forma de demonstrar maior veracidade da população que demonstra sua insatisfação com os serviços oferecidos pela CEA. 

“Quando ela (a CEA) é questionada pelos consumidores, ela não informa nada que possa convence-lo”, disse Fabiano, que já estimou mais de 1.700 assinaturas, até então, recolhidas pelo abaixo-assinado espalhado nos bairros prejudicados pelos “apagões”. 

Vale ressaltar que a reunião pública ocorrerá hoje às 19:00hs, na Paróquia de São Pio de Pietrelcina, no bairro Fonte Nova.

sexta-feira, 25 de março de 2016

Em menos de uma hora, registrado dois homicídios em Santana

Duas pessoas foram mortas a tiros em um intervalo de 15 minutos na madrugada desta sexta-feira (25/03) no município de Santana, a 17 km de Macapá. Segundo o 4º Batalhão da Polícia Militar (BPM), os crimes têm características de execução e teriam sido praticados pelos mesmos suspeitos em um carro de cor cinza. 

A primeira morte ocorreu na área portuária do município por volta de 3h. A vítima, identificada pelo nome de Fábio Cardoso Lucas, de 19 anos, foi atingido com cinco tiros pelo corpo e morreu ainda no local do crime. O 4º BPM informou que ele tem passagens pela polícia por tráfico de drogas. 

O segundo homicídio foi registrado logo em seguida, por volta de 3h15, pela Polícia Militar, no bairro Paraíso. O menor de idade Elian da Silva Paixão, de 16 anos, teria sido morto pelos mesmos suspeitos do crime da região portuária de Santana. Apesar de características semelhantes, os policiais não sabem se os assassinatos têm relação entre si. 

"Sabemos, através de testemunhas, que ambos os homicídios foram praticados pelos mesmos suspeitos. A hipótese da motivação pode ter relação com o uso de drogas porque a vítima da área portuária tem passagens pela polícia. Quanto ao adolescente, não sabemos da ficha dele", relatou o tenente do 4º BPM, Herinaldo Nascimento. 

Informações da página (Facebook) do SGT Sandokan

Macapá e Santana recebem “Sermão da Montanha”

As duas maiores cidades amapaenses (Macapá e Santana) receberão, a partir de hoje (25) e se estendendo pelo sábado (26/03), a 9ª edição do evento “Sermão da Montanha”, anualmente coordenado pela Igreja do Evangelho Quadrangular do Amapá. 

Desde a primeira edição, a programação é realizada durante a Semana Santana, com o objetivo de promover reflexões sobre de vida de Jesus Cristo através de pregações e shows evangélicos. 

“Nesse momento que o ser humano aproveita para se aproximar de Deus para assim louva-lo e servi-lo de corpo e alma, vendo que foi Nele que chegamos aqui para sermos salvos”, explicou um dos coordenadores do evento, pelas redes sociais. 

O evento espera reunir mais de 70 mil pessoas nas duas cidades, sendo nesta sexta-feira (25), acontecerá a partir das 19hs na Praça do Coco, no centro de Macapá. Já no sábado (26), o evento ocorrerá na principal praça da cidade de Santana – Praça Cívica – a partir das 19hs. 

Para a edição de 2016 terá a presença de PG/Banda (SP) e da cantora-missionária Flordelis (RJ).

quinta-feira, 24 de março de 2016

Procura por Ovos de Páscoa nos estabelecimentos de Santana é variada

Na semana de comemoração à Páscoa, diversos estabelecimentos comerciais de Santana continuam buscando formas de levar ao público-consumidor o melhor produto comível dessa época do ano. 

Porém, a principal preocupação na hora de adquirir um desses produtos está relacionado ao preço a ser pago. Em anos anteriores, um Ovo de Páscoa chegava a custar até R$ 110 quando o assunto era dar o presente mais caro como prova de amor ou gratidão. 

Em tempos atuais de crise, esses preços despencaram consideravelmente no mercado, de maneira que evitassem a diminuição no consumo do produto e garantir novos adeptos, partindo assim para as promoções e os descontos à vista. 

Para se ter ideia da situação existem comércios santanenses que chegam a vender um Ovo de Páscoa – de tamanho médio de 120g – chega a ser vendido pelo preço de R$ 16 tendo como brinde outro Ovo de Páscoa de 60g. 

“Essa é a única forma que encontramos de conquistar os clientes e evitar que acumulem produtos após o Domingo de Páscoa”, explicou a comerciante Socorro Pantoja, que colocou mais de 50 itens de Páscoa para ser vendido em seu estabelecimento comercial, localizado no bairro Remédios I. 

A comerciante contou que desde a semana passada a procura foi sendo moderada. 

“Os Ovos mais vendidos são de 70g (ao preço de R$ 6 reais), acho que devido essa crise que tem levado as pessoas a pouparem muito gasto”, descreveu a comerciante. 

Preços em conta
Já nas prateleiras dos supermercados a situação das promoções não muda. O menor preço de Ovo de Páscoa fica em torno de R$ 4,90 podendo chegar aos R$ 54,90, o que vai depender das condições financeiras do público. 

“As pessoas procuram comprar aqueles Ovos que possam ser consumidos em grupo, daí fica aquela questão de valores que variam entre cada Ovo”, disse Amanda Cristiane, revendedora de uma das empresas fabricantes de produtos achocolatados mais conhecida no mundo (a “Garoto”). 

A revendedora aponta que, há poucos dias da Páscoa, os produtos de formatos inusitados – aqueles que oferecem brindes em suas embalagens – estão sendo os mais procurados. 

“Tem chocolates que trazem colheres e alguns chegam a trazer pequenos brinquedos que simbolizam a data, esses acabam sendo os mais adquiridos. Acredito que por causa da vontade dos filhos”, ressaltou Amanda. 

Ovos caseiros
Aproveitando o momento especial e procurando ganhar um rendimento extra, há aqueles que conquistam através dos produtos feitos de maneira caseira, que em sua maioria, são atendidos através de encomendas. 

Uma dessas produtoras de “Ovos de Páscoa caseiro” é a doméstica Maria Helena, residente no bairro Paraíso, que já produz anualmente dezenas de miniaturas de Ovos de Páscoa que são vendidos sob encomenda de seus fieis clientes. 

“Tenho clientes até de Macapá que vem buscar os Ovos na véspera da Páscoa, isso prova até onde já chegou esse meu talento”, comentou de forma alegre a doméstica, que começou a produzir os produtos há quase duas décadas quando trabalhava numa escola municipal de Santana, onde iniciou com a venda de bombons de chocolate. Hoje, Maria Helena produz quatro (04) tipos de Ovos de Páscoa, com preços entre R$ 5 e R$ 25. 

“Teve ano que precisei produzir 35 Ovos de Páscoa em tamanho grande que seria distribuído numa confraternização de bairro. Trabalhei três dias direto, seguindo até pela madrugada, mas valeu a pena”, relembra a doméstica, que já recebeu mais de 30 encomendas somente este ano.

quarta-feira, 23 de março de 2016

Justiça determina pelo fim da greve municipal em Santana

Procurador Manoel Freitas, da Prefeitura de
de Santana, esteve presente na audiência.
Ocorreu ontem (22/03) no Tribunal de Justiça do Amapá, uma audiência que contou com a presença do Sindicato dos Servidores Municipais de Santana (SSMS) e a Prefeitura da cidade. 

A audiência – que foi realizada no Gabinete do Desembargador Carlos Tork – tratou-se na verdade de uma qualificação-justificação, impetrada pela Procuradoria Geral do município que já considerava o manifesto grevista uma ação abusiva pelo fato de terem sido aberto diversos diálogos entre a categoria municipal e o Poder Executivo, resultando negativamente em acordos entre as partes. 

Na ocasião, o Desembargador Tork também considerou que, em virtude da crise econômica que o Estado e o país atravessam, onde as receitas públicas estão sofrendo constantes quedas em sua arrecadação, deixou claro para os representantes legais do SSMS que a Prefeitura de Santana apresentou propostas que se enquadram com os gastos orçamentários existentes no município. 

“O reajuste proposto pelo município demonstra as condições momentânea que podem ser repassados aos seus servidores, podendo agora aguardar uma análise futura para assim ampliar esses valores”, explicou o Desembargador. 

O SSMS reconheceu que o reajuste de 10,67%, apresentado pelo município e encaminhado no início do mês de março para o Legislativo Municipal para debate e aprovação, expressa a preocupação com o funcionalismo local, assim como também o piso salarial para o quadro de magistério municipal, agora ampliado para R$ 2.135,64. 

“Será constituída uma comissão composta por membros do sindicato e da prefeitura com objetivo de estudarem formas que estejam dentro das condições do Executivo que possam garantir os benefícios ainda pendentes com a classe”, descreveu o Desembargador na decisão judicial. Também ficou determinado o imediato retorno do serviço público municipal sob pena de multa diária de R$ 5 mil caso haja qualquer descumprimento do acordo. 

O blog tentou contato com a diretoria do SSMS para buscar informações sobre a decisão da justiça, mas não tivemos êxito.

terça-feira, 22 de março de 2016

Cooperação entre Judiciário amapaense e Ministério Público garante atividades restaurativas dentro de escolas públicas

O Judiciário amapaense e o Ministério Público do Amapá vem capacitando professores e alunos de escolas públicas do município de Santana para atuarem como facilitadores e apoiadores de atividades restaurativas e de prevenção de conflitos dentro do ambiente escolar. 

Nesta segunda etapa do curso “Círculos Restaurativos”, professores e alunos da Escola Estadual Osvaldina Ferreira da Silva (do distrito de Ilha de Santana) e da Escola Municipal Piauí (do Igarapé da Fortaleza) participaram do evento que tem o objetivo de propiciar um espaço de diálogo dentro da escola para lidar com conflitos e sua resolução consensuada. 

O projeto Círculos Restaurativos é uma prática que pode ser aplicada em diversas áreas, inclusive em casa, nas relações intrafamiliares, na prevenção de casos onde a situação de violência ocorre com frequência; no local de trabalho e também no âmbito escolar. 

Todo esse esforço é resultado de cooperação firmada entre a Justiça do Amapá e o Ministério Público para a implantação do programa. “Essa parceria tem sido bastante produtiva, sobretudo com a disseminação da cultura de paz por meio desse instrumento chamado círculos restaurativos”, exalta a promotora de Justiça, Silva Canela.

Caos no setor elétrico leva população a interditar vias em Santana

Cansados de ficarem sofrendo com os constantes “apagões” que vem acontecendo em diversos bairros do município de Santana, moradores que residem nos bairros Paraíso e Fonte Nova tiveram que interditar na noite desta segunda-feira (21/03) diversos cruzamentos (ruas e avenidas) dos bairros como ato de indignação e revolta que consideram o desinteresse público da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) sobre a situação. 

Segundo moradores envolvidos – e outros que presenciaram – o ato, diversas interrupções no fornecimento de energia elétrica estão acontecendo, os referidos bairros Paraíso e Fonte Nova, além dos bairros Fé em Deus, Mutirão, Parque das Laranjeiras e Jardim de Deus I e II. 

“Já estamos cansados dessa falta de respeito com a população. Não basta o que tivemos que passar no ano passado com tanta falta de energia e isso acontecendo de novo? Chegamos no nosso limite, só assim brigamos por nossos direitos”, gritou revoltada a doméstica Kelly Pantoja, moradora do bairro Parque das Laranjeiras, que ainda disse sobre os prejuízos que estão sendo causados pelos “apagões” que ocorrem diariamente. 

“Tem comerciante que só tá contando os prejuízos que estão aumentando com esse vai-e-vem de falta de energia. Mas em compensação a conta continua vindo cara todo mês. Ainda da gente se não pagar pela conta, eles vem e cortam mesmo”, desabafou. 

Para interditar as ruas e avenidas, os moradores utilizaram diversos materiais de entulhos e lixos descartáveis, como pedações de madeira, pneus e troncos de arvores, onde fizeram as obstruções (ateando fogo) em trechos que servem de itinerário dos transportes coletivos, como forma de demonstrar às autoridades competentes a revolta que estão sentindo por esse descaso público. 

“Isso está uma bagunça sem tamanho. Estamos sendo desrespeitados de tal maneira que eles não atendem sequer nossas ligações quando querendo uma informação sobre esses desligamentos”, disse o comerciante André Sanches. 

O comerciante – que trabalha com o gênero de panificação e produtos congelados – contabilizou a perda de quase R$ 10 mil em menos de uma semana em razão das constantes interrupções elétricas. 

“Perdi a produção de pão de três dias por que não chegaram a ir para o forno e a massa acabou estragando, isso sem deixar de falar centenas de picolés que derreteram em dois dias. Com certeza a CEA não me ressarcir essas perdas tão cedo”, questionou o comerciante. 

Além das perdas de produtos dos comerciantes, também estão em risco de perda os materiais e medicamentos de uso na saúde pública. 

Manifestantes queimaram pneus no portão de
entrada da Eletronorte, em Santana.
O bioquímico Nataniel Rodrigues informou a blog sobre os produtos de uso do serviço municipal de saúde que ficam sob as constantes mudanças de temperatura em razão dos “apagões”. 

“Na semana passada quase que perdemos algumas vacinas que estavam armazenadas e achávamos que a falta de energia não iria demora. Como ultrapassou mais de seis horas, tivemos que levar essas vacinas para um posto de saúde se não a perda seria certa”, explicou o bioquímico, que ainda teme por novas interrupções nos próximos dias. “Ainda corremos o risco dessa energia ficar faltando toda hora”. 

Eletronorte
Depois do bloqueio de diversas vias, centenas de manifestantes (composto de moradores dos bairros afetados diariamente com os “apagões”) se dirigiram para a área frontal do parque térmico da Eletronorte, localizada na Rodovia Duca Serra, na entrada da cidade. 

A mesma ação tomada nos cruzamentos de Santana, também foi realizada em frente à área da Eletronorte, onde diversos pneus foram queimados como ato de represália popular. 

No portão da Eletronorte, manifestantes buscam
por informações sobre os "apagões diários".
“Só assim que eles terão mais consciência de nos olhar diante dessa pouca vergonha que passamos todos os dias”, disse a estudante Ana Lúcia Medeiros, da Escola Estadual Rodoval Borges (situada no bairro Fonte Nova), que precisou dispensar todos os estudantes do horário noturno em razão da longa espera para normalizar o fornecimento de energia. “O pior é que nós vamos ter que pagar esses dias de dispensa para não prejudicar o ano letivo, tudo por causa dessa bagunça que a CEA tá fazendo”. 

A estudante acompanhou os moradores que se dirigiram até a área da Eletronorte para buscarem satisfações em relação aos “apagões”, onde foram recebidos por um técnico da estatal que informou que o problema compete diretamente à CEA. 

“Eles nos informaram que não são mais responsáveis por qualquer situação ligada à rede elétrica e que tudo está agora a cargo da CEA”, explicou o autônomo Francisco Batista que, mesmo após tomarem conhecimento da isenção da Eletronorte sobre as interrupções, atearam fogo em pneus em frente ao portão de entrada da empresa. 

Cerca de 90 minutos após as manifestações tomarem conta da cidade santanense, o fornecimento de energia elétrica foi novamente sanado. 

Tentamos contato com a assessoria de comunicação da CEA através das redes sociais, mas não obtivemos êxito. 

Policiamento presente
Durante todo o período das manifestações ocorrida nos bairros Paraíso e Fonte Nova, viaturas da Polícia Militar de Santana estiveram presentes para manter a ordem das ações, porém, houve reclamações de pessoas que alegaram terem sofrido lesões corporais durante a explosão de um rojão de “bomba de efeito moral”, lançada por agentes da BPRE (Polícia Rodoviária Estadual). 

“Estamos apenas reivindicando por nossos direitos e não causando danos a ninguém”, indagou um dos manifestantes. 

Segundo um agente da BPRE, o disparo da “bomba” foi necessário para manter com que os manifestantes ficassem somente de um lado da pista da Rodovia Duca Serra, para evitar que o tráfego de veículos não fosse totalmente prejudicado. 

Informações repassadas por alguns manifestantes confirmaram que os protestos continuarão nesta terça-feira (22), sendo agora programado para acontecer em frente à agência da CEA de Santana.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Audiência de conciliação resulta em acordo entre o município de Santana e a Promotoria da Infância

A audiência de conciliação entre o Município de Santana e a Promotoria da Infância e Juventude terminou em acordo. O desembargador Carlos Tork intermediou o entendimento e homologou o termo. 

Com a efetivação do ato, as entidades de acolhimentos: Casa da Hospitalidade, Casa Betânia, Escola Agrícola Padre João Piamarta, Educandário Dom Alexandre, Fundação Orvalho do Hérmon, Associação Nossa Família e o Centro de Educação Infantil Dom João Rissati, que cuidam de dezenas de crianças e adolescentes vítimas de maus-tratos, abandono familiar, exploração e abuso sexual, serão melhor assistidas pelo município através de recursos oriundos do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente. 

O termo judicial dispõe de doze cláusulas. Onze delas comprometendo o Município de Santana a algumas obrigações como: pagamento de multa por descumprimento de decisão judicial, a ser destinada à conclusão de obras; aquisição de móveis e equipamentos e estruturação da rede de proteção infantojuvenil municipal. 

O Município deve ainda apresentar, dentro dos prazos definidos no acordo, projeto de lei do Programa Família Acolhedora; relação dos programas/projetos em execução a atender os adolescentes acolhidos institucionalmente, com cursos de capacitação profissional, programa de adolescentes aprendizes e oficinas de complementação educacional. 

Caberá, também ao Município santanense, dispor de profissionais, especialmente da saúde, para atender nas entidades de acolhimento; e, ainda, atualizar os salários em atraso dos servidores efetivos, comissionados, terceirizados e bolsistas, que desenvolvem atividades nas instituições de acolhimento e na rede de proteção. 

O alerta ao não cumprimento de quaisquer das obrigações sujeitará o município de Santana ao imediato bloqueio e sequestro de verbas afetas à referida matéria.

Atribuições no Programa de Depoimento Sem Dano são discutidas em reunião no TJAP

A Coordenadoria da Infância e Juventude da Justiça do Amapá reuniu com os demais integrantes do Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente para traçar planos de atividades e contribuir para a melhor forma de colher depoimentos das jovens vítimas de violência, além da implantação das salas de Depoimento Especial de Crianças e Adolescentes no Estado. 

Estiveram presentes representantes dos juizados da Violência Doméstica de Macapá e de Santana, Varas Criminais, Varas e Juizados da Infância e Juventude, Segurança Pública/Delegacia de Polícia, Ministério Público e servidores do Tribunal de Justiça do Amapá. 

No encontro foi debatida a metodologia da prática do Depoimento Especial, os procedimentos anteriores à oitiva especial, a execução da entrevista que será dividida nas seguintes fases: conhecimento, planejamento e preparação, acolhimento, depoimento, classificação e finalização e fechamento. 

Os servidores da Coordenadoria de Infância e Juventude-CEIJ, Ladilson Moita e Doralyde Santos, explicaram que está em suas funções acompanhar a execução do projeto, planejar e organizar capacitação aos servidores envolvidos; fomentar a realização de seminários, encontros, cursos, treinamentos e demais atividades afins; planejar e prover a otimização dos núcleos de depoimento especial; promover a interlocução com os demandantes do projeto e outras instituições e coordenar a avaliação continuada da prática do depoimento especial e desempenho dos entrevistadores. 

Inicialmente serão disponibilizados 10 entrevistadores habilitados, distribuídos da seguinte forma: 03 entrevistadores para Macapá, 03 entrevistadores para Santana, 02 entrevistadores para Laranjal do Jari e 02 entrevistadores para Oiapoque. 

No encontro também foi debatido que a proteção à criança e adolescente não se esgota apenas na denúncia, na apuração do fato e na garantia de assistência a sua saúde física e psicoemocional. A forma como será assegurado o atendimento à vítima infanto/juvenil no Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do adolescente, tornar-se fundamental, isto é, o atendimento ofertado no Conselho Tutelar, no serviço de saúde, na delegacia e no Sistema de Justiça deverá aperfeiçoar-se signitivamente.

“Uma prova estável”, avaliou candidato

Este domingo (20/03) foi marcado pela realização do concurso público para o preenchimento de 20 vagas do quadro administrativo efetivo da Câmara de Vereadores do município de Santana. 

Com cerca de 4.800 candidatos inscritos, seis escolas estaduais – todas localizadas na área urbana de Santana – foram rigorosamente escolhidas para servirem de locais das provas. 

Segundo o Edital do concurso, as vagas são distribuídas nas escolaridades de Nível Fundamental (Completo e Incompleto), Ensino Médio e Superior. 

No horário da manhã, as provas foram aplicadas para os candidatos selecionados para cargos do ensino Fundamental (Completo e Incompleto) e Superior. Já no horário da tarde foi a vez dos candidatos para os cargos do Ensino Médio. 

Segundo pessoas envolvidas na comissão organizadora do certame, não houve registros de tumultos ou reclamações de candidatos que pudessem comprometer a realização das provas. A empresa Sigetech (responsável pelo concurso) ainda não divulgou o número oficial de candidatos ausentes. 

Opiniões
Para alguns candidatos, a prova apresentou diversos “obstáculos”, mas que puderam ser resolvidas por quem se preparou. 

“Não foi difícil pra quem se preparou, mas também não foi muito fácil de se lhe dar. Pode-se dizer uma prova estável pra quem quer entrar no quadro público”, avaliou um candidato, ao deixar a Escola Estadual Francisco Valcir, no bairro Nova Brasília, onde o mesmo concorre a uma vaga pública no cargo de Agente Administrativo. 

Os cargos oferecidos no concurso são de: Copeira (01), Auxiliar de Serviços Gerais (05), Vigia (03), Agente de Segurança Legislativa (02), Agente de Portaria (01), Motorista (01), Agente Administrativo (04), Agente de protocolo (01), Contador (01), e Analista de TI (01).

sábado, 19 de março de 2016

4.800 candidatos farão concurso em Santana

Neste domingo (20/03), acontecerá o concurso público para o preenchimento de 20 vagas para o quadro administrativo efetivo da Câmara de Vereadores do município de Santana. 

A empresa que vai realizar o processo seletivo é a Sigetech, que confirmou que 4.800 candidatos se inscreveram para o concurso. 

As vagas ofertadas pelo concurso atingem o Nível Fundamental (Completo e Incompleto), Médio e Superior. Os cargos são de: Copeira (01), Auxiliar de Serviços Gerais (05), Vigia (03), Agente de Segurança Legislativa (02), Agente de Portaria (01), Motorista (01), Agente Administrativo (04), Agente de protocolo (01), Contador (01), e Analista de TI (01). 

“Como esperávamos, o cargo de Agente Administrativo é o que está sendo o mais concorrido, com mais de 30% dos inscritos”, disse Carlos Afrânio, coordenador da empresa Sigetech. 

Foram preparadas seis (06) escolas públicas – da rede estadual – para serviram de local das provas, que será das 8:00hs até 12:00hs. As escolas são: 

- Augusto Antunes, Francisco Valcir e Joanira Del Castillo (no bairro Nova Brasília);
- Barroso Tostes, Elizabeth Esteves e Almirante Barroso (Bairro Comercial). 

Sigetech
Envolvida no mercado realizador de concursos públicos desde 2013, a Sigetech (Cooperativa de Trabalho de Prestação de Serviços em Tecnologia de Gestão, Informação, Educação, Comunicação e Energia) já tem em seu currículo local a realização de seu 2º certame, sendo que esteve responsável pelo concurso público do município de Ferreira Gomes em 2014. 

Sob coordenação do professor Carlos Afrânio, um experiente profissional do ramo dos processos seletivos há mais de 16 anos, carrega mais de 25 concursos públicos já realizados em sua carreira.

sexta-feira, 18 de março de 2016

Ação do MP-AP beneficia casas de acolhimento e Rede de Proteção à Criança e ao Adolescente

O Ministério Público do Amapá (MP-AP) e o município de Santana firmaram Termo de Acordo Judicial em audiência de conciliação realizada pelo Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), na quinta-feira (17/03), na Vara da Infância e Juventude da Comarca do município. O acordo é referente à execução de multa aplicada ao Município de Santana, no valor atualizado de R$ 1.800.000,00 (um milhão e oitocentos mil reais), por descumprir Acórdão do TJAP já transitado em julgado, decorrente da Ação Civil Pública nº 0008612-48.2009.8.03.0002, ajuizada pela Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude da Comarca de Santana, em 2009. 

Na audiência, mediada pelo desembargador Carlos Tork, ficou acordado entre as partes que os valores decorrentes da multa serão depositados em conta do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Santana, a ser regularizada em prazo estipulado de 30 dias. Os recursos serão administrados pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Santana (CMDCA) para estruturação da rede de proteção à criança e ao adolescente do município. 

Ficou definido no documento que o repasse dos recursos será em parcelas, sendo a primeira de R$ 200 mil e as demais em parcelas iguais e sucessivas no valor de R$ 100 mil, até o montante da multa. Quanto à forma de utilização, estabelece o Termo: 50% para execução de obras e 50% para estruturar as instituições de acolhimento e Rede de Proteção da criança e adolescente, vedado o uso dos recursos para pagamento de pessoal. 

Ainda pelo Termo de Acordo, ficou estabelecido o prazo máximo de 60 (sessenta) dias para o município concluir a obra da instituição municipal de acolhimento de crianças e adolescentes, objeto da ação inicial do MP-AP. Nas demais cláusulas do documento estão detalhadas as obrigações que o Município de Santana deverá cumprir relacionadas a projetos e programas para crianças e adolescentes em regime de acolhimento institucional; da colaboração com as instituições de acolhimento existentes em Santana, garantindo os recursos para continuidade dos convênios enquanto não assumir a obrigação que lhe cabe; da atualização dos pagamentos dos profissionais que atuam na Rede de Proteção; melhor estruturação dos Centros de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPS-I) e de Referência Especializada em Assistência Social (CREAS), e também do Conselho Tutelar de Santana. 

O procurador de Justiça, Nicolau Crispino, representou o Ministério Público na audiência, que contou também com a participação dos promotores de Justiça da Infância e Juventude de Santana, José Barreto e Miguel Angel Ferreira. 

Miguel Angel fez um resumo do trabalho realizado pelo Ministério Público, que resultou no acordo favorável para cumprimento da sentença. “Muito positivo o resultado final porque é uma ação que o MP vem debatendo há muitos anos e que foi ajuizada, em 2009, pelos colegas promotores Roberto Alvares e Paulo Celso Ramos, então titulares da Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Santana, que visava, à época, à construção de casa de acolhimento para crianças e adolescentes no município de Santana. Esse serviço é realizado por entidades não governamentais, no caso, a Casa da Hospitalidade e Lar Betânia, e é dever do município instituir a casa de acolhimento. A ação tramitou aqui na Vara da Infância. Ganhamos na primeira instância, mesmo o Município recorrendo. O TJAP manteve a decisão que obriga o município a construir a casa para crianças e adolescentes e estabeleceu um prazo de um ano e seis meses, à época. Como o município não cumpriu as obrigações no tempo devido, gerou essa multa que estamos executando de um milhão e oitocentos mil”, relatou o promotor. 

“Com esses recursos, toda a Rede de Proteção à criança e ao adolescente vai ser equipada e estruturada para que efetivamente funcione. Então a gente espera que, doravante, nossa atuação ministerial aqui em Santana continue tendo êxito”, comemorou Miguel Angel, que também é coordenador do Centro de Apoio Operacional da Infância, Juventude e Educação (CAOP-IJE) do MP-AP. 

José Barreto foi bastante incisivo nas cláusulas para garantia de projetos e programas para crianças e adolescentes do município de Santana que se encontrem em situação de risco pessoal e social. “Nossa preocupação é com a realização efetiva de políticas públicas na área da infância e juventude e esta foi contemplada no acordo”, ressaltou o coordenador da Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude de Santana. 

“O desembargador Carlos Tork soube conduzir muito bem a audiência de forma objetiva e finalizando com um acordo que contemplou os anseios das instituições aqui representadas em benefício da coletividade”, avaliou o procurador Nicolau Crispino. 

Participaram da audiência a Juíza da Infância e Juventude de Santana, Larissa Noronha Antunes, o Prefeito Municipal de Santana, Robson Rocha, o procurador-geral de Santana, Manoel Freitas; a secretária de Assistência Social de Santana, Maria do Socorro Góes; o conselheiro tutelar de Santana, Ricardo Silva Júnior; a coordenadora da Associação Casa da Hospitalidade, Maria Ocilene Pacheco; a secretária municipal de Educação, Antônia Guedes; a representante de Obras Sociais da Diocese de Macapá – Creche Dom João Risatti; a representante do Educandário Dom Alexandre – Casa Betânia, Rosane Fiuza; e o secretário municipal de Infraestrutura e Projetos, José Alfredo Botelho.

Marcivânia deixa o PT de Santana

A deputada federal Professora Marcivânia Flexa protocolou no final da tarde desta quinta-feira (17/03) o seu desligamento do Partido dos Trabalhadores (PT) em Santana, onde vinha atuando por essa legenda partidária nos últimos anos. 

Segundo o documento – protocolado pela própria parlamentar e reconhecido em Cartório – não existe motivos descritos para sua retirada do partido. O pedido foi recebido pela Comissão Executiva Municipal do PT em Santana que, através das redes sociais, ainda desejou sucessos para a parlamentar, que ainda não se pronunciou sobre um novo futuro partidário. 

Marcivânia Flexa foi eleita deputada federal do Amapá nas eleições de 2014, sendo a 6ª mais votada com 16.162 votos válidos.

quarta-feira, 16 de março de 2016

Comunidade aciona MP sobre “apagões” em Santana

Promotoria do Consumidor de Santana agendará
uma audiência para tratar desses "apagões".
Moradores que residem em bairros como Fonte Nova e Paraíso procuraram o Ministério Público Estadual em Santana na manhã desta quarta-feira (16/03) com o objetivo de levarem ao conhecimento da justiça os constantes “apagões” que, segundo os moradores, vem acontecendo há vários dias em diversos bairros da cidade, e causando prejuízos materiais para os comerciantes. 

De acordo com os moradores, inúmeras interrupções no fornecimento de energia elétrica vêm ocorrendo há dias nesses bairros, sendo que nessa terça-feira passada (15), a interrupção chegou a um nível mais prejudicial, deixando grande da cidade santanense “as escuras” por mais de 10hs, incluindo os bairros Fé em Deus, Parque das Laranjeiras, Mutirão, Jardim de Deus I e II. 

“É uma tremenda falta de respeito com o povo que a paga por uma conta de energia alta e ainda tem que ficar no escuro”, reclamou a doméstica Socorro Andrade, residente no bairro Fonte Nova, em postagens nas redes sociais. 

Ação Pública
O encontro no Ministério Público foi intermediado pela promotora Gisa Veiga, da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, da Cidadania e do Consumidor da Comarca de Santana, que também já esteve a frente de outras situações relacionadas à estatal elétrica no Amapá, como sendo ela a autora da liminar que proibiu a CEA de efetuar os serviços de cortes de energia nas residências de Santana por período indeterminado. 

Além da promotora, o advogado Fabiano Oliveira – que atua em causas cíveis ao consumidor – também participou da reunião comunitária. 

“Vamos convocar os representantes da CEA e da empresa-responsável pela geração terceirizada (a Agrekko) para que possam esclarecer os reais motivos desses desligamentos que não são programados”, garantiu a promotora Gisa, que prevê para o próximo dia 06 de abril uma reunião com esses representantes legais. 

A promotora ainda adiantou que vários depoimentos técnicos serão recolhidos com o propósito de evitar que situações de calamidade dessa proporção continuem se repetindo, motivando a abertura de uma Ação Cível Pública. 

“Já havíamos acionado a CEA sobre essas situações, mas parece que o problema retornou e agora demonstrando um risco maior para a sociedade. Se pudermos adiantar essas providências o quanto antes, evitaremos novos desligamentos”, disse Gisa. 

Na reunião tratada nessa terça-feira, o advogado Fabiano Oliveira se comprometeu de averiguar e levantar novas informações relacionados aos prejuízos públicos ocasionados principalmente pelo “apagão” do dia 15 de março, que deixou mais de 45 mil santanenses de 07 bairros sem energia elétrica no período das 09hs da manhã até as 19hs da noite. 

Em nota divulgada para a imprensa, a CEA informou que a longa interrupção se deu em decorrência de um problema mecânico no disjuntor do Alimentador Paraíso que atende os referidos bairros.

‘Novo Amapá’: Peça teatral lembra 39 anos do naufrágio com poesia e homenagens

Os 39 anos do maior naufrágio do estado serão lembrados com poesia e homenagens no espetáculo "Novo Amapá", que acontece no sá...