quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Macapá e Santana vão comemorar Dia Nacional de Incentivo à Leitura

O Núcleo de Educação de Jovens e Adultos (NEJA), da Secretaria de Estado da Educação (Seed), realizará na próxima quinta-feira, 1º de Outubro, o projeto "Dia de Ler. Todo dia", data que marca o Dia Nacional de Mobilização pela Leitura. O evento acontecerá às 16h, em frente à Casa do Artesão, na Praça Beira Rio, em Macapá. 

O objetivo é despertar o interesse pela leitura, oportunizando momentos de satisfação e enriquecimento cultural de forma lúdica e prazerosa; também visa a sensibilização de que a leitura pode ser feita em qualquer lugar. O que conta para o dia de ler é a atitude de ler. Ler na biblioteca, na sala de aula, na fábrica, no escritório, no ponto de ônibus, no consultório, na praça ou no restaurante. 

O projeto "Dia de Ler. Todo dia" será executado em 40 escolas da rede estadual de ensino dos municípios de Macapá e Santana que atuam na modalidade da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Técnicos do NEJA estarão envolvidos durante todo o dia em atividades nas escolas acompanhando os projetos propostos e executados nas dependências das instituições de ensino. 

"Queremos unir o máximo de pessoas nessa proposta de incentivar à leitura. Desde os clássicos de literatura até gibis, revistas, jornais, e tudo o que leve as pessoas a estarem em contato com a leitura", comentou o gerente do Neja, Antônio Botelho. 

A programação contará com recitações de poesias e contos, músicas, leituras, tabuada interativa e doações livros didáticos.

Procon anuncia "Operação Dia das Crianças" em Macapá e Santana

Em alusão ao Dia das Crianças, comemorado no dia 12 de outubro, o Instituto de Defesa do Consumidor do Amapá (Procon) vai realizar a partir de hoje (30/09), a "Operação Dia das Crianças", em lojas especializadas na venda de brinquedos, na capital e em Santana. Os fiscais vão verificar a presença do selo obrigatório do Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro), indicação de faixa etária do produto, os dados do fabricante e a etiqueta de identificação do preço, que deve estar em locais de fácil visibilidade para o consumidor. A ação acontece no período que antecede a data comemorativa. 

O fiscal do Procon, Kleber Duarte, contou que, além de e verificar se os estabelecimentos estão respeitando as normas do Código de Defesa do Consumidor (CDC), serão fiscalizados os problemas mais comuns nessa época do ano, como a falta de informação quantos aos preços e a diferenciação que alguns comerciantes fazem entre a venda à vista e com cartão de crédito. "A fiscalização tem como objetivo prevenir eventuais problemas e garantir segurança nas compras dos clientes, vamos desenvolver a ação na capital e posteriormente em Santana", assegurou. 

O Procon vai fiscalizar os estabelecimentos que estão comercializando produtos como roupas infantis, calçados e brinquedos. De acordo com órgão, as empresas que não estiverem dentro das normas estabelecidas pelo CDC serão autuadas e se não se regularizarem poderão ser multadas e terão os produtos irregulares apreendidos. 

"É importante que o consumidor amapaense evite comprar brinquedos no mercado informal, porque é o principal destino de produtos falsificados, que não apresentam garantia de qualidade, pois sabemos do risco que esses produtos podem causar para a segurança e à saúde das crianças", concluiu Kleber Duarte.

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Reforma de escola vai parar no Ministério Público

Reforma na Escola Everaldo Vasconcellos deveria
ser concluído em 90 dias, mas está parada.
“Já não aguentamos mais tantas desculpas”, desabafou o vigilante Francisco Ribeiro, que esteve ontem (28/09), em frente ao prédio do Ministério Público do Estado em Santana, acompanhando um grupo composto de professores e pais de alunos da Escola Estadual Everaldo Vasconcelos, no bairro Paraíso. 

Segundo o vigilante – que também é pai de um aluno na referida escola –, o grupo ingressou com uma Ação Cível Pública no Ministério Público, pedindo uma solução com relação às obras de reforma que a instituição de ensino começou a receber a pouco mais de dois meses e que não foram concluídas, vindo a prejudicar cerca de 1.100 alunos que estudam na escola, e atrasando o calendário letivo. 

“Fomos recebidos na semana passada pela secretária de Educação do Estado (Conceição Medeiros) que havia nos garantido que tudo seria resolvido antes da sexta-feira (dia 25). Esperamos uma resposta e nada, agora fomos atrás do Ministério Público para intervir na situação”, explicou um dos professores da escola, através das redes sociais. 

Pouco mais de 60% da obra está concluída
Pequenos reparos
De acordo com informações, a Escola Estadual Everaldo da Silva Vasconcellos Júnior foi interditada para serviços de reforma no final do mês de julho após a Defesa Civil constatar que várias salas de aula e blocos da escola já não apresentavam mais condições físicas para acomodar os funcionários e alunos da instituição. 

“Na verdade seriam apenas alguns reparos no forro e na parte elétrica que já estava comprometida. Eles (a empresa responsável pelos serviços) disseram que não iria durar mais de um mês nesses trabalhos”, disse uma funcionária da escola que não quis se identificar. 

Os serviços citados pela funcionária se referem aos três (03) pavilhões da escola, constituídos de dez salas de aula, banheiros e depósitos. O valor desses serviços estaria orçado em cerca de R$ 300 mil, sendo que pouco mais de 60% dos trabalhos na escola já foram concluídos. 

A Escola
O blog procurou a direção da escola, onde foi recebido pela professora Ana Zeneide que informou está diariamente procurando a Secretaria de Estado da Educação (Seed), buscando resposta positivas sobre a situação das obras na escola. 

Salas de aula e pavilhões (detalhe) ainda estão com
serviços inacabados pela empresa.
“A secretária Conceição Medeiros (Seed) confirmou de nos receber ainda essa semana para encontrarmos uma solução para logo retomar com as aulas”, garantiu a diretora. 

Zeneide ainda disse que a empresa responsável pelos serviços havia prometido entregar a escola antes do prazo estipulado no contrato, que seria de 90 dias. 

“Eles começaram fazendo uma mudança geral e depois pararam tudo, dizendo que não podiam mais continuar os serviços por que o Governo (Estadual) não havia liberado o restante do dinheiro combinado com a empresa, mas não isso não é culpa dos alunos e nem da escola por não terem condições de terminar a obra”, salientou Zeneide. 

Desde o início de seu funcionamento em 1993, esta seria a primeira reforma geral que estava sendo realizado na Escola, o que ainda não tem previsão de ser concluída. 

Foram feitos vários contatos com as Secretarias de Educação (Seed) e de Infraestrutura (Seinf) do Estado para buscar maiores esclarecimentos da situação da Escola Everaldo Vasconcellos, mas não obtivemos êxito.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Círio de Nazaré em Santana completa 50 anos

Iniciou ontem (27/09) a programação oficial do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, no município de Santana, que este completa cinco décadas de tradições, peregrinações, ladainhas, procissões e arraial. 

Segundo a coordenação do evento, a tradicional procissão da Imagem Santa seguirá neste final de semana, deixando a Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no bairro dos Remédios, seguindo em caminhada até a Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, no Centro da cidade. 

“Acredito que mais de 30 mil pessoas estarão participando dessa procissão”, calcula o padre Cláudio Gomes, que coordena o evento. 

De acordo com o padre, o Círio em Santana é anualmente realizado 3º domingo do mês de outubro, para não coincidir com a mesma data realizada em Macapá e em Belém (PA), ou seja, no 2º domingo de outubro. 

Círio de Nazaré em Santana completa 50 anos
Porém, este ano, as festividades tiveram início no dia 27 de setembro (ontem) com uma Santa Missa Solene na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, continuando com a programação até o final de semana. 

Círio em sua 50ª edição
O primeiro Círio realizado em Santana aconteceu na manhã do 09 de outubro de 1965, contando com a participação de moradores dos dois maiores núcleos urbanos que existiam na época: Vila Maia e Vila Amazonas (esta mantida por funcionários da ICOMI). 

Na ocasião, ocorreu o translado da Imagem da Virgem de Nazaré, saindo na pequena Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, sendo levada em caminhada até a igreja de Nossa Senhora de Fátima (na Vila Maia). Naquele mesmo dia, à noite, também aconteceu o 1º arraial nas duas vilas. 

Somente a partir do ano seguinte (1966) que o evento passou a ter maior atenção da Prelazia de Macapá, sob o comando do Dom José Maritano, que concedeu uma imagem nova para os devotos santanenses.

domingo, 27 de setembro de 2015

Mais um vereador deixa o PT de Santana

Ver. Zé Roberto deixa o PT e segue para o PSB
“Um efeito dominó que ninguém esperava, que agora entra para a história politica do município de Santana e para o Estado do Amapá”, assim descreveu em texto virtual (nas redes sociais) um militante do Partido dos Trabalhadores (PT), residente em Santana, quando tomou conhecimento do anúncio feito ontem (26) pelo vereador José Roberto que iria deixar o partido que havia lhe colocado no topo de n.º 1 do último pleito eleitoral no município. 

Segundo informações, José Roberto foi o vereador mais votado nas eleições de 2012 e estava compondo a base de oposição do Executivo municipal. Estava filiado no PT há mais de uma década e de acordo com militantes mais próximos do edil, pretensões mais ousadas para a disputa política de 2016 lhe motivaram a solicitar sua retirada da base petista, indo para o Partido Socialista Brasileiro (PSB), do ex-governador Camilo Capiberibe. 

“Amigos de dentro do partido dizem que Zé Roberto (como é mais conhecido o vereador) estava ficando sem espaço político para discutir e debater suas ideias, e isso teria motivado sua saída do grupo”, justifica o mesmo militante, descrito no texto publicado nas redes sociais. 

Outro ex-petista
Além de Zé Roberto, outro vereador já havia anunciado sua retirada do PT em Santana no início do mês: é Richard Madureira, que já havia tratado do assunto diretamente com o presidente estadual do PT no Amapá Joel Banha, e formalizou o seu desligamento partidário no último dia 10 de setembro. 

Vale ressaltar que Zé Roberto e Richard Madureira foram – respectivamente 1º e 2º – os dois vereadores mais votados nas eleições de 2012, justamente pela mesma coligação partidária.

sábado, 26 de setembro de 2015

Pai e filha morrem em acidente automobilístico

Pr. Ezequiel Lobato
O município de Santana perdeu na manhã desta sábado (26/09), mais um pioneiro, desta vez do segmento evangélico. O missionário e pastor Ezequiel Lobato da Silva, de 70 anos, foi vítima de acidente automobilístico na Rodovia BR-156, na estrada que dá acesso ao município de Laranjal do Jarí (nas proximidades do ponte do Rio Pirativa). 

Segundo as primeiras informações repassadas ao Centro Integrado de Operações de Defesa Social (CIODES), o veículo – da marca Ford KA – onde estava o pastor Ezequiel, também estava com outros cinco (05) passageiros, sendo ao todo três crianças e três adultos. 

O condutor do veículo teria perdido o controle quando já estava atrás de um ônibus que trafegava no mesmo sentido. 

Acidente ocorreu na Rodovia BR-210
“Acho que o motorista (do Ford KA) não percebeu que estava muito próximo do ônibus e tentou desviar, e acabou caindo pra dentro do rio”, contou o autônomo Francisco Amaral, que vinha como passageiro dentro do ônibus comercial (que faz linha Macapá-Jarí) que estava em frente ao veículo, que, ao tentar desviar da enorme condução, desceu um pequeno barranco e caiu no Rio Pirativa. 

Ao perceberem que o veículo havia descido no rio, passageiros do ônibus foram quem fizeram o resgate das vítimas. Uma equipe do Corpo de Bombeiros chegou ao local por volta das 10hs da manhã deste sábado, assim como também peritos da Polícia Técnico-Científica (Politec), que realizaram na remoção de duas vítimas fatais. 

Além do pastor Ezequiel, sua filha Helenita Lobato da Silva (de 28 anos) também morreu com queda do veículo no rio. 

O restante dos passageiros sofreram apenas ferimentos leves, que são: Antônio Carlos Rossi, Alan Lobato da Silva, Fábio Lobato da Silva, e Samilly Lobato da Silva. Os corpos das vítimas estarão sendo velados no município de Santana, na Rua Salvador Diniz, 2140.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

31 curiosidades históricas (e inéditas) sobre o Santana Esporte Clube

Santana Esporte Clube, com a faixa de
tri-campeão amapaense (60-61-62).
1º – Há quem diga que o SEC foi o 1º clube a surgir na cidade portuária (Santana). Na verdade, ele foi o 2º clube historicamente fundado, sendo que o pioneiro foi o “Porto Esporte Clube”, que existiu entre 1950 a 1953, e desapareceu do cenário esportivo do Amapá por razões desconhecidas. 

2º – O Santana Esporte Clube é uma agremiação que foi reorganizada de uma entidade anteriormente criada por funcionários de uma mineradora que explorou minério de manganês no Amapá por quase 50 anos, o “ICOMI Esporte Clube”, sendo que este 1º foi fundado em 1950 e se manteve apenas de maneira interna por menos de três anos, sendo novamente reformulado em 25 de setembro de 1955, e passando então a ser chamado de “Santana Esporte Clube” (SEC). 

3º – Segundo informações descritas na ata de fundação do SEC, havia 68 pessoas presentes na ocasião de sua constituição, mas somente 35 deixaram suas assinaturas no final da ata. 

4º – O primeiro uniforme padronizado do clube santanense era formado de camisa branca, com faixa diagonal azul, cruz de malta no peito, calções brancos e meias pretas com cano azul e branco. Somente no final de 1956, seus dirigentes decidiram mudar seu uniforme, passando a sua camisa ser toda amarela com gola verde. 

5º – A primeira partida que o clube realizou foi na tarde de 1º de julho de 1956 contra o Cabralzinho Esporte Clube (já extinto), mas acabou perdendo por 3 a 2 para o adversário. O prélio aconteceu em um campo de futebol rudimentar que existia nas proximidades da atual Vila Naval (bairro Daniel). 

6º – Como o clube foi fundado de maneira improvisada (e sem estatutos), a agremiação ficou sendo presidida por uma comissão composta de quatro (04) sócio-fundadores, encabeçada por Antônio Trevisani, sendo que somente no início de 1957 que elegeram o 1º presidente executivo do clube que seria Jesus Ferreira Jomar. 

7º – Até setembro de 1957, o SEC já havia discutido e decidido em assembleias pela mudança dos uniformes oficiais de seu clube, sendo que a 3ª alteração do uniforme santanense foi o que mais se manteve vigorando na agremiação, que eram com as cores vermelho, amarelo e preto. 

8º – Em janeiro de 1957, o clube santanense se filiou à Federação Amapaense de Desportos (FAD), para que assim pudesse disputar legalmente os jogos do Campeonato Amapaense de Futebol, iniciando pela 2ª Divisão, onde seria consagrado campeão do Torneio Início, subindo assim para a 1ª Divisão. 

9º – A primeira vitória oficial do SEC aconteceu na tarde do dia 28 de abril de 1957, pela 2ª Divisão do Campeonato Amapaense de Futebol, vencendo o Guarany Atlético Clube por 2 x 0. 

10º – A primeira sede provisória do clube foi montada em Macapá, nas proximidades do Estádio Municipal (atual Estádio Glicério Marques), na Rua Leopoldo Machado, se mudando definitivamente para Santana em meados de 1958, se fixando na Vila Amazonas. 

11º – A Indústria e Comércio de Minérios Ltda (ICOMI) não foi diretamente proprietária do clube, mas sim, a sua principal mantenedora institucional, apenas investindo no clube por ela ser constituída de funcionários da referida empresa de mineração. 

12º – O primeiro Estatuto do clube foi aprovado por unanimidade no dia 29 de março de 1957, contendo 80 artigos que descreviam valiosas informações sobre sua formação, os patrimônios esportivos já erguidos, assim como os direitos e deveres a serem regidos pela entidade. 

13º – Entre os anos de 1956 e 1958, o SEC já havia sido convocado para 21 jogos, sendo que nove (09) foram oficiais para o Campeonato Amapaense de Futebol, e o restante foram apenas encontros amistosos de clubes locais. 

14º – No dia 23 de dezembro de 1958, o SEC realiza seu 1º jogo com um time de outro Estado: foi com o Tuna Luso Comercial (PA), no Estádio Glicério Marques, que terminou empatado em 2 x 2. 

15º – O 1º técnico de futebol do SEC foi José Maria (conhecido como “Baiano”) que esteve a frente do clube entre maio de 1956 e julho de 1957. 

16º – O apelido de “Canário Milionário” foi adquirido em virtude do uniforme do time santanense (verde e amarelo) ser igual da seleção brasileira – denominação de “Seleção Canarinho”, que casualmente havia conquistado seu 1º título Mundial em 1958, mesmo ano em que o uniforme foi formalizado pelo clube amapaense. Em complemento, o adjetivo “milionário” representaria o poder aquisitivo de sua principal mantenedora (a ICOMI). 

17º – O SEC foi o único time amapaense que conseguiu a façanha de fazer um gol durante a excursão do clube oficial do Fluminense (RJ) ao Amapá em junho de 1959. O “Tricolor das Laranjeiras” realizou três partidas nas terras tucujus, e venceu os três jogos. 

18º – O 1º Campeonato Amapaense de Futebol conquistado pelo “Canário” foi em 1960, resultando num saldo recorde de 18 gols durante todo aquele campeonato anual. 

19º – Foi o único clube amapaense que conquistou três campeonatos de futebol consecutivos (sendo 1960, 1961 e 1962). 

20º – Antes de ganhar a alcunha de “Canário Milionário”, o SEC era conhecido nos meios esportivos como o “Clube do Porto”, pelo fato de está localizado na área onde ficava o cais de minérios da ICOMI. 

21º – A Miss Amapá eleita em 1959 (Dalva Monteiro Nunes) concorreu ao título sendo candidata pelo Santana Esporte Clube, sendo a 2º Miss da história dos concursos no Amapá. 

22º – O “Canário” foi o 1º clube amapaense a ter sua própria praça de esportes, contendo estádio (este inaugurado em maio de 1962), piscina olímpica e áreas de recreação. 

23º – Em julho de 1962, a representante do “Canário”, Raimunda Pacheco foi quem venceu o concurso “Miss Amapá-62”. 

24º – Em 16 de fevereiro de 1964, o “Canário” fez sua 1ª goleada futebolística, contra o Latitude por 12 a 2, em partida realizada no Estádio Augusto Antunes, na Vila Amazonas. 

25º – O desportista Antônio Trevisani foi quem incentivou a diretoria do “Canário” criar o time “Santaninha” em 1962, que daria estímulos para crianças e pré-adolescentes que treinariam nesse time e depois seguiriam para a base oficial do clube majoritário do “Santana”. 

26º – O primeiro encontro do chamado “Clássico do Porto” (Independente e Santana) aconteceu na abertura do Campeonato Amapaense de Futebol em 1º de maio de 1966, onde o “Canário” saiu vencedor por 4 x 1. Entre 1966 e 2014, foram 39 encontros oficiais que eles tiveram pelo “Amapazão”. 

27º – A 2ª maior goleada da história do futebol amapaense foi justamente entre os dois times da cidade portuária (Independente e Santana) no dia 21 de julho de 1968, resultando na vitória do “Canário” em 12 x 2, jogo realizado no Estádio Augusto Antunes, na Vila Amazonas. 

28º – Os tradicionais “Baile das Debutantes” foram implantados por membros do “Canário” em 1968, mas somente ficariam popularizados pelo Independente Esporte Clube a partir de 1971. 

29º – Em 1972, uma assembleia realizada pela diretoria do “Canário” informou que a ICOMI estaria deixando de ser sua mantenedora direta, concedendo assim uma autonomia jurídica para o clube, que ficou sendo considerado um dos melhores times do Norte do Brasil. 

30º – A última vitória do “Canário” pelo Campeonato Amapaense de Futebol foi em 1985. 

31º – Antes do desmonte da mineradora ICOMI – em 1998 – a última partida de participação oficial do “Canário” foi em 10 de outubro de 1997, empatando por 1 x 1 com o Oratório Clube (de Macapá), ficando assim esquecido pelo esporte amapaense, e retornando somente em 2009, por iniciativa do desportista Gerson Fernandes que “ressuscitou” um dos clubes mais conhecidos e atuantes do Estado.

“Mesmo doente, meu pai não se acovardou”

Raimundo Coutinho Nobre (1942-2015)
Nas palavras ditas por um dos filhos de Raimundo Coutinho Nobre foi possível que dezenas de pessoas – que estavam presentes no plenário da Câmara de Vereadores de Santana na noite de ontem (24/09) – entendessem a luta implacável que este pioneiro santanense se manteve por meses diante de uma doença que, na qual, ele enfrentou sem demonstrar medo e fraqueza para seus familiares e centenas de amigos que formou em mais de quatro décadas que contribuiu socialmente para o município. 

Vitimado por um câncer no estômago, Raimundo Nobre faleceu no último dia 14 de setembro, deixando um legado positivo que se expressa em meio ao pioneirismo municipal e uma sucessão familiar de quatro bons frutos que são bastante reconhecidos pela sociedade amapaense, entre eles, dois que se destacam no âmbito assistencial e esportivo de Santana: trata-se dos irmãos Cristiany e Ronildo Nobre. 

A primeira, que exerce a função pública de conselheira tutelar no município de Santana, trabalha diariamente com situações relacionadas à criança e ao adolescente, garantindo a integridade física e moral dessa classe. Uma área que exige além de tempo e paciência, um amor espontâneo pelo ofício, algo que Cristiany Nobre adquiriu de maneira paterna. 

“Meu pai foi um espelho em casa e fora dela. Foi ele que nos passou tudo que somos hoje para Santana”, disse Cristiany, que acompanhou por vários meses a luta do pai com a doença, mas sempre demonstrando otimismo durante o quadro clínico. “Passamos quatro (04) meses dentro de um hospital com ele, mas o nosso principal conforto vinha das palavras que ele nos passava todo dia”. 

Um cidadão forte
Assim como Cristiany, o irmão Ronildo Nobre é também bastante conhecido e respeitado em Santana. Incentivador esportivo, mantém uma academia de judô na cidade, que já formou (e forma) diversos talentos para o esporte nacional e mundial. 

Ronildo foi quem representou a família Nobre durante as homenagens feitas pelo legislativo santanense na noite desta quinta-feira (24). Na tribuna da Câmara Municipal, Ronildo contou aos presentes sobre a convivência familiar e social de seu genitor, principalmente no período em que adquiriu a enfermidade. 

Família de Raimundo Nobre foi homenageada
pelo Legislativo santanense.
“Em momento algum meu pai perdeu a fé ou fraquejou. Era ele que nos mantinha forte e unidos. Mesmo bastante debilitado e doente, ele não se acovardou com nada”, expressou Ronildo Nobre. 

Reconhecimento
A contribuição social de Raimundo Nobre mereceu um reconhecimento público através de um pedido legislativo feito pelo vereador José Roberto (PT), que encaminhou uma Moção de Pesar à sua família. 

“Seria uma ingratidão do município se não reconhecesse a participação desse cidadão sobre tudo que nos deixou de bom, com trabalhos que os filhos com certeza irão manter”, disse o vereador Ronilson Barriga, que participou da pauta de homenagens. 

Casado com há 48 anos com Raimunda Coutinho, Raimundo também trabalhou em empresas pioneiras de Santana como a Brumasa e a Leal Santos (no Distrito Industrial).

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Imóveis de múltiplos andares começam a surgir na cidade portuária

Prédios com vários andares vão surgindo na área
urbana de Santana.
Até o início deste século, era comum vermos na cidade de Santana apenas pequenas edificações que se erguiam com no máximo dois andares (o térreo e mais um andar superior). 

Os chamados “arranha-céu” ainda não estavam nos planos de investimentos de grupos imobiliários existentes no Amapá, mas já havia um prédio chamativo que estava sendo construído no bairro Santa Rita, que levaria mais de uma década para ser concluído, mas se tornaria um marco na construção civil para o Estado. 

Vendo que os acessos urbanos podem se tornar limitados com o passar do tempo, os proprietários de alguns lotes – em sua maioria, localizados em bairros nobres como Centro, Nova Brasília e Paraíso – passaram a acreditar no ramo da locação imobiliária, tanto residencial como comercial. 

O fato vai sendo claramente observado pelo surgimento de prédios que vão se levantando em vias constantemente movimentadas da cidade. 

Um desses prédios de pequeno porte vem sendo erguido no bairro Paraíso, que servirá como local do tipo “multiuso”, ou seja, seu proprietário pretende montar galerias de portas que serão posteriormente alocadas como pontos comerciais na parte térrea, sendo que nos outros andares superiores (dois andares estão em construção) servirão como moradias. 

“O comércio de aluguel nunca acaba, a todo momento tem gente querendo morar em algum lugar. É um dinheiro que é garantido”, disse o professor Arinelson Vieira, que reside nas proximidades do prédio que está sendo construído no bairro Paraíso. 

O próprio Arinelson disse que já está planejando seguir esse mesmo ramo de investimentos em locação. “Tenho um terreno no (bairro) Novo Horizonte e venho querendo realizar esse plano de investir em imóveis de aluguel, só estou esperando um dinheiro que receberei e vou aplicar esse capital nessa área”. 

Outra construção predial – esta existente há mais de uma década – está no cruzamento da Rua Getúlio Vargas com a Avenida Santana, que pertence a um conhecido empresário da construção civil da cidade. A área térrea está cedida para uma entidade evangélica (Igreja Evangélica), enquanto que os outros andares servem para moradia familiar do referido empresário. 

“Ele (o empresário) soube como distribuir os quartos e salas nos três andares do seu prédio, isso mostra que ele tem visão de aproveitamento do espaço do terreno”, elogiou Geane Almeida, que é vizinha do referido empresário, se referindo ao prédio ter sido construído em uma área pequena, mas bem localizada. “Se boa parte dos prédios que vão aparecendo em Santana forem seguir esse modelo, teremos um visual urbanístico mais agradável”. 

Porém, uma edificação que já vem sendo vista por várias pessoas que frequentam diariamente o centro comercial de Santana está localizada na própria Avenida Santana, quase de esquina com a Rua Cláudio Lúcio Monteiro. 

Contendo cinco (05) blocos de andares, o prédio pertence a outro conhecido empreendedor santanense do comércio varejista, e abrigará lojas de diversas áreas, e nos demais andares, serão adaptados para servirem de apartamentos de “multiuso” – para famílias e possíveis locações comerciais. 

Já existem prédios com até cinco andares sendo
construído no Centro da cidade.
“Mesmo com essa crise que afeta o país, a intenção dos algumas pessoas em querer buscar formas de ganhar dinheiro em grandes prédios não se afasta da cabeça. Até por que eles sabem que depois da tempestade vem a abonança”, relatou o contador Célio Penantes, que efetua os valores de contas emitidas por um desses empresários que estão investindo na construção civil em Santana. 

Novas Obras
Segundo a Secretaria Municipal de Infraestrutura de Santana (Semif), não existe um número oficial dos imóveis que vão sendo construídos com blocos superiores (andares), nos indicando que tal obrigatoriedade corresponde aos órgãos fiscalizadores. 

O blog procurou a Inspetoria do Conselho Regional de Engenharia (CREA/AP) em Santana, onde a inspetora Marléia informou que o tal órgão somente desenvolve trabalhos que identifiquem a atuação dos profissionais nas citadas construções civis (como engenheiros arquitetos), e que a competência se deve diretamente ao Poder Municipal. 

Através de Nota emitida pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano de Santana, já existem mais de 30 edificações – algumas concluídas e outras em andamento – espalhadas pela área urbana do município, e que a tendência (possivelmente) com o tempo, é elevar mais ainda esse número de imóveis.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Livro biográfico homenageia família pioneira de Santana

Cléo Farias, autor da obra.
Segundo a própria história recente do Amapá, é impossível lembrar dos primórdios do surgimento urbano do município de Santana se não citarmos o nome (e sobrenome) de diversas famílias que fixaram suas residências em algum lugar da nossa cidade portuária, e que de maneira humilde e batalhadora, contribuíram de inúmeras formas em prol do desenvolvimento social e até do progresso econômico nessa região. 

Entre esses pioneiros – que para cá vieram no início da década de 1950 – destaca-se a família Trevisani, chefiada pelo icomiano Antônio Trevisani. 

Mesmo nascido em outro Estado brasileiro (natural de Colatina-ES), Antônio Trevisani veio com a família (esposa e mais três filhos) para o então Território Federal do Amapá a convite da Indústria e Comércio de Minérios Ltda (ICOMI), onde exerceu diversas funções técnicas e operacionais na mineradora que estava responsável de explorar o minério de manganês em contrato de 50 anos. 

“O livro registra bem mais do que a vinda da família Trevisani para o Amapá. Remonta informações dos Trevisani desde a saída deles da Europa para o Brasil, são registros nunca passados para outras pessoas pela própria família”, conta Cléo Farias, autor do livro A Saga Trevisani, que se interessou pelas informações referentes à família Trevisani quando estava preparando outro livro. 

“Colhia material para me empenhar na trajetória de alguns jogadores que fizeram história no futebol amapaense nas décadas de 1940 e 1950, foi quando entrei em contato com os irmãos Trevisani para que me passasse os seus históricos no futebol local e me surpreendi com tanta que acabei descobrindo com o passar do tempo, daí me veio essa vontade de levar toda essa trajetória da família Trevisani a se resumir em um livro”, falou. 

Cléo Farias é um escritor bastante conhecido e respeitado na Literatura Amapaense, autor de outras obras como O Dicionário Amapês e diversos livros poéticos, este foi o primeiro desafio profissional de Cléo que também na área jurídica do Estado. 

“Foram três anos de intensas pesquisas e recolhendo informações sobre essa família e suas participações no futebol da nossa terra”, detalhou. 

Segundo o autor, a obra contém diversas fotos históricas dos aspectos de Macapá e Santana nas décadas de 1960 e 1970, assim como também alguns registros marcantes da atuação esportiva dos irmãos Trevisani – conhecidos no meio futebolístico do Amapá como Antônio “Galo” e Mauro “Nego”. 

Obra registra a vinda da família Trevisani
para o Brasil e para o Amapá.
Como o patriarca da família Trevisani era funcionário da ICOMI, foi também um dos fundadores do Santana Esporte Clube, agremiação que era patrocinada pela mineradora, e onde seus filhos chegaram a ser considerados os artilheiros desse clube que ficou regionalmente conhecido como o “Canário Milionário”. Fato estes que foram detalhadamente publicados na obra, que já chegou a ser anteriormente revisada pelos herdeiros da família Trevisani. 

“O irmãos Trevisani (Antônio, Mauro e Dulcinéa) me ligaram me ligaram dizendo que ficaram muito emocionados com a obra, como se fosse um registro de alguém que esteve ao lado deles durante a vida toda. Isso nos engrandece quando concluímos um trabalho desse tipo”, expressou Cléo, que fez desse desafio, uma memorável obra para as futuras gerações. “Busquei fazer desse livro um trabalho que você somente larga quando acaba de ler até a última página”. 

Lançamento
Com mais de 120 páginas, o livro A Saga Trevisani será lançada nesta sexta-feira (25/09) em marcante evento que acontecerá no município de Santana, na Vila Amazonas. 

Na ocasião estará também sendo realizado um baile dançante para comemorar o “Jubileu de Diamante” do Santana Esporte Clube que completa seus 60 anos de existência nesse mesmo dia (25).

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Sem apoio, APAE de Santana sobrevive de ajuda comunitária

APAE em Santana vem atravessando crise. A
presidente da instituição Rita de Assis (detalhe)
busca de todas as formas assegurar o bem-estar
dos alunos mantidos pela entidade.
Ontem (21/09), foi comemorado o Dia Nacional na Luta pela Pessoa Deficiente e a referida data não passou em branco em uma entidade não-governamental que pouco tem sido notada, tanto pela população santanense, como pelo próprio Poder Público. Trata-se da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) do município de Santana. 

A entidade – fundada em 1998 – já viveu seus momentos “de ouro” quando chegou a manter mais de 200 alunos portadores de algum tipo de deficiência. 

No entanto, o quadro atual da APAE de Santana expõe claramente o descaso de uma instituição filantrópica que somente vem se mantendo através de ajudas comunitárias, e de pessoas que não medem esforços diários para continuar um projeto social que hoje beneficia um número bem mais inferior de participantes, sendo menos de 60 alunos. 

“Se não fosse minha persistência, a APAE já tinha fechado as portas”, disse a professora Rita Regina de Assis, que atualmente preside a entidade, e se tornou um símbolo importante na luta pela permanência de tais ações no município de Santana. 

A estrutura física da APAE/STN já apresenta
deteriorações nas portas e no muro (detalhe).
Genitora de pessoas portadoras de deficiência, Rita de Assis vem acompanhando os trabalhos da APAE santanense há mais de 16 anos, o que lhe fez se envolver ao longo dos anos com as programações desenvolvidas pela entidade, e posteriormente ingressando como uma de suas atuais mantenedoras. 

“A entidade chegou a ter mais de 20 funcionários, e hoje nos viramos como podemos com apenas sete (07) pessoas, onde alguns trabalham de forma voluntária”, esclareceu Rita. 

Estrutura precária
Localizado numa área semi-nobre da cidade (onde sequer a rua de acesso à instituição não está asfaltada), a APAE de Santana se distribui por três (03) blocos, sendo que em dois estão as salas de aula e a administração, e no outro bloco funciona uma área de recreação e os banheiros. 

No entanto, alguns pontos desses blocos já apresentando desgastes físicos, em sua maioria, causados pelo tempo de “vida”, já que todo o prédio da entidade não passa por uma ampla reforma há mais de uma década. 

Atividades artísticas e culturas são periodicamente
realizados na entidade para seus alunos.
“Em 2010 fizeram alguns reparos nas paredes de algumas salas, mas essas pinturas já começaram a sofrer desgastes materiais”, apontou a presidente da entidade, citando ainda a deterioração que vem ocorrendo nas portas e janelas das salas e nas estruturas inacabadas dos pórticos de acessos (corredores de madeira) dos blocos. 

“Buscamos oferecer as melhores condições possíveis para acomodar e repassar conhecimentos aos alunos, mas infelizmente nossas forças são limitadas”, lamentou uma professora que presta serviços na entidade. 

A mesma professora também informou que já precisou levar seus alunos para a área de recreação devido o forte calor que se acumula nas salas durante as aulas. “Pelo horário da manhã ainda é possível de ficar dentro da sala, mas a tarde não tem como aguentar o calor forte”. 

Recentemente a entidade foi presenteada pela doação de duas centrais de ar (condicionado), porém, não podem ser utilizadas em face das instalações elétricas dos blocos não estarem adequadas para tal uso, além de serem evitados que haja o furto dos aparelhos das salas, já que o prédio está situado numa área pouco conhecida. 

Rita de Assis coordena a entidade em Santana
desde início, no final da década de 1990.
No fundo do terreno onde fica a entidade, está uma pequena praça municipal que, segundo moradores que residem nas proximidades da APAE de Santana, é constantemente ocupada por vândalos no horário noturno, o que acaba colocando em risco os bens materiais da entidade que já sofre pelo descaso público. 

Trabalho em Cooperação
Para atender nas condições mínimas os quase 60 alunos (distribuídos nos turnos da manhã e da tarde), a administração da APAE santanense conseguiu a disponibilidade de profissionais da área pedagógica do Estado e do Município para ajudarem nos trabalhos. 

“Na atual gestão (Governo Estadual) conseguimos que professores fossem cedidos para a entidade e pela Prefeitura de Santana foram encaminhados profissionais de outras áreas”, ressaltou Rita, se referindo ao quadro de vigilantes que vem sendo mantido na instituição e que foi gentilmente cedido pela Prefeitura de Santana. 

Em relação ao restante dos profissionais que atuam no local, foi preciso formalizar um Termo de Cooperação, que garante a integridade das duas partes. “Antigos presidentes da Associação tiveram problemas na justiça com ex-funcionários e hoje fazemos de tudo para manter uma boa relação com aqueles que querem se envolver com a entidade, mas que possa ser de maneira voluntária”. 

Atividades desenvolvidas
Segundo a presidente, a Associação – que chegou a manter mais de 200 alunos, de diversas faixas etárias – oferece atualmente o ensino regular de Educação Infantil e Fundamental, com alunos entre 07 e 40 anos. 

“Trabalhamos muito com a paciência para lhe dar com a vontade de cada um em querer aprender algo novo”, expressou Rita. 

Semanalmente são realizados diversos tipos de atividades pedagógicas e recreativas, tais como danças regionais, brincadeiras rotativas, aprendizados artísticos e outras noções educativas, tudo visando fortalecer a relação da instituição com seus alunos. 

Ajuda Solidária
Em relação às condições diárias que atravessa a entidade, a presidente explica que eventos beneficentes são periodicamente realizado como forma de arrecadar valores para que possam manter ativo os objetivos da instituição. 

“Temos algumas pessoas que se solidarizam com a associação e procuram de alguma maneira ajudar o nosso trabalho, como padarias que fornecem o pão diário do café da manhã dos alunos e mercearias que liberam mantimentos para o almoço e merenda da tarde, e assim nos esforçamos para mostrar do que somos capazes para manter em pé esse projeto”, enfatizou Rita. 

As pessoas que desejam compartilhar de qualquer ajuda (material e/ou financeira) com a APAE de Santana, basta seguir ao endereço da entidade, situada na RUA A-1, n. 400. 

Para quem não sabe, a referida passa atrás da garagem da empresa de ônibus “Sião Thur”.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Final de semana com homicídio em Santana

Rogério Rodrigues foi morto por "arma branca"
O jovem Rogério Rodrigues da Silva, de 22 anos, perdeu a vida na madrugada de sábado (19) para domingo (20/09), logo que ele e outros elementos foram colocados para fora de uma boate, onde se envolveram em uma briga generalizada. 

A casa noturna fica localizada no Distrito do Igarapé da Fortaleza, no município de Santana. 

A vítima foi cruelmente assassinada, com várias facadas pelo corpo, chegando a ter a barriga rasgada e o intestino exposto. 

Embora tenha sido socorrido e levado ao Hospital de Emergências de Santana, os plantonistas nada mais puderam fazer e Rogério acabou morrendo. 

De acordo com a Polícia Militar, pelo menos quatro pessoas estariam envolvidas na confusão, mas apenas o desocupado Jonielson Santos da Paixão, vulgo Juninho Play, de 20 anos, tinha sido preso até a manhã desta segunda (21/09). 

Reportagem: Paulo Rogério

sábado, 19 de setembro de 2015

Supermercado estaria comercializando gêneros vencidos

Supermercado em Santana estaria expondo
produtos vencidos há mais de dez dias
É uma questão que se tornou ao mesmo tempo duvidosa e também preocupante para a professora Odinéia Araújo que ontem a noite (18/09) postou nas redes sociais algumas fotos de gêneros alimentícios que foram comprados em um supermercado localizado no município de Santana. 

De acordo com o relato postado pela professora na Internet, sua filha foi até um supermercado, situado na Rua Ubaldo Figueira, bairro Nova Brasília, fazer algumas compras rotineiras e se deparou com as informações que estavam anexadas na embalagem de alguns destes produtos. 

“Como minha filha tem 11 anos não atentou para a data de vencimento das frutas e acabou trazendo sem preocupação. Somente aqui em casa que observei que havia dois produtos (uva e queijo) que já estavam vencidos”, descreveu Odinéia nas redes sociais. 

Além desses dois produtos, a professora também percebeu que outros gêneros comprados no mesmo supermercado estavam com suas datas de vencimento bem próximas de expirarem. “Ainda se mantém com produtos que vão expirar no prazo de dois a três dias e ficam expostos para serem comercializados. E olhe que isso foi somente algumas compras que minha filha fez sem prestar atenção no prazo de vencimento, imagine o que mais pode está sendo comercializado lá (no supermercado) fora do prazo”, advertiu Odinéia no texto virtual. 

Crime ao consumidor
Segundo informações descritas no Código do Consumidor, a exposição de produtos vencidos – independente de gêneros alimentícios ou de caráter domiciliar – é considerado um crime grave, previsto no artigo 7º, inciso IX da Lei nº 8.137/90, com pena de detenção de dois a cinco anos para o comerciante infrator. 

Ainda – de acordo com a Lei – não é nem preciso que o consumidor adquira o produto, a simples exposição da mercadoria vencida já configura o delito. 

Também não é necessário que a oferta seja proposital, bastando haver negligência do comerciante em não fiscalizar a qualidade dos produtos disponibilizados. 

O estabelecimento
O referido supermercado que Odinéia Araújo citou nas redes sociais pertence a um grupo do ramo alimentício que quase três décadas no Estado do Amapá, mantendo quatro (04) grandes supermercados na capital e estando no município de Santana desde 2012. 

Em contato com a gerência do Grupo em Macapá, o blog foi informado que todos os seus supermercados passam por procedimentos periódicos de higienização e limpeza de produtos em vencimento, conforme determinações da Vigilância Sanitária do Estado, evitando assim que seus produtos comercializados sigam as exigências contidas na Lei. 

Em relação às fotos postadas pela professora, a gerência garantiu que tomará maiores providências em verificar a veracidade de fatos semelhantes.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

20 candidatos concorrem à vaga de Conselheiro Tutelar em Santana

Léa Soryana, presidente do CMDCA em Santana.
No próximo dia 04 de outubro, ocorrerá em todo o Brasil, um pleito eleitoral, com o propósito de elegerem Conselheiros Tutelares em diversas cidades do país. 

No Amapá, o pleito também acontecerá nos 16 municípios do Estado, onde (ao todo) cerca de 150 candidatos se inscreveram no certame que, apesar de não ser uma eleição obrigatória, já incentivou diversos candidatos a se empenharam de várias formas em suas campanhas individuais, querendo alcançarem o objetivo de conquistar uma das cinco (05) vagas de Conselheiro Municipal. 

Em Santana, foi constatado o registro de 24 candidatos, porém, quatro foram excluídos da lista antes do início desse mês por questões pessoais. 

“Alguns foram chamados pelo concurso público do Estado e dois não justificaram claramente as suas saídas, se mantendo agora com 20 candidatos que estão fazendo suas campanhas em peso”, explicou a presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) em Santana Léa Soryana Cordovil. 

Segundo Léa, a Comissão Eleitoral no município tem intensificado diversas fiscalizações sobre os modos que estão sendo aplicados nos meios publicitários de cada candidato, visando identificar aqueles que podem infligir determinações regidas e implantadas pela Comissão. 

“Por mais que a eleição não seja obrigatória, se seguem normas do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e orientações do Ministério Público que atentam para aquelas irregularidades que a Lei proíbe, e a Comissão Eleitoral é quem responde como órgão fiscalizador desse pleito, e evitar atos contra a Lei”, ressaltou Léa. 

Locais de Votação
A Comissão Eleitoral escolheu cinco instituições de ensino (escolas), sendo uma municipal e o restante estadual, mas todas localizadas em bairros distintos da cidade, tudo para facilitar o deslocamento das pessoas que pretendem votar em seu candidato ao Conselho Tutelar de Santana. 

“Durante o processo eleitoral, cada candidato poderá manter um fiscal em cada local de votação para acompanhar o andamento do pleito, e ainda vamos contar com o apoio da Polícia Militar e outros agentes de segurança que irão garantir a ordem pública e toda a tranquilidade no dia do evento”, detalhou Léa. 

A eleição acontecerá no próximo dia 04 de outubro, das 08hs da manhã às 17hs, nas seguintes escolas de Santana: 

- Escola Municipal Amazonas (bairro Centro).
- Escola Estadual Afonso Arinos (Área Portuária).
- Escola Estadual Catarina Tibúrcio (bairro Novo Horizonte).
- Escola Estadual Rodoval Borges (bairro Fonte Nova).
- Escola Estadual Augusto Antunes (bairro Nova Brasília).

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Em meio à crise nacional, Município manterá apenas despesas significativas

Prefeito Robson Rocha vai manter apenas
despesas significativas para o município.
Em virtude de está considerando uma crise econômica de âmbito nacional, o Governo Federal precisou reduzir drasticamente a cota nominal do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) que é periodicamente repassado às cidades do Brasil, obrigando com que a maioria desses municípios buscassem estratégias internas para “driblar” a crise. 

Com a redução desses repasses do FPM, centenas de cidades brasileiras precisaram rever seus orçamentos mensais, como forma de evitar transtornos administrativos e financeiros que posteriormente viessem a atingir o restante do expediente público, muito menos prejudicar os serviços convencionais à população. 

A cidade de Santana não ficou fora dessa redução de repasse federal, vindo a perder cerca de R$ 300 mil para este ano, segundo a Secretaria Municipal de Governo e Planejamento (Semgep), o que obriga a Prefeitura a efetuar diminuições nas suas despesas municipais e contenções, como a folha de pagamento de gestores e de cargos comissionados.

Para não deixar com que os atendimentos diários à sociedade venham a ser afetados, a Prefeitura de Santana já vem adequando formas que amenizem os referidos serviços institucionais do Executivo Municipal. Para isso, reduziu significativamente as despesas públicas, mas mantendo diversos serviços de ordem necessária à comunidade. 

A pasta da Educação fará diversos cortes de
gastos, sem afetar calendário letivo municipal.
“Por enquanto, colocamos os postos e centros de saúde da cidade para funcionar somente durante um horário à população, mas mantendo todas as consultas médicas (e especialidades) normais”, disse o prefeito de Santana Robson Rocha sobre os serviços oferecidos pela saúde municipal, onde o mesmo procedimento de horário (pela manhã) já vem sendo utilizado por outras secretarias municipais, obedecendo uma determinação já baixada em Decreto majoritário pelo gestor do Executivo no início desse mês. “Essa contenção de gastos inclui até um controle de materiais de expediente e equipamentos, mas procurando atender de maneira satisfatória a população”. 

Redução de Pessoal
Ainda de acordo com o prefeito, com a queda no repasse do FPM e do ICMS distribuído pelo Poder Estadual, outra alternativa a ser tomada pelo gestor será uma redução no quadro de pessoal, com a possível exoneração de diversos contratos administrativos. 

“Vamos manter um quadro administrativo estável, sem que haja qualquer atraso no serviço público”, ressaltou Robson Rocha. Segundo informações, a pasta da Educação é o que terá maior número de contratos administrativos dispensados, mas a Prefeitura já garantiu esses não atrasarão o calendário letivo escolar do município.

Sem tendas, população aguarda atendimento bancário sob sol escaldante em Santana

População aguarda debaixo de sol escaldante Desde a semana passada que centenas de pessoas enfrentam duas grandes batalhas ao procurar...