quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Governo do Amapá implanta rede de comunicação nas escolas de Macapá e Santana

As escolas estaduais do perímetro urbano de Macapá e Santana passam por um processo de integração à intranet do Governo do Estado. Denominado Escola Conectada, o projeto foi criado pelo Centro de Gestão da Tecnologia da Informação (Prodap) e encontra-se em fase de implantação. 

O acesso será através de equipamentos fornecidos pelo Governo do Estado, beneficiando 110 instituições educacionais. A coordenadora de redes do Prodap, Márcia Almeida, explica que na primeira fase de execução, o investimento feito será para melhoria da administração escolar. 

Segundo ela, a integração à intranet do Estado permite o acesso ao Sistema de Gestão Escolar e Caixa Escolar. Ambas são ferramentas educacionais destinadas aos educadores. 

Também haverá melhoria no acesso a sistemas do Banco do Brasil, para realizar transferências online, pagamento de fornecedores, facilitando assim, a administração da merenda escolar, transporte, limpeza e demais serviços. 

O Escola Conectada vai melhorar significativamente o acesso aos sistemas geridos no Governo do Estado para a gestão escolar. Em breve, os alunos terão acesso a internet fornecida pelo Estado. 

"Ainda no primeiro semestre de 2014, este projeto será ampliado com o programa "Wifi nas escolas". A expectativa é de que, em seis meses, todas as escolas estejam conectadas ao programa", declarou Márcia Almeida. 

O projeto Escola Conectada faz parte do Programa Conecta Amapá, que tem por objetivo promover a inclusão digital no Estado, através do acesso à internet gratuita, ampliação de programas educacionais tecnológicos, capacitações livres, modernização do Governo do Amapá, entre outros.

“Governador cumpriu a promessa”, diz moradora durante inauguração da UPC do Igarapé da Fortaleza

A primeira presidente do Conselho de Segurança Comunitário do Igarapé da Fortaleza, Ana Gemaque, num discurso emocionado, disse que o governador Camilo Capiberibe cumpriu com a promessa, feita em 2012, ao inaugurar ontem, 18/12, a Unidade de Policiamento Comunitário que vai atender a localidade. 

"Quando ele veio fazer o lançamento da obra, muita gente disse que ela não ficaria pronta. Mas eu acreditei e hoje venho aqui testemunhar que o governador cumpriu com a sua palavra de garantir segurança pública para todos nós", declarou Ana Gemaque. 

Lançada em dezembro de 2012, a obra custou cerca de R$ 794 mil. Considerada um modelo em segurança pública, na Unidade Policiamento Comunitário (UPC) funcionará uma delegacia de Polícia Civil, Serviço de Policiamento Comunitário, de responsabilidade da Polícia Militar, sala de material apreendido, sala de Mediação de Conflitos (serviço disponibilizado pelo Ministério Público Estadual) e espaço para equipe do Instituto de Administração Penitenciária. 

"Essa obra representa um esforço conjunto para atender um pedido feito pela sociedade, que no passado teve uma base da Polícia Comunitária atuante, mas que foi abandonada. Hoje é uma data importante, porque devolvemos aos moradores do Igarapé da Fortaleza um prédio moderno, com uma nova filosofia para atender a todos", explicou o governador Camilo Capiberibe. 

Na ocasião, o chefe do Poder Executivo entregou quatro viaturas, das quais duas serão para atender a UPC inaugurada, além de outros dois veículos e duas motocicletas, destinados ao atendimento da comunidade. 

"Estou honrando todos os compromissos que assumi e mais obras importantes ainda serão inauguradas em Santana, como a ampliação da rede de água do município, que vai levar água de qualidade para todos, além do hospital", lembrou o governador. 

O prefeito de Santana, Robson Rocha, agradeceu os investimentos feitos pelo governo. Disse que o trabalho conjunto favorece a sociedade. "Santana conta com o seu apoio para construir outras obras", pediu o prefeito, fazendo referência às contrapartidas do Estado. 

O comandante da Polícia Militar, coronel Barbosa, falou da importância do policiamento comunitário para a redução da violência. Citou as UPCs já implantadas no bairro das Malvinas (Laranjal do Jari), Baixada do Ambrósio (Santana), Novo Horizonte e Brasil Novo (Macapá). 

Já o secretário de Estado da Justiça e Segurança Pública, Marcos Roberto Marques, comentou sobre a política adotada pelo governador Camilo Capiberibe, que tem capacitado os policiais civis e miliares, além da aquisição de viaturas e concurso público para o setor. 

Na UPC do Igarapé da Fortaleza, a Polícia Militar também ganhará um auxílio a mais nos projetos sociais desenvolvidos pela corporação no município de Santana, como o Peixinhos Voadores, Programa de Erradicação das Drogas (Proerd) e Cidadão Mirim. 

"Vim agradecer ao governador e dizer que não estivemos juntos no passado, mas é preciso reconhecer o trabalho desenvolvido no presente, que vai beneficiar toda a comunidade", salientou o presidente da Associação dos Veteranos do Igarapé da Fortaleza, Valmir Vila Real. 

Camilo Capiberibe encerrou a solenidade reafirmando o compromisso com o desenvolvimento do município de Santana e garantindo ao prefeito que o Estado dará todas as contrapartidas necessárias para a construção de obras que visem melhorar a vida da população. 

Obras em andamento em Santana
- Construção de uma praça em Frente ao Fórum. Obra foi lançada em setembro. Está com 20% executada. O investimento é de R$ 2.125.574,11. Será entregue no primeiro semestre de 2014.
- Construção de quadra poliesportiva coberta. Executados: 50%. Valor: R$ 344.287,17. Será entregue no primeiro semestre de 2014.
- Construção de Centro de Armazenamento de Grãos. Executados: 95%. Valor: R$ 3.404.113,81. Prazo: fevereiro de 2014
- Reforma e ampliação da Feira do Produtor. Executados: 60%. Valor: R$ 1.759.502,24. Será entregue no primeiro semestre de 2014.
- Reforma geral e adaptações da Escola Estadual Augusto Antunes. Executados: 73%. Valor: R$ 3.565.674,55. Prazo: fevereiro de 2014.
- Construção da ponte do Rio Matapi. Obras foram lançadas dias 2 de dezembro. Investimento de R$ 89,9 milhões. Será concluída em dezembro de 2014. Vai gerar o desenvolvimento de Santana e de Mazagão.
- A Companhia de Água e Esgoto do Amapá está ampliando a rede de água do município. Será um novo reservatório apoiado com capacidade de armazenamento de dois milhões de litros de água, três estações de tratamento de 100 m³ por hora cada uma, duas bombas de 200m³ por hora cada, uma subestação de energia, além de uma nova casa de química e urbanização. Os investimentos na obra são da ordem de R$ 13 milhões.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Moradores fecham rua para protestar contra transporte de minério

Com paus e pedras os moradores que residem na área do bairro Ambrósio, em Santana, bloquearam nesta terça-feira (11/12) a rua Claudio Lúcio Monteiro, uma das principais vias da cidade. A população reclamava de resíduo deixado por carretas que transportam minério diariamente dentro do município. 

Ainda de acordo com os moradores, o contato com a substância está causando problemas de saúde e teria influenciado na morte de uma pessoa. O comerciante Agenor Mendes Santos, de 61 anos, morreu no domingo (08/12) após ficar internado por dois meses no Hospital de Emergências (HE) de Macapá. Segundo a família, o frequente contato do comerciante com o pó de minério teria causado a morte. 

O filho de Agenor, Valmir Santos, de 28 anos, conta que o pai teria inalado o pó de minério e que desde então começou a sentir irritação na garganta. Com o agravamento do caso o comerciante foi encaminhado para o HE de Macapá, onde ficou internado por dois meses. 

“Os médicos concluíram que o meu pai havia desenvolvido um câncer na garganta que foi se espalhando pelo corpo até a sua morte”, contou o filho. 

O vendedor de açaí Francisco Farias Quaresma, de 42 anos, conta que os moradores já encaminharam as reivindicações ao Ministério Público, mas que até o momento nenhuma atitude foi tomada. “Nós decidimos fechar a rua até o momento em que formos ouvidos e se não for resolvido o nosso problema vamos continuar bloqueando o trânsito”, afirmou Quaresma. 

O estivador Edmilson Ferreira, de 45 anos, relata que os resíduos de minério têm causado problemas de saúde aos moradores da comunidade e bairros próximos. Os principais afetados são os que têm contato frequente com a substância que fica espalhada pela rua. “As crianças estão adoecendo com coceira, irritação nos olhos, vermelhidão, problemas respiratórios e na garganta. Um senhor morreu e a família suspeita que foi por causa do contato com o minério”, conta o estivador. 

A Polícia Militar esteve no local para evitar tumultos. “O nosso papel aqui é apenas acompanhar os moradores e auxiliar os motoristas para tomarem caminhos alternativos”, explicou o sargento Andrade Lopes do 4º Batalhão da Polícia Militar de Santana.

Justiça Eleitoral encerra revisão biométrica em Santana: 87,2 % do eleitorado revisado

O Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE/AP) encerrou a Revisão Biométrica no município de Santana. A coleta de dados na cidade que é o segundo maior colégio eleitoral do Amapá, iniciou em 25 de maio de 2013 e terminou na última sexta-feira (06/12), com quase 90% do eleitorado santanense revisado biometricamente. As informações são do TRE/AP. 

De acordo com a diretora geral do TRE-AP, Odete Scalco, o resultado da Revisão Biométrica em Santana, que atingiu 87,2 % do eleitorado do município, se deu ao empenho da Justiça Eleitoral, que reforçou os postos de atendimento na reta final do recadastramento. 

Odete Scalco explicou que, ao todo, 8.463 eleitores não efetuaram a Revisão Biométrica. Mas, conforme os números do TRE, o saldo foi positivo, com 57.648 revisões biométricas. Com o resultado, as Eleições 2014 na cidade serão digitais. 

A diretora disse ainda que a Justiça Eleitoral divulgará os números finais sobre o eleitorado em Macapá e Santana, onde o processo de recadastramento foi finalizado, além dos demais municípios do Amapá, que passam pela Revisão Biométrica, quando o Tribunal superior Eleitoral (TSE) finalizar seu processamento de dados, em maio de 2014. “Somente em maio de 2014, poderemos dizer se a população eleitoral no Amapá aumentou ou diminuiu. O fato de o eleitor não comparecer para a revisão, não significa que ele já saiu da contabilização do eleitorado. Teremos a resposta somente após o TSE contabilizar em definitivo o cadastro de alistamento”, acrescentou Odete Scalco.

Em Santana, "Natal Ecológico" utiliza 200 mil garrafas pet para decoração

A população do município de Santana, distante cerca de 20km da capital amapaense, terá um Natal diferente em 2013. Toda a ornamentação natalina da cidade foi confeccionada com garrafas pets arrecadas por meio gincanas escolares iniciadas em junho. Entre os enfeites, está uma árvore de 14 metros de altura produzida com os materiais recicláveis. A iniciativa faz parte do projeto “Natal Ecológico” e tem o intuito de resgatar os valores da família tradicional, segundo destacou a coordenadora do projeto Maria Almeida. 

"Pretendemos proporcionar um sentimento diferente este ano para os moradores da cidade. Além de reafirmamos a educação ambiental que a cada dia se faz mais necessária. Com o fim do período natalino, esse material será novamente reaproveitado", informou a coordenadora. "As garrafas foram lavadas, pintadas e moldadas no formato de cada símbolo do Natal. Até as estrelas e luminárias foram produzidas com a reciclagem", acrescentou. 

Os artesãos que trabalharam na confecção dos ornamentos foram capacitados em oficinas ministradas em agosto. "A ideia do 'Natal Ecológico' partiu de uma visita ao estado do Pará, onde pudemos observar que várias regiões passaram a se preocupar não só com a data do nascimento de Jesus, mas também com o meio ambiente. A prefeitura trouxe artesãos desses lugares para que eles nos ensinassem essa arte", acentuou. 

A decoração ficará exposta até o dia 6 de janeiro de 2013 e será um dos temas de palestras e shows beneficentes na cidade.

Pó de minério faz escola suspender aulas pela segunda vez

As aulas na escola Santos Dumont, no bairro Elesbão, em Santana, a 17 quilômetros de Macapá, estão suspensas desde o último dia 03 de dezembro. A medida foi tomada após o colégio, que fica atrás de uma mineradora, ter ficado sujo por pó de minério de ferro. A empresa responsável pelo material foi multada por poluição atmosférica no mesmo dia em R$ 500 mil pelo Batalhão Ambiental. Essa é a segunda vez que há paralisação no ano letivo de 2013 pelo mesmo motivo. A primeira aconteceu em agosto. 

A diretora do colégio Márcia Freitas acredita que o pó de minério é levado até a escola por causa do vento forte na região. O colégio fica às proximidades do Rio Amazonas. O pátio e a quadra de esportes foram invadidos pelo minério. 

Com medo de serem prejudicados por possíveis problemas provocados pelo material tóxico, três professores já pediram transferências do colégio Santos Dumont. Ao todo, 640 alunos estudam em três turnos na escola. 

Com a paralisação do porto da mineradora, em março de 2013, após um acidente que deixou cinco mortos e um desaparecido, todo o minério está sendo estocado na área da empresa, em Santana. O local fica a poucos metros do colégio. "Como está ventando bastante nesses dias, o minério atingiu com bastante força a escola", comentou Márcia Freitas. 

Ainda no dia seguinte (04/12) as aulas continuaram suspensas. Segundo a diretora do colégio, uma reunião entre professores e pais de alunos vai decidir se as atividades vão normalizar nos próximos dias. As aulas foram suspensas ainda no dia 03 de dezembro pelo colégio a pedido do Batalhão Ambiental. "O pó do minério estava causando transtornos à escola. Orientamos a direção a tomar a medida porque o dano pode ser grave", disse o tenente Marcos Bezerra. 

O batalhão ainda estabeleceu que a mineradora intervenha na solução do problema no colégio. A empresa tem 45 dias para recorrer da multa aplicada por poluição atmosférica. 

Fonte: G-1/Amapá

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Sem aviso, tarifa no transporte urbano aumenta em Santana

Desde ontem (10/12), que os moradores da cidade de Santana estão pagando mais caro pela tarifa na passagem do transporte urbano. Com um reajuste de 20% no valor, a passagem que custava R$ 1,25 saltou para R$ 1,50, o que não agradou nem um pouco aos usuários que utilizam diariamente o serviço. 

Segundo a direção da empresa de ônibus Sião Thur – a única que explora o serviço na área urbana do município –, o motivo para reajuste foi devido ao recente aumento na comercialização do combustível, sendo este o principal produto que vem sendo utilizado para o reabastecimento dos veículos que circulam na cidade. “Esperávamos segurar esse reajuste somente para o ano que vem, mas o rápido aumento no combustível praticamente nos obrigou a ampliar essa tarifa”, assim um funcionário (que não quis se identificar) no portão da empresa, tentou explicar sobre a situação. 

Sem Comunicado Prévio
O referido reajuste pegou de surpresa todos os usuários que necessitam do serviço diário, onde alegam não terem sido sequer comunicado antecipadamente. “Isso é uma covardia não falarem nada pra população. Não vi nada na televisão sobre esse aumento. Só quando subi no ônibus que ainda vi um aviso que deve ter sido colocado no mesmo dia que deram esse aumento. Acham que podem tomar qualquer decisão em cima da hora e nós é que pagamos o pato”, reclamou a doméstica Raimunda Fernandes, que usa o serviço dos coletivos todos os dias para se deslocar do bairro Fonte Nova para a Área Portuária, onde trabalha. 

A mesma opinião foi dita pela estudante Karolina de Souza, da Escola Augusto Antunes. “Fica complicado da gente usar os ônibus quando somos pegos de surpresa com aumento desses, ainda mais depois do início do mês quando o pagamento já saiu e não nos programamos”, questionou a estudante do ensino médio, que ainda precisa usar dos serviços quando marca encontro com os colegas para realizar trabalhos escolares. “Agora vou ter que dá uma segurada nos trabalhos durante o horário final das aulas pra não ter que dá duas ou três voltas seguidas, por que dinheiro tá ficando mais escasso de se gastar agora”, contou. 

Precariedades
Em sua maioria, os mais de 80 mil habitantes que residem na área urbana de Santana são unânimes quando o assunto é a precariedade física e técnica existente no serviço de transporte público da cidade. As reclamações vão desde os horários de atraso dos coletivos, como também a quantidade insuficiente de veículos para atender uma demanda bastante elevada de usuários. 

Outra reclamação trata das péssimas condições de alguns coletivos que circulam no perímetro urbano de Santana, onde veículos apresentam bancos rasgados e deteriorados, sendo alguns exalando forte odor material. “Certa manhã entrei num ônibus da linha do (distrito) Fortaleza e me deparei com dois bancos na parte de trás todo cheio de vômito. Falei do que vi pra cobradora e ela disse que não podia fazer nada, só depois que o ônibus fosse recolhido no final da tarde”, denunciou o servente João César de Oliveira sobre as condições que presencia quase que diariamente durante suas viagens nos coletivos. 

Com apenas uma empresa explorando o ramo em Santana (ou seja, um serviço monopolizado) há quase seis anos, existem cinco (05) ônibus trafegando na cidade que são: linha Paraíso (01 ônibus), Linha Laranjeiras (01 ônibus), Linha Fortaleza (02 ônibus) e Linha Circular (01 ônibus).

Projeto Fim de Semana na Escola leva cultura e entretenimento aos alunos de Santana

Com o objetivo de conscientizar as famílias da importância de sua participação nas atividades escolares, a Secretaria de Estado da Educação (Seed) promoveu no último sábado, 09/12, a 3ª edição do projeto Fim de Semana na Escola. 

A programação, que aconteceu na Escola Estadual Francisco Walcy, no município de Santana, contou com gincanas, jogos, torneios matemáticos e esportivos, eventos culturais, desfiles de miss e mister, além de oficina de rádio com o projeto Fala Juventude, promovido em parceria com a Secretaria Extraordinária de Políticas para a Juventude (Sejuv). 

O secretário de Estado da Juventude, Alex Nazaré, explicou que o projeto é levado às escolas localizadas em área de vulnerabilidade social. "Participam alunos de escolas do entorno da Francisco Walcy, pois são áreas que necessitam de ações do Poder Público. E com projeto Fim de Semana na Escola estamos chegando às pessoas que precisam de estímulos como esse", pontuou. 

A aluna Juliana Nascimento conta que, com o funcionamento da rádio escola, muitas atividades ficaram mais fáceis. "Agora, ao invés de ir de sala em sala dando aviso, nós fazemos isso pela rádio. Essa é uma experiência muito boa, onde já aprendi as noções básicas do rádio. Fico muito feliz em fazer parte desse projeto", disse. 

A coordenadora do projeto, Elmira Coimbra, explicou que o Fim de Semana na Escola pretende resgatar o fortalecimento da importância da integração família e escola. "A escola não se faz apenas com a comunidade escolar. Deve envolver os pais e, principalmente, os moradores residentes próximos às instituições de ensino. Promover atividades recreativas nas escolas visando atrair a comunidade para, além de participar das ações escolares, possam também criar vínculos", garantiu. 

A programação contou com a oficina de Marabaixo, ministrada pelo grupo folclórico Ancestrais; apresentações de danças, cinema e jogo de xadrez. A iniciativa está acontecendo em parceria com as secretarias de Estado da Cultura (Secult), da Inclusão e Mobilização Social (SIMS), Sejuv e de Desporto e Lazer (Sedel). 

A secretária da Seed, Elda Araújo, enfatizou que, por meio do projeto, pretende-se aproximar a família da escola. "Entendemos que a escola é um ambiente onde os pais devem se fazer presentes, acompanhando o desempenho dos seus filhos. Com o Fim de Semana na Escola pretendemos levar cultura e diversão por meio das atividades que são desenvolvidas na escola", destacou

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

VIII Semana Nacional da Conciliação na Comarca de Santana

No Fórum de Santana, as audiências de conciliação envolvem magistrados e servidores das 1ª, 2ª e, 3ª Varas Cíveis e do Juizado Especial Cível. 

Os processos mais comuns na mesa de conciliação são os advindos das Varas Cíveis, como ações de pedido de pensão alimentícia, reconhecimento de paternidade, interdição, direitos do consumidor e cobrança de dívidas. 

O juiz José Bonifácio da Mata, titular da 3ª Vara Cível e de Fazenda Pública, ressaltou que a demanda processual anda em ritmo tranquilo, visto que em decorrência do sucesso da II Semana Estadual, realizada em setembro, ajudou a diminuir o grande número de processos. 

“Estamos com 15 processos que são 90% vindos de casos de Direito de Família, pensão alimentícia, dissolução de sociedade de fato e divórcios. Os outros 10% se referem a ações do Juizado da Fazenda Pública e ações de Execuções Cíveis. A conciliação é uma forma de obter resultado rápido”. 

Titular da 1ª Vara Cível e de Fazenda Pública, o juiz Marco Antônio Miranda enfatizou o trabalho célere da Comarca de Santana que tem Varas que executam a prática da Conciliação de segunda a sexta-feira. 

“Todas as Varas fazem seu trabalho de forma célere. No nosso caso 22 processos entraram na pauta, onde os casos de família são os mais procurados com ações de reconhecimento de paternidade, regularização de guarda e execução de alimentos”, destacou o magistrado. 

De acordo com a Juíza Eliana Nunes Pingarilho, titular da 2ª Vara Cível e de Fazenda Pública, os casos que têm mais resultado positivos são advindos das ações de família. “Os relatórios expressivos estão para confirmar: conciliar diminui o fluxo de processos e procura ao máximo harmonizar as duas partes em desavenças”. 

Com 160 processos em trâmite no Juizado Especial Cível e Criminal, o juiz substituto Erick Siebel Conti informou que a cultura da conciliação é algo que sempre foi presente no Juizado. Pois de uma forma simples e rápida, algumas situações chegam à pronta solução do litígio depois que as partes decidem entrar em acordo pacificamente.

Juizado de Violência Doméstica de Santana comemora dois anos de instalação

O Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Santana completou no último dia 25 de novembro dois anos de instalação. A data celebra, também, o dinamismo e a atuação da Unidade diante dos problemas que sofre a mulher vítima da violência em seus próprios lares no município. 

Para a juíza Michelle Costa Farias, titular do Juizado, o esforço da equipe tem sido de fundamental importância no processo de aprimoramento dos trabalhos e das ações que a Unidade realizou nesse período, sobretudo, na ampliação dos serviços por meio da equipe multidisciplinar no atendimento psicossocial às famílias vitimas de conflitos domésticos. 

Outro fator que a magistrada destaca como positivo é quanto ao atendimento processual realizado pelos servidores. Muitas vezes as partes comparecem sem a assistência de defensor público ou do advogado e toda orientação é prestada, no sentido sempre de facilitar o atendimento da mulher agredida. 

Apesar da predisposição ao atendimento dos casos que são ajuizados, muito ainda precisa ser feito para conscientizar a sociedade quanto a minimização dessa moléstia. De acordo com a juíza, a sociedade santanense ainda não tem essa percepção do Juizado de Violência Doméstica. “Aos poucos estamos mostrando o verdadeiro objetivo e benefícios do Juizado, por meio de ações, palestras e orientações para proteger a mulher.” 

Ao completar dois anos de funcionamento do Juizado, a juíza Michelle Farias parabeniza sua equipe, ao salientar a luta diária em implementar as ações e facilitar o acesso. Para ela, o esforço de todos tem contribuído com essa nobre causa.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Inadimplências engessaram os primeiros meses de gestão

Robson disse que tem muito que comemorar, já que mesmo “assumindo uma prefeitura falida e com uma série de inadimplências”, conseguiu resgatar credibilidade junto à Bancada Federal, e com isso têm conseguido alocar emendas para obras importantes dentro do município. “Pegamos uma prefeitura com várias obras paradas. Algumas delas com até seis, sete anos entravadas. Pegamos os servidores com defasagem salarial, com planos de cargos e salários não sendo cumpridos. No meu segundo dia na cadeira tivemos bloqueados R$ 500 mil de precatórios judiciais que não foram honrados no ano de 2012. A falta de alguns recursos prejudicou um melhor andamento da nossa administração. Mas mesmo assim, estamos fazendo a limpeza da cidade com recurso próprio. Porque antes quem pagava o gari da prefeitura de Santana era o governo do Estado através de convênio. Estamos fazendo a operação tapa buraco, que também é pago pela prefeitura com recursos próprios. Implantamos três projetos sociais no município de Santana com recursos próprios e isso me orgulha muito”, pontuou o gestor municipal. 

Inadimplências
Por causa das inadimplências, há quatro anos a Prefeitura de Santana não conseguia firmar convênios com o Governo Federal. Porém, essa situação foi revertida. Só em recursos com a emenda parlamentar, este ano já foi conseguido algo em torno de R$ 20 milhões. “Esse ano participei da reunião da bancada. 100% dos deputados e senadores alocaram recursos para 2014. Ainda não fechei os números, mas acredito que a gente deva fechar com uns R$ 30 milhões. O que coloca o município como campeão em capitação de emendas individuais e que ano que vêm serão impositivas. Isso aí é credibilidade. É resgatar aquilo que foi perdido. E isso é fantástico”, ponderou o prefeito. 

Sobre os projetos citados, o prefeito destacou um convênio com o Tribunal de Justiça do Estado do Amapá (TJap), que absorve a mão de obra de detentos do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen). “Estamos dando a oportunidade inicialmente desses 25 detentos, de ressocializarem. Esse projeto me encanta muito e eu pretendo ampliar”, revelou. 

Repasses
Se por um lado os projetos avançam, por outro os repasses deixam a desejar. Robson Rocha lamentou apenas o fato de o município de Santana, que é o segundo maior do Estado, ficar abaixo de outras cidades ao que diz respeito à Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). “Para se ter uma ideia, o município de Santana com 120 mil habitantes deve fechar este ano com o ICMS em torno de R$ 27 milhões. Ano passado foi de R$ 31 milhões. Perto de Pedra Branca do Amapá que tem 12 mil habitantes, e que ano passo foi de R$ 9 milhões e esse ano deve fechar em R$ 24 milhões, é um crescimento absurdo. Nada contra Pedra Branca, mas é injusto com o município de Santana, que deveria fechar com algo em torno de R$ 38 a R$ 39 milhões”, criticou Rocha. 

Infraestrutura
No setor de infraestrutura, um levantamento topográfico de todo o município vem sendo realizado com o intuito de dar cumprimento a um plano de pavimentação no valor de R$ 86 milhões que foi apresentado junto ao Ministério das Cidades. “Santana junto com Macapá foram selecionadas. Falta realmente definir o recurso que vai ter para o programa. Inicialmente seriam R$ 10 milhões do governo federal, porém, foram cortados para menos de R$ 4 milhões. Mas Santana será contemplada com certeza com uma fatia significativa já que tem um projeto aprovado”, assegurou o prefeito. 

Conforme o projeto da prefeitura, o plano da pavimentação irá contemplar também as drenagens pluviais. “Nessas emendas, nós temos cerca de R$ 3 a R$ 4 milhões destinados exclusivamente para saneamento dos bairros de Santana. Temos uma parceria com a Caesa. A companhia deve assumir uma obra da bacia de decantação que está parada desde 2005. Foi uma obra com convênio e que teve apenas 60% executada. A Caesa deve assumir e dar funcionalidade pra isso, bem como a parte dos recursos de R$ 17 milhões que estão alocados para a formatação do projeto executivo do plano de saneamento de Macapá e Santana, que aí depois, o Estado deve alocar esses recursos junto aos bancos, seja BNDS ou BIRD. Então essa é uma construção que vai ser feita junto ao governo do Estado”, explicou Robson Rocha. 

Relação com a bancada
Segundo o gestor municipal, a boa relação entre a prefeitura de Santana, deputados e senadores, tem culminado na alocação de recursos. Um deles já está na Secretaria especial de Portos, no valor de R$ 2 milhões. “Esse valor será destinado à orla da cidade. Será para reativarmos aquele convênio do terminal de passageiros que está abandonado há mais de dez anos”, contou Robson. 

Para o ano que vem a deputada federal Dalva Figueiredo deve alocar cerca de R$ 3 milhões para Santana, que para Robson, é um número significativo.

Concurso deve ser lançado no primeiro semestre de 2014

A promessa de Robson Rocha é que no primeiro semestre de 2014 será lançado edital do concurso público para a contratação em todas as áreas. “Nós precisamos reestruturar a prefeitura. Já discuti com o secretário do meio ambiente essa questão. Santana é o segundo maior município em termo de população e economia, e nós não temos uma secretaria de meio ambiente. Com isso o município perde receita, o município burocratiza as atividades empresariais, porque hoje é tudo centralizado no IMAP, que embora venha fazendo um excelente trabalho, tem todo um estado para gerir. E Santana poderia muito bem está fazendo o licenciamento dos impactos ambientais, e não faz porque acabaram com a secretaria de meio ambiente. Sem contar que há também, a perda de um atrativo empresarial, porque tem a burocracia atrasando os seus empreendimentos”, lembrou o prefeito de Santana. 

A ideia, segundo o gestor, é fechar com o concurso, todo o quadro técnico da prefeitura. “Nós não temos analista ambiental hoje na prefeitura. Temos apenas um engenheiro sanitarista. Nós necessitaríamos de mais engenheiros. Por isso estamos fazendo todo um estudo para estruturarmos. Precisamos de economista, de contadores, engenheiros e arquitetos. A área mais especializada foi deixada de lado. Na área da saúde e educação, temos necessidade de mais professores, técnico em enfermagem, médicos. Todos esses setores serão priorizados”, prometeu.

Lixeira pública de Santana será fechada definitivamente

Outro grande problema enfrentado há anos pelos santanenses é a lixeira pública da cidade. De acordo com o prefeito, como compensação ambiental para o município, uma mineradora vai fazer todo o muro em torno da mesma para que a área seja definitivamente fechada. “Nós já estamos bem adiantados. Ainda esta semana eu recebi uma ligação da superintendência de meio ambiente da Eletronorte garantindo que até o final de janeiro eles devem estar iniciando os trabalhos. A partir de então, nós passaremos a trazer todo o lixo que é coletado em Santana para o aterro sanitário do município de Macapá”, enfatizou. 

Ainda segundo ele, quando assumiu a prefeitura nenhum trabalho de mapeamento para saber quantas famílias trabalhavam dentro da lixeira era feito, e hoje esses dados já constam nos cadastros da Prefeitura Municipal de Santana, que também está capacitando às mulheres carapirás. “Cerca de 120 mulheres que trabalham na coleta do lixo já estão participando de cursos de capacitação. Todas vão atuar nas obras do município de Santana. O percentual vai ser destinado às mulheres da formação desse curso. E vamos trabalhar a formação desses catadores que estão hoje dentro dessa área da lixeira e que sobrevivem disso. Através de uma parceria com o IFAP conseguimos com o empresário a doação do terreno. Não houve custo algum para o município de Santana. Devemos inaugurar ainda esse ano, pois já foi feita a licitação”, prometeu o prefeito.

Município sai na frente oferecendo exame de PCCU

O município de Santana foi o primeiro do Estado a oferecer o exame de PCCU, segundo o gestor municipal. Desde abril o preventivo é oferecido na rede pública de saúde com o compromisso que a entrega dos resultados saiam em até 15 dias. Por ocasião do outubro rosa foi implantado também o exame de mamografia. “Ofertamos 60 exames para 60 mulheres que tinham essa necessidade. E o ano que vem nós já estamos abrindo as licitações para que em janeiro ou fevereiro a gente possa oferecer o exame de mamografia a todas as mulheres que necessitem do atendimento da rede pública de saúde”, garantiu o gestor do município. 

Com o programa “Mais Médicos”, Santana recebe 12 profissionais do governo federal, e de acordo com o prefeito, houve ainda a contratação de mais profissionais da área para reforçar ainda mais a saúde pública da cidade. “Eu não tenho números exatos, mas houve aumento significativo na contratação para o município de Santana, de médicos de várias especialidades. Estamos reestruturando os profissionais da saúde. Eles eram discriminados. Eles não tiveram aumento no ano de 2012, não tiveram a progressão, e nós pudemos esse ano, a progressão de 2013 e o retroativo que não foi dado no ano de 2012. Nossas grávidas não tinham pré-natal no município de Santana, não tinham sorologia que é tão necessária para detectar as doenças na gravidez e esse ano nós conseguimos recuperar esses atendimentos. Todas as nossas grávidas são atendidas hoje com a sorologia. Então avançamos”, explicitou o prefeito Robson Rocha. 

A perspectiva, de acordo com o prefeito, é que se feche o ano de 2013 com R$ 20 milhões em capitação para a área da saúde. “Já há dinheiro em conta para a construção e reforma de seis postos de saúde. Entregamos esse ano uma ambulância para o SAMU. Então tudo isso é fruto dos trabalhos que nós estamos realizando”, destacou Robson Rocha.

Pesquisa avalia água dos bairros Brasil Novo e Fonte Nova

Um estudo inicial do Instituto Federal do Amapá (Ifap) avaliou a qualidade da água consumida nos bairros Brasil Novo, em Macapá, e Fonte Nova, em Santana. A pesquisa “Qualidade Fisico-Química e Microbiologia da água das comunidades do entorno ao Ifap Campus Macapá e da comunidade do entorno do futuro Campus de Santana” detectou que a fonte do abastecimento tem influência direta na qualidade da água. 

Segundo o professor orientador da pesquisa, Jorge Emílio Henriques Gomes, o objetivo da pesquisa é analisar a qualidade fisico-química e microbiológica da água. “Identificamos nos resultados preliminares que no Brasil Novo, 30% vem pela Rede geral de abastecimento e 70% pelos poços, já em Santana é o contrário”, avaliou o professor junto com dois alunos do curso de Licenciatura em Química estão envolvidos na pesquisa. 

Informações
Segundo dados apurados na pesquisa, o bairro Brasil Novo, localizado na zona norte de Macapá, possui 3.163 residências. Destas, 2696 casas são abastecidas por poços ou nascentes e apenas 238 pela Caesa (Companhia de Água e Esgoto do Amapá). No Fonte Nova, em Santana, das 2.732 residências, 2.364 vem da Caesa e 342 de poços. Para o professor de Química, é necessário verificar em que condições esta água se encontra. “Além disso, torna-se crucial estudar a qualidade da água, que se por ações antrópicas (descartes de dejetos, esgotamento sanitários...) quando construídos próximo a poços tipo amazonas ou semi-artesianos, podem contribuir para o nível de contaminação da água e com isso, acarretar problemas de saúde às comunidades em questão”, disse Jorge Emílio. 

O estudo indicou em agosto deste ano e terá sua conclusão por volta de março de 2014. Os pesquisadores visitaram os bairros, fizeram testes rápidos nos laboratórios do Ifap e planejam divulgar os resultados para a comunidade e os órgãos competentes. 

A pesquisa está sendo apresentada na Jornada de Extensão, que segue até o dia 6 de dezembro no câmpus Macapá, localizado no Brasil Novo. O evento, realizado pela Pró-Reitoria de Extensão, reúne mostras de artes exposição, palestras sobre empregabilidade, capacitações e oficinas. 

“A extensão é definida como um processo educativo, cultural e científico que, articulada de forma indissociável ao ensino e à pesquisa, viabiliza a relação entre o Ifap e a sociedade”, afirmou a pró-reitora de Extensão, Marialva Almeida.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Escola Santanense é a melhor instituição de ensino do Amapá, aponta ENEM 2012

Dez escolas da rede pública do Estado do Amapá estão entre as 20 escolas com melhor desempenho no Enem de 2012. Foram divulgados apenas os resultados das instituições com mais de 50% de participação dos alunos do 3º ano do ensino médio. 

A secretária de Estado da Educação, Elda Araújo, enfatizou que a Escola José Barroso Tostes, pelo segundo ano consecutivo, ficou com a melhor nota entre as escolas do Estado. "Porém, no caso da Escola Igarapé Fortaleza, que teve um desempenho menor que as demais, é valido ressaltar que, mesmo assim, sua nota foi maior que a média nacional. Seria mais preocupante se nossas escolas tivessem ficado com notas abaixo de 400 pontos", ponderou. 

Os índices do Enem vêm aumentando gradativamente a cada ano, porém o Governo do Amapá, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seed), vem implantando novos projetos visando um melhor desempenho dos estudantes de escolas públicas. 

"A Seed trabalha com vários projetos, a exemplo do 'A Caminho da Universidade', que é uma iniciativa inovadora implantada no ano de 2013 que visa melhorar o desempenho dos alunos no Enem, haja vista que hoje é a única forma de ingressar em universidades federais e estaduais. A nossa expectativa é de que os índices deste ano sejam bem melhores do que os de 2012, a exemplo de 2011, onde a cada ano os índices melhoram gradativamente", pontou a secretária Elda Araújo. 

Veja o ranking das 20 melhores escolas do Amapá: 

1º - Escola Aquarela Ensino e Cultura - Privada: 590,05 

2º - Centro de Ensino Podium - Privada: 550,42 

3º - Colégio Santa Bartolomea Capitanio Privada: 549,41 

4º - Colégio Equipe Macapá - Privada: 539,40 

5º - Moderno Centro de Ensino Educ e Cultura - Privada: 538,81 

6º - Núcleo de Educação Integrada/NEI - Privada: 527,20 

7º - Colégio Seama - Privada: 519,57 

8º - Grupo Perspectivas Construtivas - Privada: 502,89 

9º - Cedap - Centro de Educação do Amapá - Privada: 499,46 

10º - Esc Ed Bas e Profissional Janary Nunes - Privada: 481,34 

11º - Esc Est Prof. José Barroso Tostes - Estadual - 480,89 

12º - Esc Est Tiradentes - Estadual: 472,61 

13º - Esc Est Prof. Gabriel Almeida Café - Estadual: 469,89 

14º - Esc Est Dr. Alexandre Vaz Tavares - Estadual: 469,25 

15º - Esc Est Augusto Antunes - Estadual: 461,99 

16º - Esc Est Elias Trajano de Souza - Estadual: 449,11 

17º - Esc Est José do Patrocínio - Estadual: 448,58 

18º - Esc Est Prof. Raimunda Virgolino - Estadual: 445,39 

19º - Esc Est Prof. Lucimar Amoras del Castillo - Estadual: 443,01 

20º - Esc Est Alzira de Lima Santos - Estadual: 441,85 

Por Adryany Magalhães/Seed

TRE-AP segue com Revisão Biométrica no município de Santana

Além dos três postos na cidade (Super Fácil, Centro de Apoio a Juventude e Fórum de Santana) que foram reforçados pela Justiça Eleitoral nesta semana, o TRE também realiza o recadastramento itinerante nas comunidades rurais santanenses, como Ilha de Santana, Igarapé do Lago, Matão e adjacências. 

De acordo com dados do TRE, Santana é o segundo maior colégio eleitoral do Amapá com 66.111 cidadãos votantes. Cerca de 83% dos eleitores do município já foram recadastrados e pouco mais de dez mil ainda não realizaram a Revisão Biométrica. 

O ônibus do TRE que está equipado para realizar a Revisão Biométrica iria para Santana, mas foi deslocado ao município de Porto Grande, por conta de um problema na internet daquela cidade, que dificultaram o recadastramento no município. A diretora geral do TRE-AP, Odete Scalco, ressaltou que a Biometria em Santana não será prejudicada pela falto do veículo, uma vez que os postos foram reforçados nesta reta final de recadastramento.

TCE encontra ambulàncias da SESA abandonadas em Santana

O Tribunal de Contas do estado do Amapá (TCE/AP), após inspeção realizada em uma "oficina" no município de Santana, verificou cerca de 15 carros, entre eles, ambulâncias e pick-ups da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), em total abandono no pátio da empresa Projecta Construções e Serviços Ltda., que fica localizada na Avenida São Paulo Apóstolo, 223, no bairro Fonte Nova, contratada para a prestação de serviços de manutenção preventiva e corretiva em veículos da Secretaria nos anos de 2011 e 2012. 

Técnicos do TCE/AP estiveram na "oficina" em agosto de 2012, durante o processo de auditoria na Secretaria de Saúde referente ao exercício financeiro de 2011, realizando diligência junto a empresa Projecta, onde alguns carros já estavam no pátio. 

Segundo informações do responsável pelo Setor de Transporte da Secretaria, os carros estariam sendo retidos pela empresa por falta de pagamento de algumas faturas. A comissão de inspeção do TCE esteve novamente no local na última quinta-feira (28/11), onde constatou que os veículos estavam em total abandono no pátio da empresa, que desde agosto de 2012, não possui contrato vigente com a Secretaria de Saúde. 

O que mais chamou a atenção foi à exposição ao tempo do veículo de placa KFB 1528, cedido pelo Ministério da Saúde para a Coordenadoria de Vigilângia de Saúde da SESA, veículo próprio para fumacê, contendo substância de extermínio do mosquito da dengue, armazenado dentro do veículo a pelo menos um ano. 

Diante dos fatos, o TCE/AP deverá transformar em Tomada de Contas Especial para identificar os responsáveis, e apurar os prováveis danos causados ao patrimônio público. 

Entenda o Caso
Um comissão foi designada pela Portaria 106/2012-TCE, de 08 de maio de 2012, para realizar auditoria na Secretaria Estadual de Saúde, referente ao exercício de 2011, ao analisar a licitação na modalidade Pregão Presencial n.º 008/2011-CPL/SESA, que culminou com a celebração do Contrato 008/2011, com a empresa Projecta, cujo objeto era a manutenção corretiva e preventiva dos veículos da Secretaria. Diante das inúmeras irregularidades constatadas pelos técnicos do Tribunal, foi ofertada uma representação ao Tribunal de Contas, que foi formalizada através do Processo 4173/2012-TCE, em 18 de agosto de 2012, tendo como relator o conselheiro substituto, Marcelo Santana, que o Pleno da Corte de Contas no dia 29 de maio de 2013, através da Decisão 161/2013, publicada no Diário Oficial do Estado 5.499, de 1º de julho de 2013 determinou a realização de Inspeção no Pregão Presencial e no Contrato.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Há 35 Anos: Amapaense conta como escapou do maior suicídio coletivo da humanidade


Pastor Jim Jones (1931-1978), responsável pelo maior suicídio coletivo na história.

Um olhar simples de um cidadão interiorano, com uma estatura média (pouco mais de 1,5m de altura) demonstra com clareza a vida que o aposentado Antônio Jonas de Souza, conhecido como "Joca", hoje com 68 anos, já testemunhou. Filho de humildes pescadores, nasceu na região de Calçoene (centro-oeste do Estado do Amapá) e desde cedo trabalhou duro ao lado dos pais para ajudar no sustento da numerosa família composta de outros oito irmãos. 

“Tínhamos que levantar quatro da manhã pra preparar a lenha pro café e ainda amanhecendo seguíamos com meu pai pras mariscar (pescar). Não eram todos meus irmãos, apenas outros dois ou três que ajudavam no trabalho. O que ficava de fora tinha que estudar e ajudava em casa com minha mãe”, contou Seu Joca, sobre a vida humilde que atravessou com a família, sendo ele um dos responsáveis para cuidar de seus irmãos, onde dois conseguiram caminhar para o funcionalismo federal do ex-Território do Amapá. 

“Eu não era o mais velho dos filhos, mas ganhei responsabilidade desde cedo do meu pai e isso me ajudou muito na vida”, enfatizou Seu Joca, que antes mesmo de chegar aos 15 anos, já era um próspero ajudante de comerciante da região do Goiabal (Calçoene), vindo a montar seu próprio negócio com pouco mais de 20 anos. “Como no interior tudo que a gente planta é bem vendido na cidade grande, vim trazendo muitos produtos pra Macapá e rapidinho era vendido nas feiras. Era farinha, coco, jambo, arroz em fardo, qualquer coisa que vinha do interior não deixava de ser vendido. Vim de carona em um caminhão e voltei num barquinho que comprei com a venda”. 

Assim que percebeu sua capacidade de lhe dar com o ramo comercial, Seu Joca decidiu ir mais longe e montou em sua própria embarcação (tipo médio barco) uma estrutura para comportar materiais que viria a vender por localidades ribeirinhas do Amapá, tornando-se um conhecido “regatão” pelos rios Araguari e Amazonas. 

No Oiapoque
Por volta de 1977, seu Joca chegou com sua embarcação no município de Oiapoque, com intuito de comercializar seus produtos naquela pacata região. “Quem via Oiapoque naquela época, não acreditaria se dissesse que tinha pouco mais do que 20 ou 30 famílias por ali espalhadas. Lembro que havia quatro ruas para as pessoas andarem, e nem essa BR (a rodovia BR-156) se via tanto como hoje falam”, relembra o aposentado, “Era um lugar sem muito movimento como hoje falam em atravessar para a Guiana. As pessoas que vinham do lado de lá (Guiana) eram bem raros, se comparado ao número que ia daqui”. 

Como jovem comerciante na fronteira do Brasil, seu Joca também não hesitou em querer atravessar o Rio Oiapoque para se aventurar do lado francês, onde ali formou diversas amizades. “Há quem diga que os franceses são muito mal-humorados, mas todos os franceses com quem fiz amizade sempre mantive uma boa amizade. Havia comerciantes de Caiena que me convidavam pra morar pra lá, mas não achava ainda uma região promissora como hoje muitos querem ir”, disse seu Joca, que abriu mão de diversos convites feitos por amigos franceses para montar seu negócio naquela república, mas preferindo apenas conhecê-la amistosamente. 

Entrada da fazenda "Jonestown"
A Cidade Prometida de Jim Jones
Durante suas constantes travessias para o lado francês, seu Joca contou ter conhecido pessoas que falavam da existência de uma comunidade religiosa, numa fazenda que fazia quase fronteira com o Suriname, onde ali alegavam preparar as pessoas para um grande “Encontro Divino” que aconteceria muito em breve. “Vendia produtos para alguns comerciantes que falavam de uma vila onde moravam somente pessoas que tinham interesse de fugir dos problemas da cidade grande, e que ali seria um tipo de refúgio para essas pessoas. Haviam até brasileiros interessados em conhecer esse lugar”, disse. 

Em certa ocasião, o aposentado (na época já um jovem e respeitado comerciante) recebeu um convite de outro comerciante francês para deixar algumas mercadorias na tão comentada fazenda religiosa. “Um senhor chamado Pierry que tinha um armazém no Platô das guianas me convidou pra deixar alguns mantimentos comprados pelo dono daquela fazenda e havia pedido para deixar essas compras lá na fazenda”. O que seu Joca não imaginava era que o dono daquela fazenda era o ex-pastor norte-americano Jim Jones, que, segundo seu Joca, era um homem de poucas palavras. 

Aspecto interno da fazenda também denominada de
"Templo do Povo", mantida por Jim Jones
“Lembro que foi duas semanas antes de acontecer aquela tragédia na região que fomos deixar as compras na fazenda. Era uma área que ficava bem isolada de qualquer lugar, seguia-se numa estrada de chão por quase uma hora pra chegar lá. Quando chegamos, havia dois homens armados no portão de entrada que nos perguntou do que tratava e falamos sobre as mercadorias compradas para aquela fazenda, foi aí que liberaram nossa rápida entrada no local”, contou seu Joca que descreve o cenário precário que viria dias antes ao fatídico dia. “O que ainda cheguei a ver foi duas tendas grandes que foram construídas e ali estavam cheias de redes, com certeza muitas pessoas dormiam bem apertadas naquele espaço. Outra coisa que vi muito rápido foi a quantidade de crianças que tinha no local, eram muitas que andavam chorando”. 

Cadáveres de "suicídas" na fazenda de Jim Jones
A tragédia
Seu Joca conta que dias após terem deixado as mercadorias na fazenda, chegou a notícia da tragédia quando retornava para o Oiapoque. “Lembro que era uma tarde de domingo quando o rádio falava sobre pessoas mortas numa fazenda da Guiana, mas ainda não sabiam o número exato de mortos. Foi somente no outro dia que o Exército chegou ao local e confirmou mais de 900 pessoas que tinham se matado”. 

Pelo relato registrado na imprensa, o aposentado acredita que haviam brasileiros entre os mortos. “Houve uma quantidade muito grande de pessoas que não souberam identificar, tenho certeza que tinham brasileiros nesse meio, até pessoas daqui do lado do Amapá. Não podiam chegar ninguém na fazenda, mas o que chegou ao conhecimento das cidades próximas é que muitos estrangeiros estavam no meio dos mortos”, relatou o aposentado, que retornou ainda em 1978 para o Amapá, seguindo diretamente para Calçoene. 

Perfil do líder da seita
Um fato revelador foi dito por seu Joca após mais de 35 anos que esse triste episódio aconteceu. “Quando a gente deixava as mercadorias na fazenda, um desses seguranças do dono da fazenda chamou ele (o Jim Jones) para acompanhar o desembarque do material. Quando ele chegou até nós, procurou ser bastante educado, e ainda nos convidou pra ficar e dormir na fazenda, mas dissemos que estávamos com um pouco de pressa. Ainda cheguei a cumprimenta-lo (pegou nas mãos de Jim Jones).” 

Seu Joca conta ter pressentido uma situação nada boa que viria a acontecer dias depois naquela fazenda, que entraria para os anais da nossa história: o dia seria 18 de novembro de 1978, quando o líder da comunidade, Jim Jones, revoltado com as futuras decisões que seriam tomadas pelo governo norte-americano em acabar com seu "Templo do Povo", levou seus seguidores a tomarem um suco contendo cianeto (e outras composições químicas), resultando num saldo superior a 900 pessoas mortas, somando entre homens, mulheres, idosos e quase 200 crianças. 

Em visita na casa de um de seus três filhos no município de Santana (AP), seu Joca concedeu essa entrevista exclusiva ao blog. Atualmente está aposentado por invalidez (há pouco mais de sete anos) após um acidente de trabalho, quando exercia a função de carpinteiro, recebendo um salário mínimo mensalmente. Ainda reside na vila histórica de Cunani, acompanhado de um filho adotivo.

Amapá receberá o transatlântico Prinsendam, de bandeira holandesa

A Secretaria de Estado do Turismo (Setur) confirmou para esta quinta-feira, 05/12, a visita de mais um transatlântico ao Amapá. O navio MS Prinsendam atracará às 7h no porto organizado da Companhia Docas de Santana (CDSA). O transatlântico de bandeira holandesa está com procedência de Devil's Island, na Guiana Francesa, e chegará com aproximadamente 1.000 passageiros e 300 tripulantes a bordo. 

Para recepcionar os turistas, o Governo do Estado em parceria com a Prefeitura de Macapá e iniciativa privada atuaram no planejamento de ações de modo a garantir o bem-estar e a segurança dos visitantes. 

Navio é procedente de Devil’s Island, na Guiana Francesa, e chegará com aproximadamente 1.000 passageiros e 300 tripulantes a bordo. Esta é a terceira vez que o navio chega ao Amapá. Na região, os turistas terão a oportunidade de visitar os pontos históricos do Estado como a Fortaleza São José de Macapá, Monumento Marco Zero do Equador e o Museu Sacaca. Sem deixar de apreciar o artesanato local, muito procurado entre os visitantes que chegam ao Amapá, por isso a Casa do Artesão também estará aberta para recepcioná-los. 

O secretário de Estado do Turismo, Richard Madureira, garante que o governo tem criado condições para que os empresários amapaenses se preparem e possam investir com segurança no que refere ao potencial turístico do Amapá, pois cada visita representa aumento e fortalecimento econômico nos setores de alimentação, hospedagem e turismo. "Já está comprovado estatisticamente que a atividade turística é uma das soluções para o desenvolvimento da Amazônia, a sustentabilidade, geração de emprego e renda na região", acrescentou o gestor. 

O navio MS Prinsendam partirá às 17h do mesmo dia, com destino às regiões de Santarém, Boca da Valéria, Manaus, Parintins e, por último, Alter do Chão. 

Por Andreza Sanches (Setur)

Robson Rocha comemora aniversário lançando obra

O prefeito Robson Rocha, de Santana, comemora seu aniversário hoje (02/12), com uma obra grandiosa com investimento superior aos R$ 2 milhões, gerando oportunidade de emprego aos jovens santanenses. A praça em frente ao Fórum, que futuramente terá um nome escolhido pela população, será uma das maiores e mais bonitas do Estado, com vários equipamentos e espaços reservados para a difusão e valorização da cultura local. 

A obra contempla um amplo palco coberto e um anfiteatro. O primeiro terá dois pavimentos com camarim e elevador para cadeirantes, além de cobertura em estrutura metálica. O segundo será para apresentações ao ar livre, onde os expectadores ficarão acomodados em arquibancada. 

Em quatro meses de execução, os serviços já avançaram em mais de 25%. Segundo o fiscal da obra, engenheiro Marcos Coutinho, da Secretaria de Estado da Infraestrutura, os trabalhos estão dentro do cronograma. “O que leva mais tempo são as edificações como bares, lanchonetes e quiosques, mas, após esse trabalho, o restante e executado mais rápido”, explicou. 

As estruturas dos dois restaurantes e do quiosque já foram erguidas, agora o trabalho está nas paredes, que logo serão rebocadas para, em seguida, receberem a cobertura.

Faculdade de Medicina poderá ser implantada no município de Santana

O Hospital São Camilo e São Luís, em Macapá, recebeu a ilustre presença do Padre Leo Pessini, (Presidente das Entidades Camilianas do Brasil) que veio com a proposta de abrir a primeira faculdade de medicina do hospital no Amapá. O projeto previsto para ser aprovado em dezembro deste ano, foi realizado através de um levantamento sobre a necessidade de formar futuros profissionais na área. 

De acordo com o padre, serão oferecidas em torno de 50 vagas na primeira turma, destas também estarão sendo disponibilizadas algumas bolsas para estudantes que desejam pleitear uma vaga e não tem como manter os custos com o curso. A implantação da primeira turma fará parte de uma parceria entre o São Camilo e Prefeitura de Santana, na intenção de subsidiar a estrutura para as aulas bem como, o corpo docente, trazendo profissionais altamente qualificados. “O curso de medicina requer um investimento para proporcionar qualidade aos estudantes, que no futuro irão se tornar excelentes profissionais” afirmou o padre. 

A direção do Hospital acredita que além das bolsas ofertadas no Programa Universidade para Todos (ProUni), do Ministério da Educação (MEC), os estudantes irão reduzir bastante os gastos. “o curso sairá bem mais em conta, pelo fato do aluno poder estudar próximo a sua moradia, assim ele não terá que se preocupar com hospedagem e outros fatores adversos como a distância da família”. Ressaltou o diretor administrativo do São Camilo, Manfredo Lins. A previsão é que em dezembro, seja divulgado pelo MEC o resultado para execução ou não do projeto da Faculdade. Se o Município de Santana for habilitado, o curso de medicina deve ser implantado em menos de um ano.

‘Novo Amapá’: Peça teatral lembra 39 anos do naufrágio com poesia e homenagens

Os 39 anos do maior naufrágio do estado serão lembrados com poesia e homenagens no espetáculo "Novo Amapá", que acontece no sá...