terça-feira, 31 de março de 2015

“Zamin quer sair sem pagar seus trabalhadores”

Trabalhadores já fizeram várias paralisações
A afirmação partiu do advogado Célio Rodrigues, que esta semana assumiu a causa trabalhista de 09 ex-funcionários da Z Mineração (mais conhecida como Zamin), que ainda mantém sua estrutura técnica e administrativa no Amapá, localizada no município de Santana. 

Segundo o advogado, são quase 700 trabalhadores que estão sendo prejudicados pelo atraso de salários e vários benefícios determinados no acordo de trabalho. 

“Tem trabalhadores que estão até há quatro meses sem receber, e foram dispensados pela empresa alegando contenção de gastos, o que é judicialmente proibido por lei. Já aguardaram o prazo previsto pela CLT e nada foi cumprido. A alternativa é levar a situação para a esfera judicial”, explicou Célio Rodrigues, que ainda chegou a marcar duas reuniões de acordo extra-judicial com a diretoria da mineradora, como forma de evitar transtornos entre as partes, mas nada pôde ser resolvido. 

“Agendamos duas tentativas de efetuar um acordo sem precisar levar ao conhecimento da justiça, mas eles são irredutíveis, alegando sempre a mesma situação, de que a empresa está passando por uma crise momentânea, e sem previsão para normalizar seus fornecedores. Isso é inaceitável”, lamentou o advogado. 

Além de estarem há mais de três meses sem receber, a empresa com inúmeras dívidas acumuladas, entre seus fornecedores e outros recolhimentos tributários, assim descrito por Célio Rodrigues, que efetuou uma consulta eletrônica em vários órgãos estaduais e federais. 

Mineradora faturou R$ 216 milhões entre 2013/2014
“Ela (a Zamin) não está pagando nenhum fornecedor, assim como também vem falhando no recolhimento do FGTS, do INSS dos trabalhadores, além de tributos como ICMS e ISSQN. Não sei como as autoridades ainda não tomaram uma providência em cima dessa lamentável situação que já chegaram”, alertou o advogado. 

Paralisações
Várias manifestações cobrando pelos salários atrasados já foram feitos em frente ao escritório da mineradora em Santana, onde, segundo seus organizadores, acabam sempre com uma “negociação de promessa” da diretoria, que alega normalizar a situação em prazos nunca cumpridos. 

Na manhã de hoje (31/03), ocorreu a mais recente paralisação, onde cerca de 60% dos trabalhadores estiveram em frente ao portão da mineradora, em Santana, cobrando uma explicação convincente sobre os salários e benefícios atrasados. Porém, nenhuma nota foi emitida pela empresa até às 16 horas de hoje. 

Bens Bloqueados
Para garantir o pagamento das compensações trabalhistas, multas, demais encargos e pelo impacto ambiental causado pela poluição de cursos d’água, o Ministério Público do Amapá pediu no final de semana passado o bloqueio dos bens do maior acionista da mineradora Zamin no Amapá: o indiano Pramod Agarwal. 

Pramod está com bens bloqueados pela Justiça
De acordo com o MP/AP, Pramod também está sendo processado pela Cazaque ENRC por não pagamento de empréstimo institucional para aquisição de um porto privado no sul do país. 

O advogado trabalhista Célio Rodrigues adquiriu uma Planilha de valores, fornecida pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, onde demonstra que a mineradora Zamin teria faturado mais de R$ 216 milhões com a exportação de minério entre os anos de 2013 e 2014. 

“Isso já prova claramente não haver uma desculpa para o não pagamento dos salários de seus trabalhadores e fornecedores”, finalizou Célio. 

O blog tentou contato com assessoria de comunicação da mineradora em Santana, para buscar informações sobre a questão salarial dos trabalhadores, mas não houve êxito.

segunda-feira, 30 de março de 2015

Homem mata sobrinho de 16 anos após discussão em Santana

Um homem denominado de Nelson Rodrigues da Silva Junior, 30 anos, foi preso na madrugada desta segunda-feira (30/03). Segundo a polícia, ele confessou ter matado o sobrinho Rafael da Silva Tavares, de 16 anos a facadas. O crime teria ocorrido após uma discussão entre os dois, que consumiam bebida alcoólica na casa de um familiar, durante uma confraternização na Avenida Francisco de Melo Parente, no bairro Remédios I. 

A polícia informou que o suspeito contou que teria desferido dois golpes de faca no sobrinho, porque ele havia tentado agredi-lo durante o tal evento. A vítima não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local do crime. 

Policiais militares do 4º Batalhão de Polícia Militar fizeram a prisão do homem, que teria tentado fugir do local. Ele foi encaminhado para a delegacia do município. O corpo da vítima foi removida pela Polícia Técnico-Científica (Politec).

Vara da Infância e Juventude de Santana intensifica campanha educacional

Juiza Larissa Noronha
A Vara da Infância e Juventude e o Comissariado de Santana vem realizando uma intensa campanha para orientar e conscientizar a população sobre os prejuízos que podem advir do consumo de álcool por crianças e adolescentes, bem como alertar para a responsabilidade penal dos pais e dos comerciantes, produtores de eventos, donos de supermercados e pequenos comércios. 

A juíza titular da Vara, Larissa Noronha, explicou que a intensificação dos trabalhos tem como foco orientar e conscientizar a população sobre a nova lei já em vigor deste o último dia 17.03.2015. 

A Lei 13.106/2015 altera dispositivos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e estabelece pena de até quatro anos de prisão para quem vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar bebida alcoólica ou outros produtos que possam causar dependência psíquica para crianças ou adolescentes. A multa pelo descumprimento varia de R$3 mil a R$ 10 mil, além da possibilidade de fechamento do estabelecimento comercial até pagamento da multa. 

Antes da alteração legislativa, esse tipo de oferta a crianças e adolescentes era considerada apenas uma contravenção, prevista no Artigo 63. Do Decreto-Lei 3.688/41 (Lei das Contravenções Penais), restando aos infratores pena que não passava de um ano, geralmente convertida em multa. 

Fiscalização é intensa em Santana
Para a magistrada a legislação deve ser observada por todos, visando coibir o consumo de bebidas. Neste aspecto, incluem-se comerciantes, produtores de eventos, grandes redes de supermercado atacadista e varejistas, bem como os pais e responsáveis. 

A Lei não exime nem mesmo os pais ou responsáveis que oferecem a bebida aos jovens. A campanha da Vara da Infância e Juventude e Comissariado de Santana vem ao encontro de dados divulgados por pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística- IBGE. 

De acordo com as pesquisas as formas de obtenção de bebidas alcoólicas por jovens são em festa (39,7%), com amigos (21,8%), em mercado, loja, bar ou supermercado (15,6%) ou na própria casa (10,2%).

Após 60 anos, trens do Amapá estão atualmente parados

Trem do Amapá já viveu seu "período de ouro"
Até pouco mais de dois meses era possível escutar o som ensurdecedor do apito de saída e chegada de alguma locomotiva que percorria os quase 200km de estrada de ferro (ferrovia) que deixa a estação do município de Santana com destino à Serra do Navio, tendo tempo de desembarcar passageiros em outras duas cidades amapaenses: Porto Grande e Pedra Branca do Amaparí. 

No início, a viagem ferroviária chegava a durar até 10hs, mas com o passar do tempo, foi se tornando mais rápido sua chegada à cidade serrana. 

“Quando o trem começou a levar as primeiras pessoas (aquelas que moravam nas imediações do limite ferroviário), a diretoria da ICOMI deixou bem claro que não aceitaria qualquer bagunça na parte interna dos vagões, se não o infrator desceria lá mesmo”, comentou o professor de História Anselmo Ferreira, hoje com 47 anos, nascido em Porto Grande, na qual acompanhou durante toda sua vida o trajeto memorável que os trens da extinta mineradora ICOMI (Indústria e Comércio de Minérios Ltda) realizavam diariamente, carregando milhares de toneladas de minério de manganês para o Porto de Santana, e auxiliando na integração de comunidades isoladas do então Território Federal do Amapá. 

“Meu pai chegou no Amapá em 1952, contratado pelo mineradora ainda em Belém (PA), onde precisavam com urgência de um montador. Como ele já havia trabalhado na construção de vários edifícios na capital paraense, achou a proposta muito valiosa e decidiu arriscar, vindo parar aqui no Amapá”, lembrou Anselmo, que comentou sobre o testemunho que o pai viveu no ano de 1955, quando assistiu a chegada das primeiras locomotivas que seriam usadas na região. 

“A empresa (ICOMI) informou com antecipação para os operários que estavam lotados na construção do porto de minérios em Santana e em Serra do Navio de que chegaria um maquinário muito importante naquela fase de implantação da empresa aqui no Amapá. Mas eles não disseram que se tratava de três grandes locomotivas. Somente quando o cargueiro americano se aproximou do canteiro da ICOMI foi que a ficha caiu para os operários, que se debruçaram com todas as forças para desembarcar essas locomotivas. Aquele foi um momento pra eles (os operários) guardarem pro resto da vida”, detalhou com emoção o professor Anselmo. 

1955: Desembarque das locomotivas no Amapá
A chegada internacional
No dia 11 de março de 1955, três locomotivas fabricadas pela multinacional General Motors (GM), deixariam o Porto suburbano de Letron, em Nova Yorque (EUA). A partida seria assistida pelo Dr. Augusto Trajano Antunes (diretor-presidente da ICOMI), Mr. HUmmel (US Sttel) e Sr. Lerry James (representante da General Motors-GM, empresa que fabricou as 03 primeiras locomotivas que foram vendidas para a ICOMI, em contrato firmado em 1954). 

Essas locomotivas eram tipo diesel-elétricas SW de 1200HP, projetadas por engenheiros-ferroviários da Electro-Motive Division, setor vinculado à multinacional G.M. 

Trazidas para o Brasil no cargueiro norte-americano Mormacwan, da frota Moore Mc Cormack, atracou no canteiro de obras do Porto da ICOMI, em Santana, no final da tarde do dia 30 de março de 1955, onde mais de 40 homens tiveram que usar da força braçal e de alguns guinchos inconfiáveis para içá-los. (Detalhes da chegada) 

As históricas viagens
Inicialmente, essas locomotivas ficaram servindo apenas para o transporte de materiais internos da mineradora ICOMI entre os anos de 1955 e 1956. Com o início da exportação mineral (em 1957), ficou estabelecido os primeiros horários semanais de viagens entre Santana e Serra do Navio para os colonos que residiam nas imediações na ferrovia. 

A partir de 1960, os trens já estariam na chamada “rota de acesso opcional”, ou seja, surgiriam novas estações durante o trajeto Santana-Serra do Navio, para aqueles que quisessem se deslocar para localidades agrícolas como Porto Grande, Campo Verde, Porto Platon, Colônia do Matapí, Cupixi, Cachorrinho, Água Branca e Pedra Branca, se tornando até mesmo um suporte na comercialização de produtos oferecidos por colonos residentes nessas regiões, engrandecendo consideravelmente no desenvolvimento sustentável de centenas de famílias interioranas. 

Trem levou autoridades nacionais e internacionais
E junto com esses benefícios regionais, viria sua popularidade a nível nacional. Seria de praxe que as constantes visitas oficiais de importantes personalidades do âmbito nacional ao Amapá tivessem na agenda um memorável passeio de trem no percurso do Porto de Santana até a Vila operária de Serra do Navio. 

Foram 05 Presidentes da República, mais de 80 chefes ministeriais, cerca de 60 embaixadores e diplomatas de inúmeros países, assim como centenas de autoridades da política, da cultura, da religião e da sociedade civil organizada, que se deslumbraram com as belas paisagens interioranas vistas durante essas viagens ferroviárias. 

Não se tem um número preciso de passageiros que tenham viajado nessas mais de seis décadas, porém, estima-se que mais de 600 pessoas utilizavam semanalmente a linha férrea para condução ao trabalho ou como transporte comercial. 

Suas Concessões
Do auge do seu tempo de vida, quando transportava minérios de manganês para serem levados para diversos continentes, viriam seus primeiros problemas, tanto técnico como administrativo. 

Ferrovia já teve três concessões particulares
Em meados da década de 1980 foram registrados os primeiros casos de descarrilamentos ferroviários, quando vagões saíram acidentalmente da linha férrea, causando grandes preocupações por parte de sua concessora (a ICOMI), que ainda testemunharia outros 07 (sete) descarrilamentos até o final de seu contrato de exploração mineral com o Amapá em 2003. 

Em março de 2006, a empresa MMX (do então empresário bilionário Eike Batista) formalizaria um contrato de concessão com o Governo do Amapá, assumindo a ferrovia amapaense pelo prazo de 20 anos, o que acabou não se cumprindo. 

Em agosto de 2008, um contrato de venda firmado entre a MMX e a Anglo Ferrous entregaria a Estrada de Ferro do Amapá para um novo grupo estrangeiro, se mantendo responsável técnico e operacional da ferrovia até novembro de 2013, quando novamente ela teria um novo concessor: atualmente estando a cargo da empresa Zamin Ferrous. 

Triste situação
Para um sistema ferroviário que detém de centenas de histórias de vidas transportadas em seus vagões, sua atual situação não vem sendo visto pelas autoridades competentes. 

Em janeiro deste ano (2015), a empresa Zamin iniciou um processo de contenção de gastos administrativos e financeiros em quadro, onde incluía a tabela semanal de viagens que os trens faziam entre as cidades de Santana e Serra do Navio. 

Ferrovia do Amapá está atualmente sem funcionar
O fato não agradou as dezenas de trabalhadores colonos que residem nas imediações da ferrovia, que utilizavam deste meio para o transporte de seus produtos agrícolas. 

Em sua justificativa, a empresa alegou que estava efetuando manutenção na ferrovia, e que tais serviços seriam concluídos em menos de 60 dias. No entanto, a situação se prolongou com o período chuvoso, afetando ainda mais seus usuários que hoje somam prejuízos incalculáveis. 

No início deste mês, o Governo do Amapá anunciou o interesse de intervir na atual concessão da Estrada de Ferro do Amapá, com intuito de assumir parte da situação técnica como forma de amenizar a triste situação de uma das mais antigas ferrovias do Brasil.

sábado, 28 de março de 2015

Autismo será debatido em sessão legislativa em Santana

Alunos do GPC/AP fazem símbolo do autismo
No próximo dia 02 de abril será comemorado o Dia Mundial de Conscientização do Autismo. Para marcar a data, na próxima terça-feira (31/03), às 19:00hs, será realizada uma sessão solene na Câmara de Vereadores de Santana, que terá como tema o “Autismo” em nossa sociedade. 

Em parceria com várias instituições de ensino pública e particular de Santana, o evento também contará com a presença de secretários municipais e estaduais, assim como a comunidade em geral, na qual serão debatidas as questões sociais relacionadas aos portadores de autismo. 

Na ocasião, serão tratadas das necessidades de políticas públicas mais voltadas para a classe especial, assim como a questão da aplicação das leis municipais e estaduais que tratam das condições e prioridades que favoreçam os autistas. 

Campanha Nacional
Conceito de Autismo
O autismo, também chamado de Transtorno do Espectro Autista, é um Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD) que tem influência genética e é causado por defeitos em partes do cérebro, como o cerebelo, por exemplo. 

Caracteriza-se por dificuldades significativas na comunicação e na interação social, além de alterações de comportamento, expressas principalmente na repetição de movimentos, como balançar o corpo, rodar uma caneta, apegar-se a objetos ou enfileirá-los de maneira estereotipada. Todas essas alterações costumam aparecer antes mesmo dos 03 anos de idade, em sua maioria, em crianças do sexo masculino. 

E para abraçar essa causa, que em sua maioria caracteriza-se em meninos, a campanha utiliza símbolos de cor azul.

Comissariado da Infância notifica estabelecimentos de diversão noturna na Ilha de Santana

Comissariado notifica locais na Ilha de Santana
Estabelecimentos de lazer noturno do tipo danceterias, bares e congêneres, insistem em descumprir a Portaria nº 053/2014-VIJS. A constatação está no balanço das fiscalizações realizadas na Ilha de Santana, no período de 07 a 22 de março de 2015, pelo Comissariado da Vara da Infância e Juventude. 

De acordo com o coordenador do comissariado, Lauro Paula da Luz, as ações fiscalizadoras são sempre de caráter preventivo, na maioria das vezes com a distribuição de folderes e cartazes com informes educativos, de advertência e proibitivos voltados ao público infanto-juvenil da Ilha. 

Contudo, quando a fiscalização constata o pouco caso, não resta dúvida que a notificação é o remédio necessário para fazer cumprir lei, ressalta Lauro da Luz. 

Pelo menos seis notificações contra o abuso foram expedidas. Durante as ações do Comissariado, muitas crianças e adolescentes foram encontrados consumindo bebida alcoólica em locais e horários proibidos, com a anuência dos proprietários dos recintos. 

O regulamento dos arts. 7º e 8º da Portaria nº 053/2014 orienta ao dono do local à obrigação e à responsabilidade de fixar em local de fácil visibilidade, informação destacada sobre a natureza do evento, diversão ou espetáculo, bem como a faixa etária para o ingresso e permanência de menores de 18 anos. 

O balanço orienta que as fiscalizações na Ilha de Santana serão intensificadas, sempre com apoio do 4º Batalhão de Polícia Militar, Conselho Tutelar e órgãos ligados à segurança pública do município.

Estudante é perseguido e assassinado na área interna de escola

Estudante assassinado na área interna de escola
O estudante Bento Leite Neto, de 17 anos, foi assassinado dentro da Escola Estadual “Professora Elizabeth Picanço”, no Bairro Hospitalidade, em Santana. O estudante estava sendo perseguido por dois homens armados e foi encurralado na parte de trás do colégio. A vítima levou um tiro no coração e morreu ainda no local. 

Segundo testemunhas, por volta das 21 horas de ontem (27), Bento Neto (como é conhecido), conversava com amigos na frente da escola quando um carro branco modelo Fox parou e do veículo desceram dois homens portando armas. Os colegas fugiram, e Bento correu para os fundos da escola onde foi alcançado. Bento não estava armado. 

Frente da escola onde ocorreu o crime
A vítima morava com a família na Avenida Princesa Isabel, no mesmo bairro. Parentes disseram que desconhecem o motivo do assassinato. Até as primeiras horas da tarde deste sábado (28) ninguém havia sido preso. 

Após a remoção do corpo do estudante pelos peritos da Politec, foi registrada a ocorrência do pelos policiais do 4º Batalhão da Polícia Militar de Santana que atenderam o fato, na qual já recolheu as primeiras informações relacionadas ao veículo que conduzia os criminosos, assim algumas características dos supostos autores da ação. Ninguém do corpo diretor da Escola Elizabeth Esteves quis comentar o acontecido.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Pesquisas vão subsidiar petrolíferas para atuação na costa do Amapá

Pesquisadores do Amapá convocados através de chamada pública estão concluindo um levantamento de dados que vai subsidiar as três petrolíferas vencedoras da licitação para estudo e futura exploração dos 14 poços de petróleo identificados na costa do Amapá. Os dados hidrográficos, sociais e de fauna serão usados na elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e do Relatório de Impacto do Meio Ambiente (Rima). O Instituto de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) exige das empresas os documentos para autorizar as perfurações no Atlântico. 

O levantamento está sendo coordenado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Amapá (Fapeap), após a assinatura de um termo de compromisso com as petroleiras BP Energy, Queiroz Galvão e Total, no valor de R$ 267.829,27. Os pesquisadores são do Instituto de Estudos e Pesquisas do Amapá (Iepa) e da Universidade Estadual do Amapá (Ueap). 

Os dados chamados de “primários” e “secundários” foram divididos em seis subprojetos e obtidos através de informações de entidades públicas como o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), universidades públicas e o próprio Ibama. A área de abrangência para a exploração de petróleo atinge seis municípios do estado: Amapá, Calçoene, Itaubal, Macapá, Oiapoque e Santana, além de Chaves e Afuá, no Pará. Todas as localidades estão na bacia da foz do rio Amazonas. 

A diretora-presidente da Fapeap, Mary de Fátima Guedes, reforça que os indicadores levantados pelos pesquisadores locais para as empresas são de caráter informativo, sendo que a elaboração da EIA e do Rima é de responsabilidade das petrolíferas. Ao todo, 20 profissionais, entre biólogos, geógrafos e cientistas, participaram do levantamento. 

“O estudo foi planejado no prazo de 90 dias, sendo que os dados serão apresentados para as empresas. Além do trabalho para esse fim de exploração, o pesquisador apresenta as informações, e já indica e justifica a possibilidade de um novo estudo, dessa vez, de campo, indo aos locais de possível exploração”, explicou Mary, indicando que a nova pesquisa depende de outro termo de cooperação. 

Descoberta de petróleo
Nos dias 14 e 15 de maio de 2013, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) leiloou 14 blocos para exploração de petróleo no litoral do Amapá. O total dos arremates somou R$ 802 milhões, o que representa quase 30% de toda a licitação leiloada pela ANP, que alcançou a cifra de R$ 2,2 bilhões. 

O investimento mínimo obrigatório em pesquisas a serem realizadas pelas empresas no Amapá vai ser de R$ 1,624 bilhão. A Foz do Rio Amazonas estende-se ao longo da costa do Amapá e da Ilha de Marajó (Pará) e tem potencial para descoberta de gás e óleo leve.

3.000 unidades habitacionais serão construídas em Santana

Ocorreu na tarde desta quinta-feira, 26/03, no gabinete da Prefeitura de Santana, a solenidade de assinatura de um Protocolo de intenções entre o Executivo santanense e a Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Domésticas da Região Amazônica (Fetradoram), entidade que abrange os Estados do Amapá, Amazonas e Pará. 

O protocolo assinado destina-se a estabelecer estratégias conjuntas para a construção de 3.000 unidades habitacionais no município de Santana, por meio do Programa “Minha Casa, Minha Vida”, na modalidade de entidades. 

A referida Federação conseguiu acessar junto ao Governo Federal, a construção de 10 mil casas destinadas à população de baixa renda. Nessa proposta aceita pelo Governo Federal, as unidades habitacionais poderão ser erguidas nos estados do Pará (PA) e Amapá (AP). 

A parceria, que deverá contar ainda com o apoio do Governo do Amapá, priorizará o atendimento de famílias inseridas nas áreas mais afetadas pelas recentes enchentes que afetam o município, que, de acordo com estudos realizados pelo Ministério da Integração Nacional e pela Prefeitura de Santana, por meio da Defesa Civil Municipal, existem atualmente mais de 2.500 unidades habitacionais situadas no perímetro urbano de Santana, construídas em áreas sujeitas a risco de alagamento.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Menor de 14 anos faz parte de quadrilha presa em Santana

Na noite de ontem (25/03), um menor de 14 anos foi apreendido por uma guarnição do 4º Batalhão da Polícia Militar de Santana, comandada pelo tenente Pompeu. O menor infrator participava de uma quadrilha, que comercializava entorpecentes no município de Santana, próximo ao Igarapé da Fortaleza. Além do jovem, sete pessoas foram capturadas, entre elas outros dois menores de idade. 

Foram presos, Alan Brasil Pinheiro, de 28 anos, Luiz Carlos Cavalcante, de 26 anos, Oslei Silva dos Santos, de 19 anos, Graciane Pantoja Dias, de 19 anos e Cristiane Ribeiro de Souza, de 18 anos. Foram apreendidos três os menores das iniciais, J.R.D.B, de 16 anos, M.D.S.F, de 17 anos e G.L.C, de 14 anos. 

Segundo a PM, Luiz Carlos Cavalcante já havia sido preso recentemente por tentativa de homicídio e tráfico de drogas. Com a quadrilha, os policiais apreenderam cerca de 50 gramas de maconha, três aparelhos celulares e 100 reais em dinheiro. O material e os envolvidos foram apresentados na Central de Flagrantes de Santana.

Judiciário do Amapá realiza mais uma etapa do programa de palestras com os bolsistas

O encontro com os bolsistas do Tribunal de Justiça, Fórum de Macapá e Fórum de Santana foi organizado pelo Departamento de Gestão de Pessoas em parceria com o Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE). A reunião ocorreu no auditório do anexo do Fórum Desembargador Leal de Mira. 

Na abertura do evento, o Corregedor-Geral de Justiça, Desembargador Carmo Antônio de Souza, adiantou que o programa de Bolsas do Poder Judiciário ganhará uma nova roupagem durante a gestão da desembargadora Sueli Pini. 

O magistrado também destacou que o principal objetivo do programa é repassar fundamentos e princípios de cidadania aos bolsistas, fato esse que ratifica a importância que o Judiciário tem no sentido de modificar as perspectivas econômicas, sociais e políticas de quem participa do projeto. 

Com o mesmo intuito, a Diretora do Fórum da Comarca de Macapá, juíza Alaíde Maria de Paula, fez um pronunciamento de cunho reflexivo aos adolescentes, onde ela pontuou as conseqüências geradas pelas escolhas que fazemos diariamente. 

Em seguida, o “Projeto Encontrar, Contar e Encantar”, por meio da “Contadora de Histórias”, Ângela Maria Oliveira de Carvalho, deu prosseguimento ao evento contando histórias de caráter educativo para a plateia. 

Posteriormente, a professora Gisele Maria Madureira Nascimento deu início à palestra “Ética no Trabalho”. 

Durante a palestra, foram repassados diversos conceitos sobre moral e ética para os bolsistas, que puderam adquirir uma gama de conhecimentos acerca do assunto. “Iniciativas como essa são imprescindíveis para auxiliar jovens que ainda estão em processo de formação de personalidade”, destacou Gisele Maria. 

O Diretor, em exercício, do Departamento de Gestão de Pessoas (DEGESP), José Machado, disse que o programa de bolsas do TJAP não visa somente obter mão de obra para as unidades judiciais, mas que também procura repassar ensinamentos e princípios de cidadania aos jovens para possibilitar que eles utilizem esses conhecimentos na vida profissional ou até mesmo na vida pessoal.

Cinco escolas estaduais de Santana continuam sem professores

Escolas de Santana estão sem professores
O ano letivo na rede estadual de ensino começou no último dia 09 de março para as mais de 400 escolas estaduais espalhadas pelo Amapá. No entanto, o quadro de ensino técnico e pedagógico de diversas instituições de ensino ainda não foi totalmente preenchido em várias escolas dos 16 municípios amapaenses. 

Na segunda maior cidade do Estado (Santana), é possível constatar que centenas de estudantes de pelo menos seis escolas estaduais estão sendo dispensados em horários mais adiantados que o previsto pelo calendário letivo, tudo em razão da falta de professores para lecionarem algumas disciplinas específicas como Língua Portuguesa, Matemática e História. 

Na Escola Estadual Fonte Nova (no bairro de mesmo nome), os estudantes do 6° e 7° ano estão sem professores para lecionarem a disciplina de Matemática, o que já vem causando reclamação por parte de estudantes que já estimam ter que repor essas aulas posteriormente. 

“Já está terminando o mês de março e ainda não apareceu nenhum professor de Matemática. Com certeza vamos ter que pagar essas aulas em dias que não teriam necessidade. Isso é errado não providenciarem um professor para assumir logo essa área”, reclamou a estudante Larissa Fernandes, do 7° ano da referida escola. 

A diretora da instituição Helena Colares informou que já solicitou da Secretaria de Estado da Educação (Seed) a contratação de mais professores para a escola, mas que ainda aguarda pela imediata apresentação desses educadores. 

“Como está havendo a seleção de inúmeros professores pela Seed, já solicitamos com urgência a apresentação de mais novos professores, mas até o momento a Secretaria (Educação) ainda não selecionou pessoas aptas para cá”, explicou Helena Colares. 

Em situação idêntica está a Escola Estadual Rodoval Borges (também no bairro Fonte Nova), onde faltam três professores para o ensino de 5° e 6° ano, assim como nas escolas Izanete dos Santos, Barroso Tostes e Ribamar Pestana. 

O blog tentou contato (via celular) com a chefia de gabinete da Secretaria de Estado da Educação (Seed) para buscar maiores esclarecimentos sobre a situação, porém, na houve êxito.

quarta-feira, 25 de março de 2015

Mais de 15 mil estudantes ainda não compareceram para recadastramento no Setap

Recadastramento encerra no dia 31 de março
O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amapá (Setap) está preocupado com a baixa procura pelo benefício da meia-passagem. Faltando pouco mais de uma semana para o término do cadastramento, dos 55 mil estudantes aguardados, ainda falta cerca de 15 mil. 

Na Subprefeitura e no Amapá Garden, em alguns horários, os postos ficam praticamente desertos. A preocupação do Setap é que mais uma vez os estudantes deixarão para última hora e devem haver filas e tumultos na reta final do cadastramento. 

Para dar maior oportunidade, os postos de cadastramento funcionarão neste sábado. Na Subprefeitura, o atendimento será das 8h às 13h. No Amapá Garden, o horário é das 10h às 17h. 

No Shopping Garden, além do cadastro e recadastro, os usuários podem fazer recarga dos cartões e adquirir o cartão cidadão (um serviço criado pelo Setap para evitar a circulação de dinheiro em espécie nos coletivos), serviços adicionais que começaram a ser oferecidos desde a semana passada. Desde 02 de fevereiro já funciona no empreendimento um posto de recadastramento. A parceira foi formalizada no ano passado e vai garantir o atendimento de estudantes que residem na zona sul, especialmente os milhares acadêmicos da Universidade Federal do Amapá, localizada em frente ao empreendimento. 

Recadastramento
No município de Santana, os estudantes podem ser atendidos com o serviço exclusivo de recadastro no terminal rodoviário do bairro Nova Brasília. O atendimento é das 8h às 18h. Em Macapá, os locais para o cadastramento são: Subprefeitura da Zona Norte e Amapá Garden. 

Os documentos necessários tanto para cadastro quanto recadastro são: declaração escolar ou comprovante de matrícula assinada pelo diretor da unidade (original), RG ou Certidão de Nascimento (cópia) e comprovante de residência (cópia). As certidões de matrículas eletrônicas, como as que são expedidas pela Unifap, só terão validade após a autenticação no site da instituição. 

Caso o aluno tenha perdido a carteira e deseje pedir uma segunda via, deve fazer um boletim de ocorrência da perda e levar junto com os demais documentos. 

Setap: Procura por meia-passagem têm sido baixa
O aluno que teve o cartão retido pelo Setap por uso indevido deverá se deslocar até a sede do Setap para fazer o resgate do documento, pagando uma taxa de R$ 31,50. 

O estudante poderá obter o formulário de cadastro e recadastro nos postos de atendimento ou pelo site http://www.vtsetap.com.br. Após preencher o cadastro, quem não se regularizou terá o cartão bloqueado. 

Não há necessidade de cadastro para alunos com menos de 07 anos. Para este público, é garantida a gratuidade, desde que esteja acompanhado de um adulto. 

Mais informações e agendamento de entrevistas sobre o tema com: Artur Sotão (Gestor do Sistema de Bilhetagem) 91250990

terça-feira, 24 de março de 2015

Central de Mediação do Fórum de Santana participa de encontro com moradores da Ilha de Santana

Reunião com moradores da Ilha de Santana
A Central de Mediação, Conciliação e Práticas Restaurativas de Santana realizou encontro na Escola Estadual Osvaldina Ferreira da Silva, na Ilha de Santana. A reunião contribuiu para levantar as situações críticas na localidade e diagnosticar os problemas que serão apresentados aos órgãos competentes. 

O atendimento partiu de solicitação do comandante do 4º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Aldinei Almeida, diante dos graves problemas e do sentimento de abandono que a comunidade da Ilha está a enfrentar dia após dia. 

“Em grande encontro, a população nos sinalizou situações, consideradas emergenciais, afetas às áreas de segurança pública, educação, saúde, infraestrutura, questões culturais e sobretudo, ao desenvolvimento econômico local. Diante do desconforto e inquietação da população, procuramos auxílio de órgãos competentes para, de forma conjunta, encontrarmos alternativas viáveis para esses problemas”, destacou. 

No modelo de círculos restaurativos, formados em três grupos, os integrantes do Núcleo Restaurativo anotaram os problemas pontuados pela comunidade e onde esses afetam nas relações da comunidade. 

A assistente social do Juizado da Violência Doméstica de Santana, Lucineide Santos, falou sobre o evento. “Esse encontro é resultado de um esforço conjunto em busca de solução ante ao clima de insegurança e dos conflitos decorrentes, vividos pelos moradores locais”. 

A promotora de Justiça, Silvia Canela, que gerencia o Núcleo juntamente com a juíza Michelle Farias, do Juizado da Violência Doméstica de Santana, ressaltou a feliz oportunidade de conversar e escutar as lideranças. “O projeto tem essa finalidade: buscar, de forma pacífica, o restabelecimento de relações, onde se discute conjuntamente com os envolvidos, os conflitos e as possibilidades de restabelecer a harmonia”. 

Os resultados serão apresentados e debatidos em grande ação comunitária, na Ilha, durante os dias 06, 07 e 08 de maio com as presenças do Judiciário do Amapá, Ministério Público e demais segmentos do município de Santana e do Estado. 

A Central de Mediação, Conciliação e Práticas Restaurativas de Santana faz parte do projeto “Círculos Restaurativos: Reconstruindo Afetos e Pacificando Relações”, é constituído por integrantes da Justiça do Estado, Ministério Público, órgãos do estaduais e municipais, conselho tutelar e religiosos.

Vara da Infância de Santana retoma a realização de audiências concentradas

Juíza de Santana Larissa Noronha (2ª esquerda)
A Vara da Infância e Juventude de Santana retomou o mutirão de audiências concentradas, em atendimento ao disposto no parágrafo 1ª do art. 19 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A primeira sessão do ano de 2015 foi realizada na Casa de Acolhimento Marcelo Cândia, onde foram apreciados 13 processos. 

A juíza Larissa Noronha, titular da Vara infanto-juvenil santanense e o juiz substituto Antônio José Menezes, com o apoio de promotores de Justiça e defensores públicos, reavaliaram a situação de meninas, menores de 18 anos de idade, inseridas no programa de acolhimento na Casa Marcelo Cândia, vítimas de maus tratos e estupro de vulnerável envolvendo o padrasto ou algum parente da vítima. 

Uma das audiências envolveu uma menor, hoje com 15 anos de idade. Quando tinha apenas 11 anos começou a sofrer abuso sexual pelo padrasto. Segundo a adolescente, desde novembro de 2014, quando conseguiu informar à polícia, encontra-se sob a proteção do Judiciário, no Instituto de acolhimento. 

Na audiência o pai, que mora no km 159 próximo ao município de Pedra Branca do Amapari, compareceu com sua companheira. E a mãe também esteve presente. Na audiência, o pai manifestou desejo da filha ir morar com ele ou com algum parente. Ainda abalada, pairou a incerteza, pois os reflexos da violência ainda são fortes no psicológico da menina. Ela vai permanecer acolhida sob o acompanhamento de profissionais credenciados, até posterior reavaliação. 

A juíza Larissa explica sobre a necessidade de avaliar a permanência no abrigo. “A revisão que fazemos por meio das audiências concentradas objetivam, sobretudo, encontrar opção para escolher outra medida protetiva que pudesse substituir esse acolhimento institucional. E isso implica, fundamentalmente, a participação dos familiares que porventura não tiverem o poder familiar suspenso.” 

A próxima edição das audiências concentradas será no mês de abril, na Casa da Hospitalidade.

Defesa Civil aponta 2.800 casas atingidas por chuvas em Santana

Baixadas foram as mais atingidas pelas chuvas
Apesar do alto índice apontado pela Defesa Civil no município de Santana, os dados ainda podem ser imprecisos, onde as chuvas que caíram no último final de semana atingiram centenas de casas (principalmente situadas em baixadas e áreas palafitas). 

“Constatamos que vários bairros da cidade tiveram ao menos duas ou três baixadas atingidas pelas cheias das chuvas. Acredito que o número estimado de casas atingidas ficaria entre 2.800 a 2.900”, contabilizou o Comandante Almeida, do Corpo de Bombeiros. 

De acordo com a Defesa Civil, os bairros com maior registro de incidência pública de inundações das chuvas são: Paraíso, Provedor, Hospitalidade, Remédios I e II. 

Cerca de 2.800 casas foram atingidas pelas chuvas
Ações Públicas
Com apoio da Prefeitura de Santana (através da Secretaria Municipal de Assistência Social), a Defesa Civil já retirou mais de 20 famílias que sofreram com as inundações, estando alojadas em várias salas de aula da Escola Municipal Amazonas, onde recebem toda assistência necessária. 

“Toda estrutura institucional e material que temos, estamos disponibilizando para dar apoio para essas famílias”, disse o prefeito Robson Rocha, que no final de semana visitou várias baixadas atingidas pelas enchentes, decretando situação de emergência para o município em virtude das enchentes e alagamentos causados pelas chuvas. 

Com aval do chefe do Executivo, foram realizados serviços de retirada de mais de 700 toneladas de entulhos e lixos que estavam nos principais canais da cidade, na qual estavam obstruindo a passagem de águas pluviais, na qual reduziram significativamente o nível das águas que atingiram ruas e avenidas do município. 

Vamos informar à Defesa para obter o ressarcimento de alguns custos, inclusive com maquinário. Alertamos as famílias, mas muitas não atenderam a nossa recomendação e para o mês de abril prevemos um volume mais forte de chuvas, justificou Robson Rocha. 

Com a assinatura do decreto emergencial, a Prefeitura de Santana também já solicitou ajuda do Governo do Estado. O referido decreto municipal terá validade até ocorrer a amenização do período chuvoso que vem atingindo constantemente vários bairros de Santana.

domingo, 22 de março de 2015

Deputado almoça em Hospital de Santana e ouve relatos de irregularidades no local

Dep. Da Lua (paletó preto) almoçando no Hospital
Durante dois dias, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, deputado Pedro da Lua, fez inspeções ao Hospital Estadual de Santana para apurar denúncias recebidas pela CDH de que a comida servida pela empresa terceirizada que atende a unidade de saúde estaria imprópria para o consumo humano. 

A denúncia foi feita por meio de vídeo, postado nas redes sociais, onde profissionais de saúde que atuam no centro cirúrgico do hospital, jogam no lixo marmitas, alegando que a comida exalava mau cheio. Na quinta-feira, 19, feriado de São José, o deputado, acompanhado de técnicos da Assembleia Legislativa, resolveu almoçar no hospital e ouviu relatos surpreendentes. 

A empresa que atende a unidade tem contrato que foi celebrado durante a gestão do secretário de saúde Jardel Nunes. De acordo com funcionários do hospital, ao assumir o fornecimento da alimentação, a empresa desativou a cozinha que funcionava no prédio da unidade e onde eram preparados os alimentos e passou a preparar os alimentos em cozinha própria. O detalhe é que as refeições passaram a ser entregues frias e – em alguns casos – azedas. 

O funcionário Júnior Nery, que atua na UTI, lembra que no ano passado, vários funcionários da Unidade de Tratamento Intensivo passaram mal após jantar as marmitas. 

Roane Sampaio, que atua no Pronto Atendimento, relata que nesta semana, uma criança de cerca de 4 anos, internada por problemas gastro-intestinais e em vias de receber alta, voltou a passar mal após ingerir comida fornecida pelo restaurante. O caso está sendo investigado. 

No Centro Cirúrgico, de onde partiu a denúncia, funcionários contam inúmeros relatos de transtornos ocorridos pela alimentação. Por volta das 12h45 de quinta-feira, 19, o almoço não tinha sido servido na unidade, e alguns funcionários largariam plantão às 13h. Os dois médicos plantonistas, doutores Macedo e Luciano afirmaram não comer no hospital por não confiar na qualidade da alimentação. 

O contrato celebrado entre o governo do estado e a empresa Primo José prevê uma alimentação balanceada e nutritiva. A realidade é bem diferente, dizem os funcionários. Ao invés de um cardápio variado, quase todos os dias o prato servido é frango. “Filé de peixe, que consta no cardápio, nunca foi servido desde que iniciou o contrato”, relata a nutricionista Daiana Almeida. 

Em função do alto valor do contrato, celebrado durante a gestão do PSB, funcionários do hospital sugerem que o valor repassado a empresa seja rateado em vale-alimentação aos servidores. O deputado Pedro da Lua prometeu encaminhar a proposta, em forma de requerimento ao governador Waldez Góes. 

O deputado vai continuar a apuração e já solicitou cópia do contrato. Ele também fará visita a cozinha da empresa e fará propostas de readequação do cardápio, a partir das sugestões dos servidores. “O objetivo não é punir ninguém, mas garantir que aquilo celebrado no contrato seja efetivamente cumprido”, declarou.

Inundações deixa dezenas de pessoas desalojadas em Santana

Canal do bairro Paraíso transbordou
Dez famílias tiveram que deixar suas casas nessa sexta-feira, 20/03, por causa dos alagamentos em bairros no município de Santana. O aumento no nível do rio Amazonas e a forte chuva atingiram principalmente o Provedor, Remédios I e Hospitalidade. 

Segundo a Defesa Civil e Secretaria Municipal de Assistência Social, 44 pessoas foram levadas para abrigos provisórios montados na Escola Municipal Amazonas e na escola Fortaleza (no distrito de mesmo nome). 

A Defesa Civil do município informou que nenhuma família perdeu a casa ou teve prejuízos materiais. Eles deixaram os imóveis por causa da invasão da água. O tenente Dione Almeida disse que uma força tarefa permanente está monitorando as áreas de risco na cidade. Na manhã deste sábado (21), canais e áreas de ressaca estão sendo desobstruídos para evitar entupimentos e novas inundações. 

Socorro Sandim, secretária de Assistência Social de Santana, disse que muitas famílias ainda resistem em sair dos imóveis em situação de risco, e que a retirada acontece apenas em casos extremos, como aconteceu na tarde de sexta-feira. Segundo ela, em 2014 não houve remoção de famílias durante o período chuvoso no município. 

"A vontade deles de sair é mínima, mas com o risco que o alagamento oferece às crianças eles acabam vindo para os abrigos, onde recebem auxílio e alimentação até a baixa do nível da água. Estamos com previsão de chuvas fortes para os próximos dias", previu. 

Santana está entre os sete municípios que estão em risco de inundações, conforme alerta emitido pela Defesa Civil. A cheia de até 3,5 metros no nível dos rios Amazonas, Araguari e Jari pode atingir também Macapá, incluindo o Arquipélago do Bailique, Mazagão, Laranjal do Jari, Vitória do Jari, Itaubal e Calçoene.A alta na maré é provocada pelo fenômeno conhecido como Equinócio da Primavera, que coincide com a lua nova e exerce influência no nível dos rios.

sábado, 21 de março de 2015

Famílias atingidas por chuvas estão abrigadas em escola municipal

Famílias abrigadas em salas de escola
As fortes chuvas que estão caindo nos últimos dias nas cidades de Macapá e Santana, já estão deixando suas consequências urbanas: um número considerável de famílias que residem nas áreas baixas (palafitas) dessas cidades tiveram suas casas atingidas com as enchentes dos locais. 

No município de Santana, algumas residências situadas no bairro Remédios II já foram “pro fundo” com o aumento no nível das águas de algumas áreas de ressaca, obrigando a Defesa Civil, juntamente com apoio da Prefeitura de Santana, a tomarem imediatas providências de ações de retirada de diversas famílias atingidas pelas chuvas. 

Ainda na tarde de ontem (20/03), as três primeiras famílias atingidas pelas chuvas de Santana foram encaminhadas para a Casa da Juventude (Caju), no entanto, o espaço foi logo diminuindo em virtude das chegadas de outras famílias desabrigadas, sendo preciso transferir as famílias prejudicadas para a Escola Municipal Amazonas, localizada no centro da cidade, onde ocupam 05 salas de aula. 

Secretária Antônia Guedes acompanha a situação
Auxílio Municipal
Cedido pela Prefeitura de Santana, a Escola Municipal Amazonas está servindo de abrigo para pelo menos 10 famílias que já se alojaram desde ontem (20). Com mais de 50 pessoas, 25 são crianças com menos de 10 anos de idade. 

“Estamos prestando todo auxílio necessário que precisam. Desde ontem que todas as refeições estão sendo arcadas pela prefeitura e de alguns parceiros que estão acompanhando essa luta”, falou a secretária de Educação de Santana Antônia Guedes, que coordena e acompanha o alojamento das famílias atingidas pelas chuvas, na qual pressente que o número de desabrigados pode aumentar: “Ainda não temos um número exato de famílias que podem precisar do apoio da prefeitura, mas estamos nos prevenindo com a liberação de outras salas de aula para receber qualquer informação de ajuda da Defesa Civil”. 

Além da Secretaria Municipal de Educação, a Prefeitura de Santana cedeu diversos profissionais que atuam na área da saúde (técnicos e enfermeiros) e assistentes sociais para acompanharem a situação individual das famílias. 

Donativos estão sendo coletados para as famílias
“Como essas famílias ficaram expostas à riscos de doenças como malária, leptospirose e outras doenças, várias pessoas que vieram das áreas alagadas foram consultadas e até vacinadas”, ressaltou Antônia Guedes. 

Ajudas Institucionais
Entre instituições religiosas que estão contribuindo com donativos materiais, também estão comerciantes e alguns empresários do ramo alimentício, que estão doando outros produtos relacionados à higiene. 

“As pessoas que quiserem doar com alimentos, roupas de qualquer tamanho, ou com lençóis, cobertores, tudo será bem aceito para ajudar essas famílias”, pediu a professora Alcicléia Rodrigues, que compareceu à escola, levando várias sacolas de roupas para serem doadas. 

A Escola Municipal Amazonas está localizada no cruzamento da Avenida 15 de Novembro com a Rua Salvador Diniz, no Centro Comercial de Santana. Em virtude das salas da escola estarem cedidas para as famílias, as aulas municipais estão temporariamente suspensas.

Existem mais de 70 denominações religiosas espalhadas pelo Amapá

Até o final da década de 1990, era limitado o número de denominações religiosas que existiam no Estado do Amapá, tanto pregadoras do catolicismo romano como dos conceitos pentecostais. 

Com pouco mais de 300 mil habitantes (IBGE 1999) distribuídos nos 16 municípios, as instituições que mais agregavam visitantes e fiéis já eram tradicionalmente conhecidas e respeitadas pela sociedade amapaense, e contadas nos dedos: a Igreja Católica, “Assembleia de Deus”, “Quadrangular”, “Deus É Amor” e “Universal”. 

Porém, nos últimos anos, houve inúmeras transformações em termos de religião em nosso país, com o surgimento descontrolado de instituições que se denominam “casas de bênçãos”. 

Tais informações aqui descritas fazem parte de um extenso estudo de conclusão (TCC) que foi levantado por um grupo de acadêmicos do curso superior de Teologia de uma faculdade particular de Macapá. 

Somente em Santana, é mais de 40 denominações
Formado por quatro acadêmicos que residem no município de Santana, o grupo realizou um trabalho de campo que durou cerca de um mês, onde percorreram quase toda a cidade santanense, coletando informações relacionadas às origens de algumas denominações religiosas, assim como também entrevistaram cerca de 20 coordenadores (pastores) destas denominações. 

“Conseguimos algumas informações com o IBGE que registram que há mais de 15 anos o número de denominações religiosas era bem menor, onde 50% da população amapaense se dizia católica e menos de 10% se dizia evangélico ou frequentava uma igreja evangélica. Mas uma pesquisa recente do IBGE (2012) apontou que o número de evangélico subiu significativamente, passando a ocuparem mais de 25% da nossa sociedade”, explicou a acadêmica Flávia Luana, que, juntamente com seus colegas de faculdade, precisaram traçar um gráfico aleatório com o número incalculável de denominações religiosas que acabou encontrando em Santana. 

“Em dez bairros que visitamos (de Santana), constatamos a existência de mais de 40 instituições religiosas diversificadas, sendo que 21 delas são voltadas para a pregação pentecostal. Acredito que esse número possa ser maior por não termos visitado outros bairros mais afastados, como Elesbão e Jardim de Deus. Com certeza esse número ficaria perto de 50, somente em Santana”, comentou José Aprígio, que integra o grupo de acadêmicos, que ainda acrescentou: “Se formos contar por alto, devem existir em torno de 70 ou mais denominações entre Macapá e Santana”. 

Mais Igrejas, menos escolas
Durante a pesquisa de campo, alguns fatos curiosos foram detectados pelos acadêmicos, tanto em termos sociais como em condutas institucionais. 

Alguns bairros tem igrejas, mas não tem escolas
“Ao visitarmos o bairro Fé em Deus, que já existe há pouco mais de sete anos, encontramos 03 igrejas de denominações diferentes, mas não havia uma escola pública sequer. Apesar de uma dessas igrejas oferecer um ensino de alfabetização infantil, é lamentável que o poder público ainda não tenha observado para aquele bairro que já deve ter mais de 5 ou 6 mil moradores”, lamentou o acadêmico Willianson Dias, que também atentou para a conduta conservadora que algumas institucionais aplicam aos seus fiéis. 

“Pode parecer inacreditável para muitas pessoas em pleno século 21, mas ainda existem religiões, aqui em Santana que mantêm a vestimenta tradicional das mulheres de usarem o vestido até a ponta do calcanhar. Assim como também tem algumas que proíbem claramente o beijo (na boca) antes do casamento”, afirmou Willianson. 

Porém, na concepção da acadêmica Flávia Luana, esse crescimento desordenado de instituições religiosas (em sua maioria, voltadas para a doutrina pentecostal), tem demonstrado um saldo positivo para a sociedade. 

“Pelo lado bom desse número, podemos dizer que a Palavra de Deus tem se expandido de maneira avassaladora, apesar de que algumas dessas denominações religiosas não estão apresentando aos seus frequentadores um conceito bem aprofundado do que já conhecemos nas denominações mais antigas, mas estão fazendo um importante papel levar o evangelho para muitos que ainda não conhecem”, finalizou.

‘Novo Amapá’: Peça teatral lembra 39 anos do naufrágio com poesia e homenagens

Os 39 anos do maior naufrágio do estado serão lembrados com poesia e homenagens no espetáculo "Novo Amapá", que acontece no sá...