sexta-feira, 22 de maio de 2015

STTrans realiza revitalização de faixas entorno de escolas municipais e estaduais em Santana

Faixas de pedestres serão revitalizadas
A Prefeitura de Santana por meio da Superintendência de Transporte e Trânsito (STTrans); durante os meses de junho e julho, vai iniciar a sinalização de 60 faixas de pedestres, a maioria entorno das escolas publicas e em cruzamentos. 

Segundo o diretor Administrativo da Sttrans, Alexandro Soares, serão contempladas 41 escolas estaduais e municipais que desenvolvem projetos e programas de segurança no trânsito, serão revitalizadas as faixas de pedestres e colocadas placas de orientação em frente das escolas. 

A circulação e a segurança dos alunos nas proximidades das escolas são algumas das principais preocupações dos pais e também dos responsáveis pela STTRans. Por essa razão, equipes da Engenharia e Trafego da STTRANS, já iniciaram um mutirão para pintar faixas de pedestres entorno de diversas escolas do município; os serviços serão realizado principalmente durante o horário da noite e se não chover. 

Os pontos já contemplados com esses serviços foram a escola Estadual da ilha de Santana, Cruzamento da Rua Ubaldo Figueira com Av Princesa Isabel e o Cruzamento da Av Dom Pedro com Salvador Diniz (em frente a caixa econômica). 

Esta ação tem o objetivo de conscientizar os pedestres a atravessarem as ruas e avenidas da cidade por cima da faixa. A medida também tem como meta educar os condutores de veículos a respeitarem essa sinalização horizontal. “Acreditamos que campanhas educativas como esta possam conscientizar a população e os motoristas da cidade a termos um trânsito mais seguro e menos violento”, declarou o Superintendente Juraci Juca. 

Frente das escolas receberão placas de orientação
Com a pintura de 60 travessias de pedestres, a STTRANS lança o projeto “Pedestre, eu Cuido”, em alusão ao “maio amarelo”. O CTB (Código de Trânsito Brasileiro) resguarda a segurança do pedestre. “Os pedestres que estiverem atravessando a via sobre as faixas delimitadas para esse fim terão prioridade de passagem, exceto nos locais com sinalização semafórica”. A legislação determina que o motorista tem que esperar a pessoa concluir a travessia da rua mesmo quando o sinal verde abre. 

Os pontos escolhidos para receber as faixas de pedestres foram aqueles com grande fluxo de pessoas, como proximidades de pontos de ônibus, cruzamentos sem sinalização semafórica. “Em geral, a maioria dos acidentes que ocorrem são fora das faixas de pedestres, segundo os especialistas em trânsito”. 

A Sttrans Solicitou a Secretaria de Infraestrutura do município, para que realize o recapeamento e melhoramento asfáltica destes pontos que serão sinalizados.

Surpreendida na viagem, passageira de ônibus flagra cobra entre dois bancos

A cobra estava entre os dois assentos do veículo
Seria exagerado se o fato não tivesse sido registrado de maneira fotográfica. Mas assim mesmo o espanto ficou marcado na face de várias pessoas que também testemunharam a situação que ocorreu esta semana durante o embarque de dezenas de pessoas que seguiam do município de Santana para a capital amapaense (Macapá). 

Uma passageira (que preferiu sigilo na divulgação de seu nome), que reside no município de Santana, embarcou na manhã da última quarta-feira (20/05), em um dos ônibus da linha intermunicipal Macapá-Santana, no entanto, foi surpreendida no momento que escolheu um banco interno para se sentar. 

"Quando olhei rapidamente para o espaço entre os dois assentos, vi que havia algo de cor bem clara que se mexia, e para minha surpresa era uma cobra", contou a passageira para dezenas de amigos nas rede sociais esta manhã. 

Como forma de comprovar a situação, a passageira tirou uma foto da cobra que, apesar de não ter um tamanho ameaçador (e parecer nociva), repercutiu consideravelmente na internet. Ainda, a passageira informou a situação ao cobrador que providenciou a retirada do réptil de dentro do coletivo, mas não soube explicar como o animal havia entrado na condução.

O blog STN/AP entrou em contato com a gerência da empresa de ônibus que presta serviço na referida linha intermunicipal, mas ninguém atendeu as ligações.

“Posto de arrecadação da CEA nunca funciona”

Aviso na porta sugere outros locais de pagamento
A afirmação revoltante partiu da doméstica Ana Maria Carvalho que reside nas proximidades da ponte intermunicipal do distrito portuário do Igarapé da Fortaleza, e após se deslocar de sua residência até a agência regional da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) em Santana, com o intuito de pagar pela fatura mensal de energia elétrica, se deparou com uma surpresa: havia uma placa na porta do posto de arrecadação da agência contendo a frase “Sistema Indisponível”, e o indicativo de outros postos opcionais de pagamento de contas. 

“Isso que é uma grande falta de respeito com a população. Além de já faltar energia todo dia e não mandarem a conta em dias para nossa casa, ainda temos que sofrer com esse negócio de procurar um local certo pra pagar pelo erro deles”, questionou a doméstica, que ainda disse ser comum o fato deste posto de arrecadação está inoperante. 

“Todo mês, quando venho pegar uma segunda via da conta (já que a primeira via nem sempre chega no prazo estipulado), é essa novela para imprimir a via e outra novela pra tentar pagar a conta, e quando vejo, é a mesma situação, o posto de pagamento nunca funciona”, explicou a doméstica. 

Assim como Ana Maria, o número de reclamante sobre os serviços da CEA em Santana são maiores. O taxista José Raimundo também enfrenta dificuldades semelhantes durante o mês para pagar a fatura de consumo elétrico. 

“Se tem o atendimento para negociar as dívidas de energia e até emitir novas contas, deveriam ser mais atentos para facilitar a forma de pagamento para o povo, já que é a gente que paga o salário deles”, contestou o taxista. 

Agência da CEA em Santana, no Centro da cidade
Outros Postos
O blog STN/AP procurou pelo atendimento da CEA em Santana para buscar esclarecimento sobre as insatisfações questionadas, onde uma funcionária (que preferiu não ceder seu nome) informou que a Companhia terceirizou no início do ano a área de arrecadação, passando o serviço para empresas privadas, alegando não ter mais responsabilidade sobre as constantes inadimplências oferecidas pelos sistemas das empresas. 

“O setor de arrecadação da CEA é um serviço que foi terceirizado ainda no final de 2014, justamente para facilitar o acesso por outras formas de pagamento, havendo lojas e bancos, e que eles que são responsáveis de apenas nos repassar os valores pagos pela energia. Tanto que o posto de pagamento que existe em anexo na agência de Santana corresponde aos serviços da CEF (Caixa Economica Federal), e não à CEA”, explicou a funcionária da estatal. 

Para evitarem a perda nos fornecimentos, tanto de energia elétrica, como de água e telefone móvel, a população santanense procura outros pontos de pagamentos, como a agência dos Correios, Casas Lotéricas, Loja Center Kennedy e as Farmácias “Anastácia” (dos bairros Paraíso e Centro).

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Justiça do Amapá lança licitação para reforma do Núcleo de Práticas Restaurativas do Fórum de Santana

O Tribunal de Justiça do Amapá realizará no dia 25 de maio, às 16h00, licitação na modalidade Tomada de Preço (TP nº 01/2015-TJAP), para reforma e adaptações do local destinado as futuras instalações da Central de Conciliação, Mediação e Práticas Restaurativas do Fórum de Santana. 

“Essa obra, cujo orçamento é de aproximadamente R$ 164 mil, será custeada com recursos do FMRJ (Fundo de Manutenção e Reaparelhamento da Justiça)”, afirmou o responsável pela Licitação, Gláucio Bezerra. 

Com a nova configuração a Central de Conciliação, Mediação e Práticas Restaurativas de Santana passará a receber a demanda processual e pré-processual da Comarca, como instrumento de agilização da prestação jurisdicional na realização de acordos entre as partes. 

Além disso, aplicando-se as práticas restaurativas, o Poder Judiciário atuará na restauração de relações pessoais fragilizadas pela demanda judicial, propiciando a massificação da cultura de paz na solução dos conflitos da sociedade, o que vem refletir na diminuição da propositura de novas ações. 

A prioridade dada pelo Tribunal de Justiça às medidas alternativas de solução de conflitos é importante na consolidação do pensamento de que as pessoas são atores de seus próprios conflitos e podem trazer, com mais propriedade, a solução dos mesmos. Esse trabalho, com certeza, trará além de celeridade aos feitos, resultados a médio e longo prazo, na solução das lides. 

Segundo a Presidente do Tribunal, Desembargadora Sueli Pini, a melhoria das condições de mediação e conciliação deve ser sempre promovida, pois a resolução alternativa de conflitos proporciona celeridade às causas judiciais. 

“Identificamos a necessidade de adaptar e ampliar o Núcleo, para melhor atendimento da população. Sabemos que somente a prestação de um bom serviço não é suficiente, precisamos dispor também de boas condições de infraestrutura física para resolução dos conflitos”, declarou a presidente do TJAP, Sueli Pini. 

O certame ocorrerá na sala da Comissão de Licitação do TJAP e a obra tem previsão de início para o próximo mês (junho/15), com conclusão em 60 dias.

“Fogo na Roça” intensifica seus ensaios para o mês Junino

Ensaios juninos ocorrem diariamente
Com menos de 10 dias para o início das festividades juninas (que começará no próximo dia 30 de junho até 05 de julho), uma das agremiações mais conhecidas e respeitadas deste período, já vêm intensificando seus ensaios a todo vapor, para mostrar ao público os motivos que a levaram a erguer vários prêmios em caráter municipal e estadual. 

Com uma coreografia que vem sendo ensaiada passo-a-passo, desde o início do ano, a quadrilha santanense “Fogo na Roça” trará este ano o tema “Alice, Brincando de São João no Sertão das Maravilhas”, na qual farão uma parodia junina parcialmente baseada no conto infantil “Alice no País das Maravilhas”

Cerca de 20 pares formam a quadrilha
Com exceção aos domingos, a quadrilha têm se preparado de todas as formas para levar para a arena junina, o seu melhor. Com formação de 20 casais (composto de jovens entre 15 e 20 anos), os ensaios ocorrem no horário da noite, numa área coberta que fica ao lado da Paróquia São Pio de Pieltrecina, no bairro Fonte Nova. 

“São pelo menos três horas diárias de ensaios diretos para não perdermos o ritmo até o dia do evento”, disse Valdemir Franklin, um dos coordenadores do grupo junino, e um dos incentivadores da agremiação. 

Patrocínios
Para que possa alavancar em termos de qualidade, tanto nas trilhas musicais a serem tocadas, como também nas performances coreográficas que serão demonstradas, a agremiação teve que recorrer a profissionais relacionados às artes cênicas (teatro) e para instrutores de dança folclórica e junina, fatos que precisaram ser custeados pela instituição, que não possui qualquer fundo financeiro de apoio. 

"Fogo na Roça" já é tradicional em Santana
“Toda essa preocupação com cada passo na coreografia acaba tendo um custo, o que nos levou a buscar apoio governamental e na realização de eventos”, explicou Valdemir. 

Segundo ele, vários bingos beneficentes foram realizados nos últimos meses pelos coordenadores da quadrilha “Fogo na Roça” como forma de arrecadar recursos financeiros para serem investidos na agremiação. 

No entanto, o valor total arrecadado nesses recentes eventos organizados (mesmo com apoio da Paróquia São Pio) foram insuficientes para cobrir diversos gastos com a produção artística da agremiação, sendo preciso correrem atrás de patrocínios políticos. 

Professor de dança foi contratado pela agremiação
“Como essa quadrilha já tem um nome respeitado, ela conseguiu uma ajuda financeira para ajudar nesses gastos”, disse Mauro Rodrigues, que integra a diretoria da Liga Independente dos Grupos e Associações Juninas do Amapá (Ligajap). 

Com R$ 6 mil repassados pelo Governo do Amapá – valor fixo que também foi repassada para demais agremiações que integram a Liga – o “Fogo na Roça” tem mais um custo extra (além do professor de dança e de teatro), referente às vestimentas padronizadas dos dançarinos. 

“Fizemos uma pesquisa para encontrar o custo mais baixo na produção do conjunto de cada pessoa e o mais barato saiu por R$ 140 para cada casal. Agora imagine quanto vai custar para fazer para os 20 casais que vão se apresentar, sem contar o valor dos chapéus e da maquiagem a ser usada em cada pessoa”, detalhou Valdemir, que mesmo vendo o alto custo que será investido na quadrilha, não mede tempo e nem esforço emocional para levar ao grande evento, um representante genuinamente de Santana. 

Apresentação
A Associação Junina “Fogo na Roça” está agendada para se apresentar no dia 30/06 (terça-feira). Como o Governo Estadual transferiu o local que antes era realizado ao lado do histórico monumento da Fortaleza de São José (centro de Macapá), o novo local passou a ser o Sambódromo. 

Segundo a Secretaria Estadual de Cultura, a mudança visa a redução de gastos, porém, mantendo a qualidade do evento, que está programado para acontecer no período de 12 a 30 de junho próximo.

Coleção de Títulos
Fundada em 2007 por jovens que residem no bairro Fonte Nova (em Santana), a quadrilha “Fogo na Roça” coleciona diversos prêmios, tanto no âmbito municipal como estadual. 

Sendo a única quadrilha tradicional da cidade portuária, é bicampeão municipal (2009 e 2011), onde também teve sua Miss como tricampeã. No Forrozão de 2012 (a nível estadual), conquistou todos os prêmios da competição, se tornando uma referência para o Estado. 

“Pela forma que vem sendo os ensaios, ela só tem a ganhar”, prevê entusiasmado o jovem Mike Santos, que participa dos ensaios diários da agremiação. 

Vale ressaltar que a quadrilha "Fogo na Roça" também estará se apresentando no tradicional "Forrozão da Fonte Nova", evento que ocorre anualmente no bairro que constituiu a agremiação junina.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Santana discutirá Plano Municipal de Educação (PME)

Fórum reunirá educadores de vários segmentos
A Prefeitura de Santana, através da Secretaria Municipal de Educação (SEME) realiza nos próximos dias 20, 21 e 22 de maio, o I Fórum Municipal de Educação, evento que contará com a presença de educadores, professores, pedagogos e diversos especialistas da área educacional. 

O evento visa proporcionar aos órgãos colegiados, movimentos e organizações sociais, sindicatos e outras instituições do âmbito educacional, momentos de debates e planejamento de metas definidas no Plano Nacional de Educação (PNE), adequando ao Plano Municipal de Educação (PME) da cidade de Santana, ação a ser empenhada na próxima década. 

O Fórum também objetiva a participação de todos os interessados à consulta popular da comunidade, e ao debate aberto, resultando na celeridade da construção de um novo processo para a melhoria da educação atualmente aplicada à população santanense. 

“O PME é uma política educacional com um conjunto de reflexões, de intenções e de ações que respondem a demandas reais da educação no município, centradas em estratégias de curto, médio e até longo prazo”, explicou a professora Antônia Guedes, secretária municipal de Educação de Santana. 

Plano Constitucional
De acordo com a Legislação Federal, o Plano Educacional não é um plano governamental, limitado a um mandato de prefeito, mas sim um Plano de Município, com dez (10) anos de duração e institucionalizado por meio de Lei Municipal, articulada a uma legislação Estadual e Nacional. 

Slogan do evento
O Artigo 214 da Constituição Federal torna o Plano Nacional de Educação decenal obrigatório. “Este Plano deve articular ações de todos os entes federados e os obriga a aprovarem, por seus poderes Legislativos, Planos Estaduais (PEE) e Planos Municipais de Educação (PME), com igual duração de dez anos”. 

A Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da Educação Nacional também já descreve a preocupação com o planejamento das ações educacionais. Portanto cabe ao Município organizar sua equipe para adequar o PNE a realidade a que se destina. 

Com isso, o Fórum Municipal de Educação (FME) é, na verdade, um primeiro esforço de ampliação dos atores envolvidos com a construção coletiva do PME, de forma planejada. 

O I FME de Santana ocorrerá no auditório do Grupo Perspectivas Construtivas (GPC), uma conceituada entidade de ensino particular de Santana, localizada no cruzamento da Rua Adálvaro Cavalcanti com Avenida das Nações (Centro de Santana). 

Programação do FME/STN 

Data: 20/05/15 (quarta-feira)
Horário: 18:00hs às 21:00hs
Local: Auditório do GPC.
Credenciamento/ abertura/ aprovação do Regimento 

Data: 21/05/15 (quinta-feira)
Horário: 14:00hs às 18:00hs
Local: Auditório do GPC.
Discussão nos 06 Colóquios 

Data: 22/05/15 (sexta-feira)
Horário: 08:00hs às 12:00hs
Local: Auditório do GPC.
Plenária final – Votação das propostas

terça-feira, 19 de maio de 2015

Juizado de Santana realiza o projeto "Círculos de Fortalecimento" em associação religiosa

A equipe psicossocial do Juizado da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher da Comarca de Santana realizou mais um encontro com mulheres, em situação de vulnerabilidade social, que freqüentam a entidade filantrópica “Nossa Família”. 

Esse trabalho ocorre mensalmente e tem como objetivo promover um espaço de compartilhamento de experiências e vivências. Na oportunidade, a assistente social do Juizado da Violência Doméstica de Santana, Lucineide Santos, relatou que a parceria entre a associação e o Juizado surgiu após terem percebido a necessidade de se trabalhar ações preventivas junto às mulheres, que procuram os serviços de saúde disponibilizados pela entidade. 

“A associação observou que a maioria dessas mulheres já foi vítima de violência, mas que infelizmente não busca ajuda. Com isso, foi criado um espaço de diálogo na Associação Nossa Família, voltado, exclusivamente, ao público feminino, onde a proposta é criar uma reflexão sobre as experiências vividas por elas”, destacou Lucineide. 

Para obter um maior envolvimento das participantes, a cada encontro é abordado um tema diferente, sempre utilizando a metodologia das práticas restaurativas, que são importantes instrumentos para que haja um diálogo respeitoso. 

“Essa é uma ação preventiva, que nós denominamos Círculos de Fortalecimento, onde buscamos conquistar e criar vínculos com essas mulheres por meio da conversa e do afeto”, frisou a assistente social Janice Pereira Divino.