quinta-feira, 30 de junho de 2016

Município ganha espaço dedicado à “Melhor Idade”

Uma luta social que durou mais de duas décadas e meia será concretizado na tarde dessa sexta-feira (1º de julho), quando ocorrerá a inauguração do Centro do Idoso “Antônia Rocha”, na cidade de Santana. 

Construído na Vila Amazonas, numa área para ocupar mais de 20 mil metros quadrados, o Centro oferecerá atendimentos médicos e serviços de saúde coletiva, distribuídos em 16 salas, todas adaptadas com estruturas de acesso que possam favorecer a mobilidade de seu público-alvo. 

“É um sonho que se vem lutando há muitos anos, e as entidades voltadas para a classe merece esse lugar que possa acomoda-los melhor”, disse a secretária Municipal de Assistência Social de Santana Socorro Sandin. 

A secretária conta que antes da construção do Centro, os grupos (associações) ligados à “Melhor Idade” em Santana realizavam suas atividades em locais distintos e sem condições adequadas para seus participantes. 

“Os locais eram alugados por tempos determinados por não oferecerem condições de espaço e até de higiene para os grupos que desenvolvem atividades no município e a construção do Centro não apenas resolve esse problema, como também se torna uma referência no Estado”, descreveu Socorro. 

Profissionais
De acordo com a Secretaria Municipal de Assistência Social de Santana, cerca de 30 profissionais estarão responsáveis para cuidar e desempenhar ações que possam garantir o bem-estar da classe da “Melhor Idade”, que mantém no município cinco (05) grupos de trabalhos. 

Entre esses profissionais – em sua maioria da área da saúde – que se dedicarão no novo Centro, estão: fisioterapeutas, odontólogos, massagistas, clínicos, entre outros. 

“Como muitas dessas pessoas gostam de dança e arte, também disponibilizaremos vários professores de educação física e desenhos”, ressaltou a secretária, que também pontuou a participação de profissionais da área da beleza para interar nos projetos sociais que serão desenvolvidos no novo local. “As mulheres terão direito até a cabeleireiras para cuidar delas”. 

Homenagem
O Centro leva o nome de Antônia Rocha Freires numa justa homenagem à patriarca de uma das famílias mais antigas e conhecidas do município de Santana. 

Paraense, veio com a família para o então Território Federal do Amapá no final da década de 1950, indo residir em Porto de Santana, onde viveu grande parte de sua vida. Além de acompanhar o crescimento urbano da cidade, testemunhou o reconhecimento público de seus herdeiros na política amapaense, entre eles, dois nomes que entraram para a história do Executivo santanense e uma para o Legislativo Estadual. 

Falecida em 2003, coube agora ao município a tarefa de homenageá-la por sua atuação ao pioneirismo do nosso Estado, colocando seu nome ao novo Centro do Idoso, que será oficialmente entregue à sociedade santanense nesta sexta-feira, às 16hs.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Vara da Infância de Santana realizará Encontro Preparatório para Pretendentes à Adoção

A Vara da Infância e Juventude da Comarca de Santana realizará mais uma edição do Encontro Preparatório para Pretendentes interessados em participar do processo de adoção de crianças e adolescentes. 

O evento acontecerá nesta quarta-feira (29/06) no Auditório do Tribunal do Júri do Fórum de Santana, das 8h30 às 12h30 e contará com a presença da juíza titular da Vara da Infância e Juventude de Santana, Larissa Noronha. 

Na ocasião, a equipe técnica da Vara de Infância e Juventude de Santana vai prestar orientações sobre os aspectos jurídicos e psicossociais para quem já está habilitado à adoção, e também para quem ainda não possui processo no Cadastro Nacional de Adotantes. 

No Encontro Preparatório para Adoção, os profissionais capacitados, entre assistentes sociais, psicólogos, pedagogos, vão tirar as dúvidas do público presente, além de abordarem os efeitos legais da adoção. 

Com este acompanhamento, os interessados em adotar podem consolidar a vontade de adoção ou mesmo refletir se estão realmente preparados emocionalmente para ter um filho. 

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) estabelece as novas diretrizes para a adoção, e como etapa inicial obrigatória exige a habilitação que constitui um procedimento judicial em que a pessoa interessada obtém a aprovação para a adoção do ponto de vista jurídico e psicossocial.

Revisão de limites portuários de Santana beneficiará mais de 40 mil habitantes

Revisão geográfica da área do Porto de Santana
beneficiará mais de 40 mil habitantes do município
A confirmação partiu do deputado federal Vinicius Gurgel (PR) que, acompanhado do prefeito de Santana Robson Rocha, foi recebido na semana passada pelo ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, onde recebeu a informação positiva sobre a denominada “Revisão da Poligonal” que não apenas delimita os meios geográficos da área onde está situado o Porto Organizado de Santana, como também garantirá a autonomia legal (titularidade) das áreas onde residem mais de oito mil famílias, distribuídas em cinco bairros e quatro distritos suburbanos do município. 

“Essa reformulação da área geográfica do Porto Comercial de Santana favorece legalmente os moradores desses bairros que agora poderão recorrer de seus títulos de domínios, já que antes eram retidos pelo fato de estarem dentro de um limite institucional”, explicou o prefeito de Santana Robson Rocha. 

Prefeito Robson Rocha ao lado do ministro dos
Transportes Maurício Quintella (meio).
Ainda com a nova revisão geográfica da área portuária de Santana – assim conhecida de “Revisão da Poligonal”, pelo fato de ser representado em mapa, carta ou planta que se obtenha dos registros oficiais dos limites físicos de uma área destinada exclusivamente aos serviços portuários do Poder Público – estarão seguros as possibilidades para o aumento da receita do Porto Organizado de Santana, já que sua área de expansão será utilizada como “alternativa viável” para os cargueiros que chegam ao Amapá de outros países. 

“Isso nos trás resultados positivos, tanto para a população sobre benefícios sociais como melhorias para a nossa receita, já que os cargueiros que chegam ao município de Santana costumam aguardar em frente à capital, o que isentava o uso marítimo do local, o que agora eles terão que incluir gastos por estarem dentro dos nossos limites”, detalhou Robson. 

Novo Limite
Com a nova revisão da poligonal dos limites das Docas portuárias de Santana, os moradores que residem nos bairros Comercial, Hospitalidade, Remédios, Novo Horizonte e Vila Amazonas ganham o direito jurídico de solicitarem o titularidade definitivos de seus terrenos, quando antes já estavam sendo agora amparados pela Lei Municipal 204, de 1995, que concedia titularidades provisórias aos ocupantes da área. 

Mapa cartográfico descrevendo o Antes e Depois
da Revisão da Poligonal do Porto de Santana.
“Tive o maior problema pra vender um terreno que tinha na Ilha de Santana por que o comprador queria título da área e eu falei que não tinha, foi o jeito aceitar a metade do valor que estava vendendo, só pra não perder o negócio”, lamentou o agricultou Manoel de Jesus Lobato, que mora no distrito de Ilha de Santana. 

Porém, o agricultor tomou conhecimento no início da semana sobre a questão ligada à liberação definitiva dessas áreas que abrangem os limites portuários de Santana, e confirmou que agora tomará providências para a legalização de seus terrenos. 

“Como já tenho um processo aberto na prefeitura, vamos ver como vai ser para eu adquirir esses meus terrenos”, prometeu Manoel. 

Além desses bairros urbanos, os distritos do Elesbão, Delta do Matapí, Igarapé da Fortaleza e toda a área frontal da Ilha de Santana estão inclusos pela nova projeção geográfica da área do Porto Organizado de Santana, cobrindo uma dimensão demográfica que beneficiará mais de 41 mil habitantes que residem nesses limites ampliados.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Promotoria de Meio Ambiente de Santana participa do Fórum de Educação Ambiental

O Ministério Público do Amapá (MP-AP), por meio da Promotoria de Justiça de Meio Ambiente de Santana, apoiou a Secretaria Municipal de Educação na realização do I Fórum de Educação Ambiental do Município de Santana. 

Apresentações de projetos sustentáveis, mostra de vídeo, palestras e apresentações culturais fizeram parte da programação, nos dias 24 e 25. 

Na abertura do evento, na noite de sexta-feira (24), o promotor de Justiça Adilson Garcia, titular da Promotoria de Meio Ambiente de Santana, representou o MP-AP, compondo a mesa de autoridades que contou, ainda com a secretária municipal de Educação, Antônia de Moraes Guedes, e o coordenador da Secretaria de Meio Ambiente de Santana, Joelson Costa Malheiros. 

Antônia Guedes, representando o prefeito de Santana, Robson Rocha, agradeceu ao apoio do MP-AP para a realização do Fórum. 

“Agradeço ao Ministério Público e ao promotor Adilson Garcia que nos apoiou na realização deste evento para que haja diálogo sobre as questões ambientais com os educadores, a fim de que possam sensibilizar seus alunos para a importância da preservação”, ressaltou a secretária de Educação de Santana. 

Adilson Garcia falou dos estudos que realizou para elaboração de sua Tese de Doutorado na PUC-SP, onde faz abordagem das razões da “inefetividade da tutela ambiental”, que aponta como uma das causas a falta de educação ambiental. 

“É preciso antes de tudo que se tenha educação ambiental. Parabenizo a todos pela iniciativa deste I Fórum que é um grande passo Promotor de Justiça Adilson Garciae a Promotoria de Meio Ambiente de Santana tem envidado esforços para fazer valer esse princípio constitucional da obrigação da educação ambiental em todos os níveis”, destacou o promotor de Justiça. 

O representante do MP-AP informou, ainda que a Lei de Educação Ambiental já foi sancionada em nível nacional. 

“Resta agora fazermos a nossa parte. Nós só vamos mudar este mundo a partir de quando, individualmente, passarmos a ter pequenos gestos em prol do nosso meio ambiente”, afirmou. 

No segundo dia do Fórum, na manhã de sábado (25), o promotor de Justiça Adilson Garcia participou da mesa redonda sobre “Políticas Públicas Ambientais no Município de Santana”.

Ascom/MP

“Círculos Restaurativos” debate sobre Violência Doméstica na Associação Nossa Família

O Juizado de Violência Doméstica da Comarca de Santana e o Ministério Público, em parceria com a Associação Nossa Família, localizada no bairro Fonte Nova, realizaram um encontro sobre as práticas dos Círculos Restaurativos com mulheres de diferentes faixas etárias, trabalhando o tema “Violência Contra a Mulher”. Cada encontro tem a participação de 40 mulheres, divididas em dois círculos nas atividades. 

O Juizado de Violência Doméstica, através da metodologia Restaurativa, pretende fomentar o fortalecimento das mulheres para que suas relações familiares sejam mais autônomas e saudáveis emocionalmente. 

A Assistente Social Lucineide Santos, facilitadora das Práticas Restaurativas, destacou a relevância do encontro e a transformação na vida das mulheres, especialmente a das que sofrem algum tipo de violência na família ou na sociedade. 

“Através de questionamentos reflexivos dialogamos sobre o conceito de violência da Lei Maria da Penha, as diferentes formas de violência e também onde buscar ajuda. A juíza da Vara de Violência Doméstica, Dra. Michelle Farias, esteve presente e também a assistente social Janice Divino, que participaram da prática que tem a intenção de garantir a promoção de um espaço de compartilhamento de experiências, vivências a respeito da participação da mulher no mundo e na sociedade ao longo do tempo e no contexto atual”, destacou. 

A Psicóloga Eliane Rodrigues explicou que a realização dos Círculos Restaurativos é uma forma eficiente de interagir com as pessoas, com intuito de refletir sobre suas dificuldades e principalmente o quadro alarmante de violência que existe contra a mulher no município de Santana. 

“Estamos favorecendo um momento de reflexão para que as participantes possam perceber se estão envolvidas em algum contexto de violência. Almejamos que as mulheres possam expressar suas angústias, dificuldades, resistências, dúvidas, anseios e opiniões. Este encontro é fundamental para fomentar a satisfatória visão de liberdade das mulheres, construindo um modelo de atitudes respeitosas, em prol do desenvolvimento de relações familiares responsáveis e capazes de efetivo crescimento social”, concluiu.

domingo, 26 de junho de 2016

TV pioneira de Santana continuará fora do ar

Antena da TV Santana foi atingido por ventania.
A diretoria da TV Santana, afiliada da TV Gazeta Nacional (Canal-42 UHF), informou que a emissora continuará inoperante com sua transmissão, por tempo indeterminado. 

O motivo repassado pela diretoria relata a forte ventania que atingiu três cidades amapaenses (Macapá, Santana e Mazagão) na tarde da última quinta-feira, 23/06, resultando na destruição de bens materiais em centenas de residências e prédios comerciais, além da derrubada de diversas arvores de médio e grande porte. 

A ação da ventania derrubou a antena transmissora da TV Santana, uma estrutura com quase 90 metros de altura, caindo sobre moradias coletivas (kit-net ) e veículos estacionados nas imediações. 

“Graças a Deus que ninguém se feriu gravemente”, disse um dos moradores, que reside nas proximidades da emissora. 

Pioneirismo
Em setembro de 2005, a TV Santana entraria no ar transmitindo a programação da TV Diário, uma rede de televisão nordestina, com sede no Estado do Ceará, porém, devido às pressões das Organizações Globo com o Grupo Verdes Mares de retirar seu sinal das Antenas parabólicas e ter um sinal via satélite codificado somente para retransmissoras dos municípios do estado do Ceará e para TVs por assinatura em capitais nordestinas, varias afiliadas – inclusive a TV Santana – deixaram de ter o sinal da emissora de Fortaleza em outubro de 2009, tendo assim a afiliação com a Rede Gazeta, da Fundação Cásper Libero de São Paulo. 

“Foi uma mudança que não agradou todos que já estavam acostumados com a programação nordestina”, disse a jornalista Kátia Carvalho, funcionária da emissora, na época da mudança do sinal. 

Apesar da alteração para outra matriz televisiva, a TV Santana procurou ampliar sua programação local, exibindo variedades de conteúdos, que foram de entrevistas, apresentações, notícias, shows e concursos. 

A queda da antena de transmissão da TV gerou grande tristeza por parte daqueles que trabalham na emissora e aqueles que apresentam programas nelas, entre esses, o comunicador Fernando Santos, considerado uma das referências da atualidade para a televisão amapaense. 

Ficamos surpresos com a destruição da torre. A consequência disso, é que assim como outros programas, o meu tambem vai ficar fora do ar por alguns dias. Mas, da natureza não temos que reclamar. Só temos que agradecer a Deus por não ter vítimas fatais", lamentou Fernando Santos, que também apresenta um programa diário na emissora. 

Além de Fernando, outros cinco (05) profissionais da televisão ficarão fora das telas por tempo indeterminado, enquanto que técnicos da emissora continuarão nos trabalhos de retiradas do restante da estrutura metálica que felizmente não causou qualquer perda de vida.

sábado, 25 de junho de 2016

Por falta de energia, moradores fecham as duas rodovias de acesso para Santana

Alegando estarem com mais de 30 horas sem energia elétrica, moradores de dois distritos – sendo um pertencente ao município de Santana e outro da capital – interditaram no início da noite desta sexta-feira (24), ao mesmo tempo as duas rodovias estaduais (Duca Serra e Salvador Diniz) que dão acesso viário ao segundo maior município do Estado. 

De acordo com informações levantadas, o principal motivo seria a falta de energia no distrito de Igarapé da Fortaleza (Santana) e no Ramal do Paraíso Tropical, que pertence ao distrito do Coração (Macapá). 

Os moradores desses distritos disseram que estão há mais de 30 horas sem o fornecimento elétrico, desde que ocorreu o forte vendaval na tarde da quinta-feira (23), que atingiu diversos bairros das cidades de Macapá, Santana, Mazagão e Laranjal do Jarí, onde ventos calculados em quase 80km/h foram registrados pelos departamentos de meteorologia do Estado, que culminaram na queda de arvores e danos materiais em residências e prédios comerciais das demais cidades atingidas. 

“Sabemos que essa ventania veio para estragar tudo por onde passava, mas isso não impede que fiquemos tanto tempo sem energia, se pagamos por um serviço que não deve ficar faltando tanto”, comentou o autônomo Josiel Rodrigues, residente no Igarapé da Fortaleza, e esteve presente na interdição da Rodovia Salvador Diniz, onde foram colocados diversos pneus nas duas pistas da Rodovia, e depois ateado fogo nos referidos pneus, como forma de protesto. 

“Não é de hoje que fica acontecendo isso (falta de energia) e agora a nossa paciência chegou no limite”, reclamou o autônomo. 

Ônibus sem acesso
Outro trecho que também foi interditado por populares fica nas proximidades do distrito do Coração, onde se tem acesso ao Ramal do Paraíso Tropical, que estaria sem energia elétrica desde a última quinta-feira, também em consequência da forte ventania. 

Segundo a Polícia Rodoviária Estadual, os moradores fizeram diversas ligações para a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), com o intuito de serem atendidos, mas dizem que não conseguiram sequer completar as ligações. 

“A gente fica de horas esperando para sermos atendidos, e algumas vezes, eles chegam a desligar na nossa cara quando reclamamos do que é do nosso direito. Assim não dá”, disse a doméstica Maria de Lourdes, que mora com a família em um sítio localizado no Ramal de Paraíso Tropical. 

Lourdes ainda contou que vários galhos de arvores caíram sobre a rede elétrica no referido ramal. 

“Vários galhos caíram sobre a rede e com certeza não é serviço pra ser resolvido em meia-hora”, apontou. 

Com a interdição da Rodovia Duca Serra, o trânsito não apenas ficou lento, como vários veículos preferiram dar a volta e retornar via-Fazendinha. 

Parte das ações de protesto foram amenizadas com a chegada da Polícia Rodoviária Estadual, que retirou o bloqueio na Rodovia Duca Serra, para a liberação dos veículos, principalmente os de transportes coletivos. 

“Muitas pessoas estão vindo de seu trabalho ou de alguma escola em Macapá, e ainda passam por esse enorme engarrafamento que tira a paciência de qualquer se humano, por isso fomos lá e garantimos essa ordem”, ressaltou um policial da Rodoviária Estadual. 

Fizemos diversos contatos com a assessoria da CEA por telefone e pelas redes sociais, mas não obtivemos êxito. 

Fotos tiradas do facebook Santana do Amapá