segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

‘Novo Amapá’: Peça teatral lembra 39 anos do naufrágio com poesia e homenagens

Os 39 anos do maior naufrágio do estado serão lembrados com poesia e homenagens no espetáculo "Novo Amapá", que acontece no sábado (25), no Teatro das Bacabeiras, no Centro de Macapá. Por meio das encenações, a peça também relembra os heróis que prestaram socorro às vítimas. 

A peça, apresentada desde 2012, é baseada no texto "Triste Janeiro", do ator e dramaturgo Joca Monteiro. O elenco é composto por 7 atores locais. 

Para além da tragédia, o espetáculo aborda temas que vão desde a esperança até a influência da sociedade capitalista na vida do homem. 

A narrativa conta com influências da dança e do teatro corporal, além de apresentar músicas e projeções de vídeos durante os 45 minutos de espetáculo. A produção é da Companhia Supernova. 

Tragédia 
O naufrágio do Novo Amapá é um dos maiores ocorridos na Amazônia. A embarcação partiu de Santana, às 14h e naufragou por volta de 21h, do dia 6 de janeiro de 1981, após bater em um banco de areia no rio Cajari, próximo ao distrito de Monte Dourado, em Almeirim, no Pará, onde seria o destino final. 

A embarcação, segundo o inquérito marítimo nº 22.031, do Departamento Regional da Marinha no Pará, tinha 25 metros de comprimento com suporte para transportar no máximo 400 pessoas e meia tonelada de mercadoria. 

À época, a Capitania dos Portos havia registrado cerca de 150 passageiros, conforme lista cedida pelo despachante do barco. No entanto, o barco teria partido do porto de Santana com mais de 600 passageiros e quase uma tonelada de carga comercial, informou investigação à época. 

Serviço 
Espetáculo “Novo Amapá” 
Data: 25 de janeiro (sábado) 
Local: Teatro das Bacabeiras (Av. Cândido Mendes, entre as ruas Mário Cruz e General Gurjão) 
Hora: 20h Ingressos: R$ 10 (inteira); R$ 5 (meia) 
Classificação: Livre 
Informações: ‪(96) 99144-5442

Informações postadas no G-1 Amapá

Jovem morto em Santana teve dois irmãos executados no ano passado, diz polícia

O delegado Nícolas Bastos, da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Santana, município distante 17 quilômetros de Macapá, instaurou inquérito para apurar o assassinato de Hugo Tcharles Silva de Souza, de 18 anos, registrado na madrugada de domingo (19) depois que ele foi esfaqueado durante uma briga generalizada em um bar que funciona 24 horas na Avenida Pastor Sozinho, bairro Remédios I. 

Segundo o delegado, a briga foi promovida por integrantes de duas facções criminosas rivais. Depois de esfaqueado, Tcharles e um primo dele, também ferido com gravidade, foram levados ao Pronto Socorro de Santana. Ele não resistiu e acabou morrendo.

Recepção do Hospital de Santana depredado
Depredação 
Ao mesmo em que apura o crime de homicídio, o presidente do inquérito investiga a ação do grupo que levou os feridos ao hospital, e que logo após saber da morte de Hugo, iniciaram a destruição da recepção do hospital. 

“Essas pessoas, que estavam sob efeito visível de álcool, iniciaram um verdadeiro quebra-quebra. Pacientes e funcionários que estavam no local fugiram correndo, deixando para trás celulares e bolsas, o que foi levado na confusão. O prejuízo material da unidade de saúde ainda está sendo contabilizado. As pessoas que ali se encontravam estiveram em situação iminente de risco. As imagens das câmeras de segurança irão nos auxiliar no trabalho de reconhecimento desses vândalos. Eles irão ser identificados e responsabilizados criminalmente, isso eu garanto”, afirmou o delegado. 

Delegado Nicolas a frente das investigações
Prisão 
Nícolas Bastos disse que um homem, de 28 anos, preso nesta segunda-feira (20) e que estava na briga, foi colocado atrás das grades por estar com um mandado de prisão em aberto, e por ter esfaqueado um motoqueiro pelas costas durante a confusão. 

“Esse homem preso havia esfaqueado um motoqueiro no momento da briga. A ação foi para roubar a motocicleta da vítima. Ele também estava com mandado de prisão em aberto. Ao que parece ele [preso] era amigo do homem assassinado, mas tudo isso será devidamente esclarecido”, complementou. 

Faccionado 
O delegado declarou ainda que Hugo Tcharles integrava uma facção criminosa atuante no Amapá, e que ele já havia sido alvo de uma ação criminosa no ano passado. Bandidos de uma organização rival foram até a casa dele, no bairro Hospitalidade, para matá-lo. 

Como não o encontraram, resolveram matar os irmãos de Hugo, identificados como Bruno Silva, de 24 anos, e Danilo Silva de Souza, de 15 anos. Bruno era cadeirante. 

“Desde essa época o Hugo desapareceu de Santana. Ele passou uma temporada fora e havia retornado recentemente para o município. Porém, estava na mira dos rivais”, concluiu Bastos. 

As execuções 
Os irmãos Bruno Silva, de 24 anos, e Danilo Silva de Souza, de 15 anos, foram executados com vários tiros na noite de quarta-feira (04 de fevereiro de 2019) em uma residência localizada na Rua Machado de Assis, bairro Hospitalidade, no município de Santana, distante 17 quilômetros de Macapá. Pelo menos quatro homens são suspeitos de envolvimento no duplo homicídio. 

Há época o delegado Antônio Pedro, da Polícia Civil, disse que as vítimas foram atingidas principalmente na região da cabeça, o que caracteriza a execução. 

“As vítimas foram executadas com tiros de pistolas calibre Ponto 40 e 380. A comprovação do armamento está nos estojos recolhidos pela perícia no local. agora, resta saber a motivação. Ambos tinham passagens pela polícia por crimes como tráfico de drogas e assalto. O Bruno Silva tinha uma condenação de mais de 5 anos por assalto”, revelou o delegado. 

Ainda de acordo com Antônio Pedro, Bruno ficou paraplégico após ter sido alvejado com um tiro nas costas enquanto ainda cumpria pena no Iapen. Desde o atentado na penitenciária, Bruno passou a depender de uma cadeira de rodas para se locomover, o que o tornou alvo fácil para os assassinos. 

Testemunhas relataram ter visto pelo menos um dos suspeitos encapuzados. Eles contaram com apoio logístico de um carro modelo Siena, de cor vermelho. Três bandidos teriam desembarcado para executar as vítimas. 

Os corpos foram removidos para o Departamento de Medicina Legal (DML) da Polícia Técnico-Científica (Politec) para serem necropsiados. A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar as mortes.

Informações postadas no Diário do Amapá

domingo, 19 de janeiro de 2020

Comando Geral da PM vai ao local onde jovem teria sido morto em Santana

Diante da forte repercussão sobre a morte de um jovem que teria se envolvido numa confusão em frente de uma casa noturna em Santana, o comandante da Polícia Militar do Amapá foi pessoalmente verificar o local onde teria ocorrido o fato. 

Ainda no final da manhã deste domingo (19), o Coronel Paulo Matias esteve conversando com alguns responsáveis que administram um dos estabelecimentos comerciais – localizados nas proximidades do Hospital Estadual de Santana – onde tomou conhecimento de maiores detalhes do acontecido e verificou in loco o funcionamento desses pontos. 

Segundo o comandante, uma briga generalizada teria iniciado por volta das 5h dessa madrugada de domingo, onde membros de gangues rivais teriam se afrontado nas imediações da casa noturna, deixando vários jovens feridos. 

“Como estavam armados de facas, testemunhas disseram que alguns jovens foram lesionados e o mais grave (do jovem Hugo Souza) acabou sendo levados pelos amigos para o pronto-socorro”, disse o comandante. 

Matias ainda conta que, quando os inúmeros jovens chegaram ao Hospital de Santana, uma confusão teria se formado devido não terem sido informado ao certo a entrada que dava acesso ao pronto-socorro, o que teria causado demora no atendimento do jovem Hugo, que faleceu momentos após entrar naquela unidade de saúde. 

“Quando souberam que ele havia falecido, se formou uma grave confusão que os levaram a quebrar a vidraça do balcão de atendimento e até roubaram bolsas de funcionários. Já estamos atrás desses suspeitos”, disse o comandante. 

Como alguns jovens ficaram bastante feridos durante a confusão em frente a casa noturna, uma viatura da Polícia Militar vem acompanhando a internação de alguns, procurando garantir a sua segurança e lealdade. 

“Tem uma guarnição de prontidão no hospital, acompanhando a internação de um desses envolvidos na confusão, apesar que o clima segue agora mais calmo”, enfatizou. 

Apesar da intensa verificação física do estabelecimento, Coronel acredita que fatos dessa natureza continuarão ocorrendo, se o poder municipal não procurar fiscalizar com mais frequência esses locais. 

“Tem que haver mais fiscalização por parte da prefeitura em ver o funcionamento desses lugares, sobre a venda de bebidas alcoolicas e segurança que eles oferecem. Se não houver mais atenção da prefeitura, fatos desse tipos vão continuar acontecendo ali e em qualquer outro lugar”, motivou o comandante.

Durante assalto, suspeito tenta esfaquear jovem em via pública de Santana (VÍDEO)

Um vídeo que circula pelas redes sociais, mostra uma ação criminosa ocorrida na Avenida Princesa Isabel, mais precisamente no bairro Paraíso, em Santana. 

Segundo informações, o vídeo teria sido registrado por câmeras de um sistema de segurança domiciliar na noite do último sábado (18). 

É possível ver nas imagens que um jovem (de camisa escura) é perseguido por um meliante (usando boné e camisa clara) que tentar lhe desferir golpes de uma ‘arma branca’ que segurava em punho. 

A vítima tenta segurar o suspeito por diversas vezes, evitando que seja atingido pela facada, o que vai se estendendo ao longo da avenida, não havendo ninguém em via pública naquele horário. 

Populares relatam – em grupos virtuais – que a vítima conseguiu fugir do meliante. Segue abaixo as imagens: 

Ainda levado ao Hospital de Santana, jovem morre após confusão em frente de casa noturna

Um homicídio foi registrado no bairro dos Remédios I, área noroeste de Santana. De acordo com informações repassadas pelas autoridades, um desentendimento coletivo teria ocorrido em um estabelecimento de eventos noturnos – mais conhecido como ‘24hs’. 

Em meio à confusão formada em frente ao ponto, vários jovens foram gravemente lesionados, entre estava Hugo Tcharles Silva de Souza, de 18 anos, que ainda chegou a ser levado para o Hospital de Emergências da cidade, que fica próximo do local do confronto. 

Porém, Hugo não resistiu à gravidade dos ferimentos, vindo a falecer naquela unidade de saúde. Diante da confirmação de sua morte, um clima se intensificou no local, levando diversos meliantes a fazerem um ‘arrastão’ pelos corredores do hospital.

Entre o roubo de objetos e pertences pessoais de funcionários que estavam de plantão no local, ainda houve a depredação de móveis e do balcão de atendimento (recepção). 

A Polícia Militar de Santana foi acionada minutos após o ocorrido, ainda estamos atrás dos envolvidos nos danos e roubos no hospital.

Relato de uma mãe que viveu momentos de terror no Hospital de Santana (VÍDEO)

Nem dentro do hospital a gente está seguro. Estou com a minha bebê internada e hoje essa madrugada vivemos o pior susto com as crianças. 

Ainda pouco entraram um grupo de bandidos, entre eles um ferido buscando atendimento na maternidade, como vieram no setor errado e por não serem atendidos, quebraram as vidraças da recepção na tentativa de adentrar o local, além de levar os pertences dos recepcionistas. 

Ao acordar com o susto da gritaria e quebra quebra, eu só pensei em pegar minha filha e correr para o banheiro com os demais. 

Espero que a direção do hospital junto com as autoridades policiais tomem providências para que isso não aconteça com frequência. 

Pagamos impostos e temos o direito de receber segurança.

Nota: Tal relato foi postado nas redes sociais, seguindo das imagens abaixo:
 

Servidores e pacientes do hospital de Santana vivem momentos de terror

Funcionários lotados na maior unidade de saúde de Santana viveram uma madrugada de pânico e medo. Tudo em razão de um crime que aconteceu nas proximidades do local. 

De acordo com informações que estão chegando ao blog, um grupo de pessoas – em sua maioria, jovens de várias idades – adentraram desesperadamente ao Hospital de Santana, trazendo carregado um jovem que havia sido gravemente esfaqueado. 

“Eles entraram pelo lado da Maternidade, trazendo esse amigo deles. Como só fica mulheres na recepção (devido não haver mais vigilância pessoal), não tinha como evitar esse acesso”, relatou um funcionário ao blog, pedindo sigilo. 

Momentos após entrarem no hospital e saberem da confirmação do óbito do jovem, uma confusão logo se formou no local, onde diversos meliantes começaram a fazer um ‘arrastão’ pelos corredores do hospital. 

Diante de ameaças e intimidações, vários pertences foram sendo subtraídos de recepcionistas, enfermeiros e médicos plantonistas, que nada podiam fazer. Nos quartos e enfermarias, nada foi levado, segundo relatos.

“Levaram mochilas, bolsas, celulares e até mandaram alguns tirar os jalecos”, detalhou.

Não satisfeitos com que já estavam fazendo com os funcionários, os meliantes ainda vieram a destruir toda a estrutura de entrada da Maternidade do hospital, onde o balcão da recepção foi quebrado, além da vidraça e alguns bancos. 

Uma viatura da Polícia Militar de Santana esteve no local – cerca de meia hora após o ocorrido – onde estiveram fazendo várias diligencias nas proximidades, em busca dos envolvidos na ação, mas até o fechamento desta matéria, ninguém havia sido preso ou detido. 

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) ainda não se manifestou sobre o episódio no Hospital de Santana.

Na antiga Vila Maia, um clube que deixou saudade

Antiga sede social do Independente, em Santana
Bastou a iniciativa do Padre Ângelo Biraghi, durante uma simples reunião entre pessoas interessadas por esporte e lazer, que naquela tarde de 19 de janeiro de 1962, era fundado o Independente Esporte Clube (IEC). 

Segundo pioneiros, as primeiras assembléias ocorriam no salão paroquial da pequena Igreja de Nossa Senhora de Fátima, localizada no coração da histórica Vila Dr. Maia, no atual município de Santana. 

Na ocasião de sua oficial constituição, estavam presentes: Antônio Villela, José Muniz Ferreira, Francisco Corrêa Nobre, Odon Morales Y Morales, Sebastião Ramalho, José Bandeira, Cláudio Lúcio Monteiro, Melkizedee, Rubens Albuquerque e outros desportistas que residiam na própria Vila Dr. Maia ou nos vilarejos adjacentes à área da mineradora ICOMI, em Santana. 

1964: Sua primeira (e respeitada) diretoria esportiva
Interinamente foi eleito o Sr. Francisco Nobre (conhecido “Chico Jacaré”) para presidir a nova agremiação santanense até que seus estatutos e situações jurídicas fossem todas legalizadas. Em 22 de fevereiro daquele mesmo ano, numa assembléia que contou com a presença de quase 200 pessoas, foi aprovado o 1º estatuto do IEC, contendo 94 artigos.

Participou de sua primeira partida futebolística naquele mesmo ano de fundação (em 08 de dezembro/62), enfrentando o Guarany Futebol Clube, de Macapá (extinto), onde perdeu por um tento a zero. O jogo aconteceu durante o Torneio “Independência”, organizado pela Federação Amapaense de Desportos (FAD), realizado no antigo campo de esporte do Santana Esporte Clube (na área onde hoje está localizado o Fórum da Comarca de Santana). 

Seu primeiro uniforme (oficial nos jogos) era composto de uma camisa amarela e short azul. Em 1965, após aprovarem em assembléia realizada por seus dirigentes, o uniforme foi alterado: camisa/short verde com gola branca e meias verdes. 

IEC participando de jogos oficiais em Santana
No entanto, em 1972, ocorreu uma nova mudança na vestimenta do clube, ficando o short branco com a camisa/meias verde. A mais recente alteração do uniforme já veio ocorrer na década de 1990, quando passou a utilizar a camisa branca com o short verde. 

As conquistas no esporte amapaense
Em meados da década de 1960 receberia dos cronistas amapaenses o pseudônimo de “Carcará da Vila Maia” em virtude de seus atletas serem bem ágeis durante os jogos, onde faziam grandes passes de bola no ar, semelhantes aos vôos das aves de rapina que sobrevoavam a região amazônica. 

Sendo assim que conseguiria conquistar sua primeira vitória em maio de 1964, tornando-se vice-campeão da 2ª Divisão do Campeonato Amapaense de Futebol (CAF) daquele ano. O mesmo título de vice (agora pela 1ª Divisão do CAF) também seria adquirido nos anos de 1972, 1975, 1981, 2002 e 2003 pelo CAF. Porém, procurou se manter como um dos times mais prestigiados da 1ª ou 2ª Divisão dos campeonatos amapaenses das décadas de 1960 e 1970. 

A primeira vez que ergue a taça de clube vencedor do CAF aconteceu em 1982, seguindo 1983, depois 1989, vindo 1995 e o último título foi em 2001, quando o Estádio Zerão recebeu um dos maiores públicos numa final de “Amapazão” (foram mais de 5.000 pessoas presentes). 

Festa inaugural de sua sede própria, na Vila Maia
Vale Ressaltar que o “Carcará” foi justamente um dos times que participou do jogo de inauguração do Estádio “Zerão”, em 17 de Outubro de 1990, onde ali venceu o Trem Desportivo Clube por 1 x 0. Estavam presentes na arquibancada, o Presidente da República Fernando Collor, o ministro dos Esportes Arthur Coimbra (“Zico”), Governador do Amapá Gilton Garcia e outras autoridades nacionais, distribuídas entre as mais de 8 mil pessoas que assistiram à inauguração. 

Independente x Santana: Clássico do Porto 
A conhecida rivalidade desses dois clubes já existe desde janeiro de 1966, quando ocorreu o primeiro encontro de “titãs”, numa partida pelo CAF, no Estádio Augusto Antunes, na Vila Amazonas. O jogo terminou empatado (2 x 2), mas foi apenas um dos mais de 20 encontros oficiais que puderam prestigiar desde então. 

Desses encontros, o “Carcará” conseguiu vencer por 08 vezes e empatou 03 vezes. O mais recente certame aconteceu em 03 de outubro de 2009, no mesmo estádio onde começaram as pelejas de quase meio século (Estádio “Augustão”), terminando em 4 x 4.

Jogos entre o Independente e o Santana Clube.
Um fato curioso desse denominado “encontro de titãs” foi em setembro de 1972, quando dois clubes de uma mesma localidade fizeram a final de um campeonato amapaense de futebol, saindo favorecido o “Canário Amapaense”, que venceu por 2 x 1. 

Sua sede própria 
Em janeiro de 1965, ainda mantendo seu contato junto à diretoria do clube, padre Ângelo Biraghi começou a realizar diversas rifas e eventos comunitários que ajudariam a arrecadar fundos para construção da futura sede social do IEC. 

O citado local para levantar a sede do “Carcará” foi cedida pela Prefeitura de Macapá em meados do mesmo ano, colocando como titular do imóvel a Prelazia de Macapá, que posteriormente repassaria o terreno para a diretoria do IEC ainda na década de 1970. 

O terreno compreendido em 80m de frente e 81m na lateral, seria a primeira área patrimonial de propriedade do clube, que até o início da década de 1990, estaria somada com outras áreas espalhadas pelo município de Santana. 

Eventos sociais aconteciam na sede do IEC
No chamado terreno-sede do clube, foi erguida a primeira edificação comercial, que seria de madeira com telhas de brasilit. A edificação teria um pouco mais de 800m² e depois seria construída em alvenaria (já em 1973) para melhor acomodar seus sócios e freqüentadores. 

O local seria uma “coqueluche” para a sociedade local, especialmente para aqueles que vinham da capital para se divertirem em Santana. Buscando agradar o público que logo considerou o ambiente bem visto, a diretoria do “Carcará” passou a realizar inúmeros eventos em sua sede. 

Um dos primeiros eventos sociais foi em fevereiro de 1971, com a “Festa das Flores”, organizadas para escolher a mais bela jovem da sociedade amapaense. Outro importante evento que anualmente ocorria na sede do IEC era o conhecido Baile “Rainha das Rainhas” que, desde 1984, deixava a sede do clube com ingressos esgotados para a ocasião. 

Time histórico da década de 1960
Muitos também devem se lembrar do tradicional “Baile das Debutantes”, onde diversas senhoritas realizavam o sonho de dançar uma valsa ao lado de alguma celebridade da televisão brasileira, sendo este um dos eventos mais procurados pelas adolescentes de Macapá e Santana desde sua primeira edição, em 1978. 

O “Baile das Debutantes” era tão bem procurado que patrocinadores arcavam com as despesas do evento, evitando que o clube do “Carcará” gastasse durante esse período, que geralmente ocorria entre outubro/novembro. Houve ocasião que o evento que chegou a reunir 50 jovens numa única noite para dançar com um famoso ator da TV. 

Além desses eventos, a sede do IEC também promoveu encontros carnavalescos, assim como reuniões partidárias, comunitárias e até ações governamentais e municipais, sem deixar de falar que também serviu como local de apuração de eleições, e palco para posses de prefeitos e vereadores. 

Quando houve a transformação do município de Santana, a diretoria do IEC cedeu o espaço para servir como secretarias municipais e Júri Popular, em virtude de anda não haverem locais adequados para funcionar algumas repartições públicas. 

Muitos devem se lembrar que, durante o conflito político entre o então prefeito Geovani Borges e o governador do Amapá Comandante Anníbal Barcellos (em 1993), a sede do “Carcará” precisou ser utilizada pelo secretariado municipal, devido o Poder Estadual ter solicitado de volta o prédio onde funcionava o Executivo Municipal de Santana. 

Os anos difíceis e a crise do clube 
A chamada “crise institucional” do clube começou em 1985, quando o “Carcará” passou a acumular dívidas tributárias, onde algumas obrigações institucionais não eram quitadas por seus diretores. 

Alguns ex-presidentes do clube contam que já não havia mais prestações de contas das despesas realizadas pela entidade e constantemente ocorriam divergências entre os integrantes da diretoria, o que acabava atingindo o setor esportivo do clube. 

A primeira desistência do IEC sobre o “Amapazão” foi logo depois da conquista de 1983. Chegou a participar de seis jogos do CAF em 1984, mas não se classificou para as rodadas seguintes, retornando somente em 1988, quando a diretoria foi inteiramente substituída, podendo conquistar o Campeonato de 1989. 

Antiga sede, agora patrimônio privado
Uma nova crise atingiria o “Carcará” em meados da década de 1990. Mesmo tornando-se campeão em 1995, a diretoria deixou que a dívida patrimonial ultrapassasse a marca de R$ 10 mil, entre encargos e tributos trabalhistas. Na época, um de seus diretores chegou a cogitar a possível falência do clube. 

No entanto, a diretoria procurou amenizar as dívidas após a venda de um de seus terrenos, situado no bairro Paraíso, que media cerca de 30.000m² (local onde hoje está o prédio da nova Prefeitura de Santana), o que veio a causar revolta de diversos associados, que ingressaram na justiça contra a referida diretoria do IEC, denunciando como venda ilegal, sem o consentimento geral dos sócios. A área foi renegociada e posteriormente adquirida pelo poder municipal. 

No entanto, em dezembro de 2003, uma nova perda atingiria os associados do “Carcará”: o leilão da sede-central do IEC foi arrematado pelo empresário Carlos Augusto Vieira pelo valor de R$ 137.989,68 como forma de quitar dívidas deixadas por diretorias anteriores. 

A assessoria jurídica do IEC ainda tentou reintegrar a área ao clube santanense, sob tentativa de uma liminar em 02 de março de 2006, através do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, em Brasília (DF), mas sem êxito. 

A situação ainda chegou ao conhecimento do prefeito de Santana Antônio Nogueira, que sancionou o Decreto nº 0124/06-PMS, declarando a área arrematada como “Utilidade Pública”, visando ali construir o Complexo Administrativo da Prefeitura de Santana, e devolvendo o valor pago para o arrematante. Porém, o caso continuou desde então sob júdice. 

Mas sabemos que mesmo diante dessas dificuldades enfrentas, na qual obrigaram o clube a se afastar dos grandes campeonatos desde 2004, sua recente diretoria procurou estabilizá-la, vindo a retornar aos grandes jogos profissionais em 2007.

sábado, 18 de janeiro de 2020

Sucesso no primeiro show solo de Relson Cardoso em Santana

Sucesso no how de quase duas horas de duração
Só quem foi ao Espaço Villa Show, localizado na Rua Adálvaro Cavalcanti, no Centro de Santana, na noite da última sexta-feira (17) pode explicar o tamanho do sucesso que foi a primeira apresentação independente de Relson Cardoso. 

Considerado uma das mais recentes revelações do stand-up amapaense, Relson passou a demonstrar seu talento no âmbito da comédia há pouco mais de um ano, fazendo ‘pequenas’ participações em shows de outros grandes nomes do humor tucuju, tais como Hulk-Pão e Godinho dos Memes. 

Vendo que seu talento veio logo sendo bem reconhecido por quem aprecia os diálogos apresentados no stand-up comedy no Estado, a apresentação vista por inúmeras pessoas nesta sexta-feira deixou claro o valor dessas revelações junto ao público local. 

Paula Cristina com os comediantes amapaenses
A professora Paula Cristina, que esteve presente no show do comediante, contou ao blog sua satisfação em assistir o primeiro show solo de Relson. 

“O Show foi maravilhoso, rimos do começo ao fim, ainda tivemos a presença do maior humorista do Estado Hulk Pão”, reconheceu a professora, que ainda continuou: “O Relson é sensacional, humor em pessoa, e tenho certeza que vai explodir no humor nacional, levando o nome da nossa cidade para o Brasil, acredito muito no potencial dele”. 

Outros diversos elogios foram postados e compartilhados nas redes sociais, onde o próprio comediante não ficou atrás em agradecer pelo momento que ofereceu ao público. 

“Platéia mais top do mundo todo!! Muito obrigado por terem feito a minha noite de ontem tão incrível!!”, declarou o comediante, em sua conta no Facebook.

Santana Clube é suspenso pelo TJD e pode ficar de fora das disputas no futebol amapaense

O Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol do Amapá (TJD) suspendeu de todas as competições oficiais de futebol no estado as equipes do Trem, Santana e Ypiranga, que já confirmaram inscrição nos campeonatos Sub-17 e Amapazão 2020. 

A suspensão, informada no ofício 002/2020 ao Departamento Técnico da Federação Amapaense de Futebol (FAF) é em decorrência de dívidas dos clubes junto ao tribunal, por multas aplicadas como punições em julgamentos anteriores. 

No documento o TJD informa que, como os três clubes já se inscreveram para competições este ano a federação deve aplicar as penas descritas nos artigos 60 de 2019 e 61 de 2020 do Regulamento Geral das Competições regidas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 

Ambos os artigos destacam: o clube disputante de competição que for suspenso pela Justiça Desportiva perderá por W.O., com escore de 3 a 0 (três a zero) em favor do adversário, as partidas que deveriam ser disputadas durante o período da suspensão e, decorrido o período, jogará normalmente as demais partidas-. 

Segundo o presidente do TJD, Artur Lobo, a decisão acontece quando vencem os prazos para os pagamentos das multas impostas aos clubes. 

"Sempre que clubes profissionais, ligas e não-profissionais, passam por esta situação o tribunal deve aplicar está punição de suspender de qualquer competição", disse o presidente. 

O vice-presidente da FAF, Netto Góes, informou que na próxima semana os clubes e o TJD vão se reunir para formalizar um acordo, e que as competições não devem sofrer qualquer alteração. 

"Ainda há tempo para a realização do Sub-17 e Profissional, e até lá os clubes devem resolver sua situação junto ao tribunal", enfatizou o dirigente. 

Apesar da punição parecer severa, os clubes podem procurar o tribunal para negociar as dívidas ou converter as penas, ficando aptos a participar dos campeonatos. 

Como aconteceu com o São Paulo-AP, que também estava suspenso e transformou sua punição em uma ação social onde irá estampar uma frase, sobre a importância de doar sangue, em seus uniformes nesta temporada.

Informações postadas no G-1 Amapá

Bala Rocha diz que falta visão empreendedora para destravar o município

Pré-candidato à prefeitura do município de Santana, que compõe a Região Metropolitana de Macapá, Sebastião Bala Rocha (PSDB), afirmou na manhã deste sábado (18) durante entrevista ao programa Togas & Becas (Diário 90,9 FM), apresentado pelo advogado criminalista e radialista Helder Carneiro, que o destravamento e crescimento do segundo maior município do Estado só pode ocorrer por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP), focando que além da característica portuária, Santana desponta como grande área para criação de um pólo industrial. 

O ex-senador da República, declara que isso depende de uma visão empreendedora da gestão municipal. “Falta visão empreendedora de quem administra o município e não estou culpando prefeitos anteriores. Vou entrar em uma campanha e não vou agredir ninguém. O povo escolheu democraticamente os gestores que já comandaram o município, e não quero me colocar aqui na condição de melhor que ninguém, eu tenho um legado. Tenho uma história de sucesso e trabalho por Santana, pelo Amapá e pelo Brasil”, atesta. 

Ele lembrou que esse potencial econômico depende, ainda, de uma política atrativa que apresente garantias aos investidores. “Então, precisamos pegar a Docas de Santana, por exemplo, e transformar numa PPP. Seria a prefeitura atuando em uma frente, o Estado em outra e o investidor na terceira linha. Não podemos ser apenas um entreposto para os grãos. Precisamos industrializar aqui, os grãos que serão refinados para exportação. Esse produto final, beneficiado em Santana, vai ganhar os mercados brasileiro e internacional”.

Bala Rocha também demonstrou preocupação com o sucateamento do porto de minérios e a Estrada de Ferro do Amapá (EFA). “O porto de minérios é outra questão. O porto caiu, a estrada de ferro está ai, destruída. O prefeito precisa tomar frente, buscar parcerias e encontrar as soluções. Eu sei que já tem grupos aí trabalhando e se comprometendo em abraçar esses projetos de reconstrução, mas não se pode ficar inerte”. 

Bala Rocha também elogiou a determinação do presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), em somar nessa ‘frente por Santana’, ao destinar recursos para o projeto Orla. “Esse projeto é fundamental, e o senador Davi já chamou para si a responsabilidade e garantiu recursos na ordem de R$ 60 ou 70 milhões no orçamento da União. O governo federal deverá fazer a execução direta”. 

Ele lembrou ainda que projetos de integração levaram à criação da Região Metropolitana, e que isso é determinante para o fortalecimento econômico do município santanense. “Tenho participação importante nessa questão da Região Metropolitana, porque fui um incentivador e parceiro para a construção das duas pontes [Vila Nova e Matapi], colocando emendas todos os anos para forçar o governo a fazer projetos , porque nem projeto tinha, perdi várias emendas porque não tinha essa disposição”. 

Ao citar os principais problemas vividos hoje pelos munícipes, além da buraqueira das ruas e avenidas e a falta de saneamento, ele destaca a questão da coleta de lixo na cidade. “Hoje, existe um acordo entre as prefeituras de Santana e Macapá. O lixo coletado em Santana vai para o aterro sanitário da capital. A informação que se tem é a de que como a prefeitura de Santana atrasa o pagamento das taxas, que tem que pagar em relação ao uso do aterro, a empresa coletora não pode levar para o aterro sanitário. Com isso, o serviço é interrompido. Essa questão fica bem clara e exemplificada na recente ‘crise do lixo’, como ficou conhecida. Isso não pode acontecer em Santana”. 

Bala Rocha assegurou sua pré-candidatura, pediu para população ficar alerta com as fake news, dizendo que determinado candidato está desistindo de sua candidatura, e espera ter o mesmo sucesso que obteve em suas passagens na Assembléia Legislativa, Câmara dos Deputados e Senado Federal. 

Bala também comentou sobre a criação da ‘Frente por Santana’, que integra políticos de ideologias diferentes como Antônio Nogueira e Rarison Santiago, mas que busca consensos em favor do município, no sentido de se ter um diagnóstico e planejamento definidos. “Mesmo que a frente mais adiante não sobreviva, muita coisa boa, daquilo que estamos construindo, vai ficar”, comentou Bala Rocha ao lembrar da questão das bandeiras partidárias distintas.

Informações postadas no Diário do Amapá

‘Novo Amapá’: Peça teatral lembra 39 anos do naufrágio com poesia e homenagens

Os 39 anos do maior naufrágio do estado serão lembrados com poesia e homenagens no espetáculo "Novo Amapá", que acontece no sá...