“Novo Amapá”: Maior naufrágio do Brasil será contado em longa-metragem

Barco deixando Santana em janeiro de 1981.
Um dos assuntos mais comentados nas redes sociais, durante essa semana, foi sobre um longa-metragem que será produzido no Amapá, contando um dos mais tristes episódios da navegação brasileira, que é o naufrágio do Barco-motor “Novo Amapá”, ocorrido na fronteira marítima entre o Estado do Pará e o Amapá, em janeiro de 1981. 

O anúncio foi feito no último dia 08 de outubro, pelo ator-diretor de artes Wagner Júnior, que esteve em Macapá para participar da aula inaugural de uma oficina de interpretação cênica para TV e Cinema, coordenado pela produtora Monique Araújo. 

Numa entrevista concedida com exclusividade ao blog, o cineasta paraense – que já vive há anos na capital paulista – contou que a idéia de levar a história desse naufrágio amapaense para as telonas surgiu durante sua última visita de trabalho ao Estado. 

"Novo Amapá": Cartaz do longa
“Vim convidado pela produtora Monique Araújo para acompanhar umas aulas de interpretação no Estado, e como também estamos pretendendo fazer uma Oficina de interpretação, dessa mesma proporção, já agendado para o mês de dezembro, estamos querendo produzir um filme no final do curso”, relatou o cineasta, que ainda ressaltou que vários temas sobre o Estado do Amapá foram apresentados em pauta, para assim decidirem pela escolha do naufrágio como tema a ser projetado nas telas cinematográficas. 

“Consultamos vários temas históricos do Amapá e muitos sugeriram pela historia desse naufrágio, que não apenas deixou um resultado negativo para a sociedade, como também vem despertando a curiosidade de várias gerações até hoje”, disse o cineasta, que já debateu o assunto até com parlamentares federais do Amapá. 

“Tratei sobre o tema com o senador Randolfe Rodrigues (que é formado em História pela Unifap) e que já abraçou essa mesma causa e apoia o projeto”. 

Atores locais
Wagner adiantou que grande parte do elenco que vai participar dessa produção cinematográfica será selecionada no Amapá, dando ainda mais realismo e ênfase ao projeto que será totalmente rodado no Estado. 

Wagner Júnior: diretor do longa
“Em dezembro, estarei de volta em Macapá, acompanhado de quatro renomados atores nacionais (não revelou os nomes) da TV Globo, para ministrar uma Oficina de Interpretação com duração de quatro (04) meses, onde faremos o preparo e a seleção das pessoas que irão participar do filme”, explicou Wagner, que pretende manter cerca de 90% do elenco com atores genuinamente amapaenses. 

Durante sua próxima estadia no Estado, o cineasta também vai aproveitar para realizar os estudos de pré-produção e roteirização do longa-metragem, que contará de um extenso estudo de campo. 

“Levarei o Carlão Limeira (este que será diretor de fotografia do longa) para o Amapá, para mapear algumas locações e fazer entrevistas de campo que serão importantes para compor o material do longa-metragem”, detalhou o cineasta. 

No entanto, Wagner explicou de antecipado sobre um dos pontos que vem sendo bastante questionado em relação ao interesse de levar o naufrágio do Barco “Novo Amapá”, mais referente ao momento em que a embarcação acabou tombando nas águas do Rio Cajari. 

“Muita gente me questiona se vamos construir uma réplica do barco e sobre a cena do naufrágio, mas infelizmente isso não vai ser possível, por mais que hoje já exista recursos tecnológicos para se fazer uma cena dessas, nosso orçamento para o filme vai ser muito limitado, mas faremos um filme dentro do mais digno possível com a realidade”, pontuou Wagner. 

Parcerias
Por se tratar de uma obra de alto custo orçamentário, Wagner já garante que recursos serão buscados em todos os níveis públicos de incentivos destinados à cultura cinematográfica do Brasil. 

“De imediato, vamos cadastrar a obra no sistema de Direitos Autorais, que garantirá condições de buscar recursos para financiar o projeto, e claro que também tentaremos correr atrás de apoio público do Poder Estadual”, enfatizou. 

Após a conclusão da obra (filme), Wagner deixou claro que sua pré-exibição ficará destinado aos mais conhecidos e conceituados festivais de cinemas do Brasil e do Mundo, para depois seguir em circuitos de cinemas nacionais e internacionais. 

Vítimas foram sepultadas no cemitério de Santana
“Faremos de tudo para ele participar do Festival de Gramado (RS) e de outros festivais internacionais, como de Portugal, onde o cinema estrangeiro é bem visto e aplaudido”, espera com expectativa o cineasta, que ainda antecipou sua vontade de levar a história do maior desastre fluvial do Brasil ao redor do mundo. 

“Queremos levar essa história ao conhecimento do mundo inteiro, e acreditamos que será um sucesso no cinema”, finalizou. 

Naufrágio
O Barco-motor “Novo Amapá” naufragou na foz do Rio Cajarí na noite de 06 de janeiro de 1981, oito horas após deixar o Porto de Santana, levando mais de 600 pessoas a bordo. 

Segundo dados (da época) repassados pelo Governo do Amapá, mais de 350 pessoas morreram e cerca de 30 nunca chegaram a ser encontrados, levando o fato ao topo dos maiores desastre da navegação mundial, sendo ele o 13º maior naufrágio do planeta.

Comentários

  1. Como faço para participar da seleção de atores?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode entrar em ctt pelo numero 991733104. Monique Araújo

      Excluir
  2. Como faço para participar da seleção de atores?

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Me disseram que primeiro deve-se fazer uma oficina de Teatro.

      Excluir
    2. Pode entrar em ctt com o número 991733104. Monique Araújo

      Excluir
  4. Estive la na epoca...só colegas de trabalho morreram 106 da Jari Florestal...foi o maior pranto de choro que já ví em toda minha vida..

    ResponderExcluir
  5. Também gostaria de participar como faço alguém sabe me dizer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode entrar em ctt pelo numero 991733104. Monique Araújo

      Excluir
  6. sei de algo ai desse naufrago que dar pra enfatizar...ok.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode entrar em ctt pelo numero 991733104. Monique Araújo

      Excluir
    2. Pode entrar em ctt pelo numero 991733104. Monique Araújo

      Excluir
  7. Eu ficaria muito grato se participasse tbm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode entrar em ctt com o numero 991733104. Monique Araújo

      Excluir
    2. Pode entrar em ctt com o numero 991733104. Monique Araújo

      Excluir
  8. Eu ficaria muito grato se participasse tbm

    ResponderExcluir
  9. Meu esposo e minha sogra escapara por pouco,mais as suas primas e primos nao tiveram essa sorte,como partecipar?

    ResponderExcluir
  10. Meu esposo e minha sogra escapara por pouco,mais as suas primas e primos nao tiveram essa sorte,como partecipar?

    ResponderExcluir
  11. Pode entrar em ctt pelo número 991733104. Monique Araújo.

    ResponderExcluir
  12. Meu irmão era o comandante do barco,ele salvou duas pessoas,mas quando tentou salvar a terceira pessoa ele se a folgou e o corpo dele nunca foi encontrado, meu pai nunca se recuperou da perda.Familia Carvalho.

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Muito importante trazer à tona esse acontecimento fatídico. Tive conhecimento desse fato quando minha aluna participou da Olimpíada de Língua Portuguesa escrevendo as memórias de um senhor que perdeu o pai nesse acidente. O relato recontado pela aluna foi finalista no concurso e a história é emocionante.

    ResponderExcluir
  15. O barco novo Amapá após a acidente foi para Almeirim e tem seu novo nome de Santo Agostinho. Não sei se ainda resiste ao tempo.
    Quem o comprou foi o Sr. Pompilio de Siqueira Goes

    ResponderExcluir
  16. Interessante.
    Tio do meu marido estava no exército, fez parte dos que ajudaram a colocar os corpos em valas.
    Minha sogra tem colegas sobreviventes desse naufrágio.

    ResponderExcluir
  17. Eu tinha 12 anos na época e ainda lembro das pessoas chorando e correndo desesperadas pelas ruas da cidade procurando notícias de seus parentes ou amigos que partiram naquela embarcação as cirenes das ambulâncias por toda a Cidade ecoavam e mós fazia perder a fome preucupados,foram longos dias de horror ainda hoje tenho amigos sobreviventes, não esqueçam de contar que detalhes portantantes como políticos que se beneficiaram com a venda de grande quantidade cordas e madeiras para os caixotes fúnebres.


    Alomar gama

    ResponderExcluir
  18. MEU AVO NA ÉPOCA LIBEROU BARCOS PARA AJUDAR A RESGATAREM CORPOS NOS RIOS, MEU PAI AJUDOU...
    ME MÃE CONTA QUE ERAM VÁRIOS CORPO BOIANDO AO LONGO DO RIO.
    MUITO TRISTE.

    ResponderExcluir
  19. Olá, me chamo Cristiano, eu moro no município de Santana, onde os corpos das vítimas foram enterrados, ficaria muito feliz em participar do longa metragem...Minha tia se salvou, quando ela viu uma ratasana saindo de dentre o do barco, ela até chegou atar sua rede, mais quando ela viu a ratazana, ela saiu do barco, e as amigas que estavam com ela tbm...

    ResponderExcluir
  20. Morava em Santana na epoca tinha 15 anos ..fiquei apavorada tinha uma amiga no barco gracas deus ela se salvou

    ResponderExcluir
  21. Tem alguma previsão pra quando vai ser lançado o filme.?
    Estou anciosa pra ver ..sei que vai mexe com toda população Amapaenses.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas