Poder Judiciário do Amapá realiza 3ª etapa do curso em Justiça Restaurativa em Santana

Magistradas e servidores das comarcas de Macapá e Santana, servidores do Ministério do Público Estado, da Secretaria de Estado da Educação e funcionários do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá – IAPEN estiveram presentes durante uma semana, no auditório do SEBRAE de Santana, para a realização da 3ª e última etapa do Módulo de Curso de Capacitadores em Justiça Restaurativa para formação de multiplicadores dos métodos restaurativos e autocompositivos. 

Ministrado pelo Instituto THEM - Transformação Humana em Educação e Mediação, de São Paulo, o curso consiste em um direcionamento não punitivo, e que tem como principal objetivo a reparação dos danos causados às partes envolvidas em conflitos de diversas ordens. Ainda, quando possível, a reconstrução das relações rompidas. 

Capitaneado pela titular da Vara da Infância e Juventude de Santana, Larissa Noronha, o curso teve início no final de 2016 e, com a conclusão do 3º módulo, os novos mediadores de conflitos somam-se a uma equipe capacitada para multiplicar a promoção da prática da Justiça Restaurativa, pois a demanda vem crescendo bastante, com pedidos principalmente das áreas de educação e segurança pública. 

Com as práticas difundidas e bem aplicadas a toda sociedade, a magistrada espera ver todas as instituições fortalecidas em uma rede. 

“Além de aprimorar o diálogo entre as instituições que comprarem essa ideia, esse método vai dinamizar a atuação de cada elemento dessa rede, principalmente da Justiça, pois vai prevenir o aprofundamento e judicialização de conflitos”, ressaltou a juíza Larissa Noronha.

“Com os certificados em mãos, os servidores da Justiça formados irão estruturar um curso introdutório em Justiça Restaurativa, de 12 horas, para formar todos os servidores do Judiciário nesta prática, não tendo em vista apenas resolver conflitos, mas que também possam utilizar esses valores e princípios nos relacionamentos entre equipes e atendimentos ao público”, informou a servidora da Justiça e facilitadora de Práticas Restaurativas, Lucineide Santos. 

Os servidores formados também irão ingressar na “Escola Restaurativa”- projeto realizado paralelamente, com núcleos de mediação instalados nos colégios. 

“Somos um grupo de apenas 8 pessoas, e com essa nova turma de facilitadores formados nossa equipe irá aumentar e poderemos avançar na nossa meta anual de formação e atender o número de 24 escolas e seu corpo técnico, que ainda precisamos formar”, concluiu a servidora.

Comentários

Postagens mais visitadas