Caso Tainá: namorado apontado como suspeito quebra o silêncio

Ronaldo se apresentou no dia seguinte ao crime
O homem que seria o principal suspeito da morte da jovem Tainá de Barros, de 20 anos, se apresentou à 1ª Delegacia do município de Santana na tarde do último domingo (16). Dessa forma, ele poderá aguardar as investigações em liberdade. 

Ronaldo Furtado Damasceno, de 29 anos, conversou com o portal do jornalista Seles Nafes no escritório do advogado de defesa. Tainá Barros foi encontrada morta e sem roupas na tarde do último sábado (15/04), num terreno baldio em frente ao comando do 4º BPM. 

Desde o crime, o namorado dela, Ronaldo Furtado, passou a ser acusado pela família da vítima e visto como suspeito pela Polícia Civil. 

Em entrevista ao SN, ele revelou detalhes de sua história com a vítima. Contou que mantinha uma relação amorosa há quase dois anos com a vítima, mas, quando o namoro começou, ele ainda era casado com a irmã da jovem. 

Ronaldo e o advogado Benedito Parente
As duas irmãs não se davam bem por conta disso, diz. 

Quinta-feira, 13 de abril
Na última quinta-feira, 13 de abril, o suspeito disse que a vítima dormiu na casa dele e, que às 4h55min da manhã de sexta, 14, ela acordou para ir embora alegando que teria de chegar antes das 6h na casa dela. 

Ele teria se despedido e repassado R$ 15 para a jovem pegar um táxi. Segundo ele, essa foi a última vez que falou com ela. 

“Ela saiu por trás, eu dei o dinheiro do táxi e dei um beijo nela. Aí voltei a dormir. Ela saiu por trás porque minha ex-mulher mora perto, e ela (Tainá) não queria confusão. Para chegar à Rodovia Duca Serra ela tinha que andar mais ou menos uns 70 metros.

Acusações
Ronaldo Furtado já foi condenado por homicídio em 2005, passou alguns anos no Instituto de Administração Penitenciário do Amapá (Iapen) e atualmente cumpre o restante da pena em liberdade. 

Ele nega ter matado a jovem Tainá de Barros, e alega que está depressivo pelas acusações da família da vítima e pelo que falam nas redes sociais. 

Morta: Tainá foi encontrada estrangulada e despida
“A família dela me acusa, mas estou ciente que não fui eu. Deus sabe que não. A justiça vai desvendar. Tenho um filho com ela que a família não me deia ver. Fiz todos os tipos de exames, deixei meu celular com a justiça. Eu fiz questão de chamar a reportagem”, disse o acusado. 

Vítima de estupradores?
Na opinião do acusado e também do advogado de defesa, Benedito Parente, a jovem pode ter sido vítima de um assalto e de estupro. 

“Creio de pode ter sido assalto ou estupro. No velório um rapaz disse que tem imagens de vídeo de um carro preto encostando próximo dela, mas a justiça está cuidando disso. Ainda não tivemos acesso”, informou o acusado. 

“Isso não pode ser descartado, até porque já tivemos relatos que dias antes um carro também teria abordado outra menina no mesmo perímetro. Ali, apesar de ser perto do 4º BPM, é um lugar muito perigoso com pouca iluminação”, garantiu o advogado.

Crime premeditado?
Contudo, o advogado de defesa, Benedito Parente, não descarta a possibilidade de ter sido um crime premeditado, tendo em vista a forma em que tudo pode ter acontecido. Ele conta que os criminosos levaram as roupas da vítima e que podem ter usado de muita violência.

“Não deixa de ser um caminho a ser seguido, porque da maneira que ocorreu foi com muita audácia. Ali é uma passagem quase corriqueira de viaturas. A literatura criminal relata algo semelhante à maneira que ela foi encontrada, sem roupas com sinais de esganadura. Pra se fazer aquilo perto do comando da PM eu acho que não ocorreu lá. São inúmeras questões que precisam ser trabalhadas. Meu cliente não tem nada a esconder, ele queria constituir família com Tainá e não tinha motivos para fazer isso”, pontuou o advogado.

O homicídio está sendo investigado pela 1ª Delegacia de Santana.

Informações cedidas do site do jornalista Seles Nafes

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas