Vivendo com somente 30% dos órgãos vitais, ela venceu um câncer: “Nunca desisti de Deus”

Com câncer, Sienne perdeu mais de 35kg de peso
Uma mulher como tantas outras, Sienne Negrão Ribeiro também sonhou desde nova em encontrar um grande amor para sua vida, e que juntos planejassem seus ideais e assim executarem suas metas. 

E foi dessa forma que Sienne – ao lado de seu companheiro Edenildo Gama – colocariam em prática vários sonhos: da união vieram dois filhos e o objetivo de terem seu espaço para assim manterem dignamente sua família. 

“Sempre me dediquei nos meus objetivos e fui conquistando eles”, disse Sienne, de forma positiva e clara. 

Porém, o destino acabou lhe pregando uma peça que lhe custaria pelo menos 40 dias de angustia e desespero – não apenas para a jovem que na época tinha 29 anos, como também para seus familiares e amigos. 

Sintomas surgem na gestação
Diagnosticada com um câncer que inexplicavelmente avançou sob seu estomago e depois dominou vários órgãos de seu corpo, Sienne procurou de todas as formas manter o controle psicológico e emocional, se tornando uma prova viva de que as forças Divinas jamais deixam de agir. 

“Desde nova, frequento a igreja e mantenho minha fé nas coisas, e nunca desisti de Deus”, falou Sienne. 

A descoberta da doença
Segundo Sienne, os primeiros sinais de que algo doentio iria apareceu foi nas festas de Final de Ano em 2015, quando estava na casa de sua mãe. 

“Já sentia alguns sintomas quando ainda estava na 2ª gravidez, mas pensava que fosse devido ao processo de gestação, então acabei não dando tanta importância de momento nessa doença”, considerou Sienne que vivia de forma pacata e tranquila, ao lado do marido e dos filhos. “Trabalhávamos em equipe e vivendo de maneira bem simples, e feliz”. 

"Queria ver meus filhos crescerem", dizia.
Dias de tormento
No início de 2016, os sintomas começaram a se agravar em Sienne que imediatamente tomou providências de realizar novos exames médicos. 

O diagnóstico assustou a todos: de uma úlcera que ela havia contraído meses antes, acabou estourando internamente em seu organismo, formando-se um tumor cancerígeno que, aos poucos, já apresentava um considerável avanço doentio. 

“Me assustei de momento, mas procurei manter a calma, mesmo diante das dores e sofrimentos que passava ao longo do tratamento”, enfatizou Sienne. 

A perda descontrolada de seu peso físico caiu de maneira anormal. Para quem pesava em torno de 68kg, foi declinando rapidamente para menos de 40kg. 

“Fiquei internada por mais de 40 dias, não tinha forças nem para andar ou sentar”, relembra Sienne, que passou mais de 40 dias internada no Hospital Estadual de Santana (AP). 

Entre o tormento e da angústia que lhe atravessava em meio ao avanço da doença – oficialmente diagnosticada com um câncer na parede do estômago – Sienne enfrentou grande barreiras formadas não apenas pelo lado financeiro, mas também pelo lado social. 

Doente, o marido não lhe abandonou
“Vários médicos me olhavam e diziam que não passaria de alguns meses de vida (no máximo um ou dois anos), tinha aqueles que somente olhavam quando eu estava em crise (principalmente de vômitos) e iam embora, alguns médicos até já esperavam que eu fosse morrer logo”, detalha Sienne. 

Fiel Companheiro
Uma das grandes motivações que lhe dava forças – tanto psicológicas como espirituais – foi seu marido Edenildo Gama que, segundo Sienne, não demonstrou fraqueza a cada instante que a doença queria de mostra mais forte. 

“Muita gente chegava comigo (até parentes) e diziam para eu largar essa luta que ela já ia morrer”, conta Edenildo, que precisou largar até o emprego – onde estava lotado há mais de 10 anos – para cuidar da esposa. “Tinha que cumprir meu papel de esposo e companheiro, e não iria deixar que ela ficasse sozinha no leito de um hospital”. 

A companhia inseparável do marido não apenas aliviava o sofrimento de Sienne, mas também fortalecia a batalha que enfrentavam durante o período de internação, onde os gastos foram se acumulando. 

Sienne podia não andar e nem sentar
“Precisava tomar várias medicações que era preciso comprar e o custo era alto, tivemos que nos virar o quanto pôde para arranjar dinheiro, pois alguns desses remédios não eram cedidos no hospital”, relembra. 

Entre as fortes medicações que precisou apelar para amenizar as dores estavam o Tramal e a Morfina, considerados analgésicos de grande intensidade colateral quando aplicados no organismo humano. 

“Tinha vezes que nem essas medicações faziam mais efeitos no meu corpo”, revela Sienne, que também precisava tomar remédios para dormir. 

A Esperança Divina: Uma 2ª opinião
Diferente de tantas outras pessoas que após serem diagnosticadas com uma grave doença – muitas vezes até em fase terminal – Sienne jamais se curvou das chamadas “provações do inimigo” como assim descreveu. 

“Todos os dias, às 5hs da manhã orava e entregava minha vida à Deus diante desse desafio”, fazia Sienne, que não deixou as opiniões negativas lhe derrubarem quando o tempo de internação no Hospital de Santana, local onde sua situação doentia ficou famosa entre os funcionários e colaboradores daquela unidade de saúde. 

Sua cirurgia foi arriscada e ousada
“Dizia ao Senhor que queria ver meus filhos crescerem, mesmo sabendo que muitas pessoas já achavam que eu não teria muito tempo de vida”, enfatizou. 

Porém, a vontade do destino acabou sendo tomada de outra forma quando recebeu um conselho para procurarem uma nova opinião médica. 

“Me falaram para procurar o Dr.º Olavo (oncologista) que poderia me dizer algo sobre a situação e o que ainda poderia ser feito”, relembrou Edenildo, que já tinha levado sua esposa Sienne ao referido especialista, considerado um dos mais conhecidos e conceituados médicos da área no Estado. 

Ousadia Profissional
Segundo Edenildo, a opinião dita pelo Dr.º Olavo Magalhães demonstrou seu interesse diante da triste situação que Sienne havia chegado, porém, também era considerado muito ousado para um profissional da área da saúde. 

“Ele me aconselhou a tira-la daquele hospital e transferi-la o quanto para o HCAL (Hospital das Clínicas Alberto Lima) em Macapá se não quisesse que ela morresse. Seguir rapidamente seu conselho”, fez Edenildo. 

Sienne relata sua luta em igrejas evangélicas
Diante de um quadro clínico aparentemente irreversível, o especialista em Oncologia Olavo Magalhães desafiou vários conceitos de sua ética profissional, com o propósito de evitar que o pior acontecesse com Sienne Negrão. 

“Mesmo sabendo que estava agindo de maneira antiética, ele aceitou operar minha esposa, que poderia sobreviver ou não”, citou Edenildo. 

Em prévia da arriscada cirurgia que seria feita, Sienne ficou temporariamente internada no CTI do HCAL, passando desta vez por novos exames, chegando até mesmo a receber 12 bolsas de sangue antes do procedimento cirúrgico, em razão de está com sintomas de febre forte, o que viria acarretar uma possível parada cardíaca durante a operação cirúrgica. 

“Mantinha minha opinião quando dizia que era câncer que estava em fase terminal e não eu”, declarou Sienne, que ficou internada no mesmo quarto hospitalar com outras quatro (04) mulheres também diagnosticadas com tipos de câncer. “Fui vendo uma por uma morrendo e restou somente eu naquele quarto”. 

O testemunho da sobrevivência
O dia marcado foi 15 de maio de 2016. Uma data que entraria para a história da vida de alguém que viu andar ao seu lado, lhe provocando de todas as formas para que pudesse ve-la derrotada, como costuma dizer às pessoas. 

“Aquilo que as pessoas sofrem há anos, sofri em menos de cinco meses, mas sempre mantendo a esperança e a fé”, disse. 

O processo cirúrgico seguiu uma linha de extração de diversos órgãos internos que já estavam parcialmente comprometidos pelo câncer, além daqueles já considerados inválidos pelo sistema de funcionamento corporal. 

Foram totalmente retirados: o estômago, o baço, a vesícula, a diafragma, a “calda” do pâncreas, e um abserse causador. Ou seja, ficando cinco órgãos isolados. 

Sienne ao lado de Edenildo
Foram parcialmente retirados: o fígado, o pâncreas, o esôfago e o abdômen, para que assim pudesse ser feito uma chamada “ligação direta” do esôfago com o intestino, num procedimento cirúrgico que durou quase três horas. 

“Desses órgãos que são considerados importantes no corpo humano, fiquei praticamente com cerca de 30% que me mantêm hoje viva”, descreveu Sienne, que ficou inicialmente de alimentando (pós-cirurgia) por uma sonda paralateral e depois inlateral (tubos pelo nariz).

Uma Nova Vida
Sienne ainda precisou passar cerca de 10 dias internada no CTI para garantir uma recuperação instável, visando comprovar que tudo havia saído de acordo com o imaginado.

“Ainda comemorei o aniversário do meu caçula no hospital durante o tempo de recuperação”, comentou. 

Mesmo sem a existência de sinais que mostrem uma nova saúde, Sienne precisou limitar seu estilo de alimentação, conforme orientação médica. 

“Nada de enlatados, sem carboidratos. Posso comer pouca verdura, peixe e até frango, mas tudo dentro de um limite”, enumera Sienne, que ainda toma suplementos como revigorante alimentar. 

Relatando sua luta na igreja
Apesar do longo fato (entre a descoberta da doença e o tratamento pré-cirúrgico) ter lhe causado um parcial dano neurológico (perda de memória), e ainda está atravessando pelos processos de sessões de quimioterapia, a mulher que hoje segue com seus 31 anos de vida, frequenta diversas igrejas evangélicas – em Macapá e Santana – buscando contar a sua forte e dolorosa experiência com uma das piores doenças da humanidade. 

Residente no distrito do Igarapé da Fortaleza, mais precisamente da Travessa Rio Vila Nova, Sienne vive de um benefício previdenciário, concedido em razão da doença adquirida, além de manter um pequeno Brechó em frente de sua casa, que ocorre todos os sábados. 

“Não procuro pedir dinheiro de ninguém, mas tem aqueles que procuram me ajudar doando alimentos e roupas que coloco pra vender no meu Brechó, e isso tem me ajudado bastante”, finalizou ela. 

Caso queiram ajudar ou conversar pessoalmente com Sienne Negrão, e conhecer outros detalhes dessa mulher considerada “prova de um milagre”, basta procura-la na Travessa Rio Vila Nova, número 99, ou ligar pelo contato 99138-3439.

Comentários

  1. fé é isso,parabéns a sienne a fé dessa mulher é um exemplo de um verdadeiro cristão que apesar de tudo em nem um momento sua fé foi abalada

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas